«moral da história» ou histórias com sentido – 3-

Esta será uma história muito conhecida… e extensa. Ainda assim!

Contam que, uma vez, se reuniram os sentimentos e qualidades dos homens num lugar da terra.
Quando o ABORRECIMENTO reclamou pela terceira vez, a LOUCURA, como sempre tão louca, propôs-lhes:
- Vamos brincar às escondidas?
A INTRIGA levantou a sobrancelha intrigada e a CURIOSIDADE, sem poder conter-se, perguntou:
- Às escondidas? Como é isso?
- É um jogo, explicou a LOUCURA, em que eu fecho os olhos e começo a contar de um a um milhão enquanto vocês se escondem, e quando eu tiver terminado, o primeiro de vocês que eu encontrar ocupará o meu lugar para continuar o jogo.

O ENTUSIASMO dançou seguido pela EUFORIA.
A ALEGRIA deu tantos saltos que acabou por convencer a DÚVIDA e até mesmo a APATIA, que nunca se interessava por nada.
Mas nem todos quiseram participar.
A VERDADE preferiu não se esconder, para quê? Se no final todos a encontravam?
A SOBERBA opinou que era um jogo muito tonto (no fundo o que a incomodava era que a ideia não tivesse sido dela) e a COVARDIA preferiu não arriscar-se.

- Um, dois, três, quatro… – começou a contar a LOUCURA.

A primeira a esconder-se foi a PRESSA, que como sempre caiu atrás da primeira pedra do caminho.
A FÉ subiu ao céu e a INVEJA escondeu-se atrás da sombra do TRIUNFO, que com seu próprio esforço, tinha conseguido subir à copa da árvore mais alta.
A GENEROSIDADE quase não conseguia esconder-se, pois cada local que encontrava parecia-lhe maravilhoso para algum dos seus amigos – se era um lago cristalino, ideal para a BELEZA; se era a copa de uma árvore, perfeito para a TIMIDEZ; se era o voo de uma borboleta, o melhor para a VOLÚPIA; se era uma rajada de vento, magnífico para a LIBERDADE. E assim, acabou por se esconder num raio de sol.
O EGOÍSMO, ao contrário, encontrou um local muito bom desde o início – ventilado, cómodo, e apenas para ele.
A MENTIRA escondeu-se no fundo do oceano (mentira, na realidade, escondeu-se atrás do arco-íris), e a PAIXÃO e o DESEJO, no centro dos vulcões.O ESQUECIMENTO, não me recordo onde se escondeu, mas isso não é o mais importante.
Quando a LOUCURA já ia pelos 999.999, o AMOR ainda não tinha encontrado um local para se esconder, pois todos já estavam ocupados, até que encontrou um roseiral e, carinhosamente, decidiu esconder-se entre as flores.

- Um milhão – contou a LOUCURA, e começou a busca.

A primeira a aparecer foi a PRESSA, apenas a três passos de uma pedra.
Depois, escutou-se a FÉ, discutindo com Deus no céu.Sentiu-se vibrar a PAIXÃO e o DESEJO nos vulcões.Num descuido, encontrou a INVEJA, e claro, deduziu onde estava o TRIUNFO.
O EGOÍSMO, não teve que o procurar – ele saiu disparado de seu esconderijo, que na verdade era um ninho de vespas.
De tanto caminhar, a LOUCURA sentiu sede, e ao aproximar-se de um lago descobriu a BELEZA.A DÚVIDA foi mais fácil ainda, pois encontrou-a sentada sobre uma cerca, sem decidir de que lado ia esconder-se.

E assim foi encontrando um a um.
O TALENTO entre a erva fresca; a ANGÚSTIA numa cova escura; a MENTIRA atrás do arco-íris (mentira, estava no fundo do oceano); e até o ESQUECIMENTO, que já se tinha esquecido que estava a brincar às escondidas.
Apenas o AMOR não aparecia em nenhum sítio.
A LOUCURA procurou atrás de cada árvore, em baixo de cada rocha do planeta, e em cima das montanhas.
Quando estava a ponto de dar-se por vencida, encontrou um roseiral.
Pegou numa forquilha e começou a mover os ramos, quando ouviu um doloroso grito – os espinhos tinham ferido o AMOR nos olhos.
A LOUCURA não sabia o que fazer para desculpar-se – chorou, rezou, implorou, pediu perdão e prometeu ser seu guia.
Desde então, desde que pela primeira vez se brincou às escondidas na terra, o AMOR é cego e a LOUCURA sempre o acompanha.
Posted by Picasa

About these ads

20 pensamentos em “«moral da história» ou histórias com sentido – 3-

  1. Seria uma história tocante para mim se neste momento a vivesse pessoalmente. Contudo concordo plenamente com ela, especialmente no que respeita à loucura, pois uma relação só sobrevive se houver alguma LOUCURA à mistura. Pena é, muitas vezes, não se descobrir isso a tempo.

    Like this

  2. O amor é muito bonito quando tem algo de loucura, sem dúvida. A dor vem quando é necessário controlar essa loucura. É aí que arde sem se ver.

    Quanto a ser cego… só se estivermos a falar de selectividade, de só ver uma parte, de só ver o que quer. Assim concordo. O amor não é objectivo. A pessoa amada não é a melhor pessoa do planeta, não é a alma gémea. Mas é aquela que queremos, por aquilo que vemos, ou que julgamos ver. E apesar daquilo que, às vezes, nos recusamos a ver.

    JN

    Like this

  3. Anonymous, o «a tempo» também depende dos tempos que cada um «marca». Há ganhos e descobertas que, ainda que tardios, chegam a tempo…

    Like this

  4. JN, em citando Camões, vale o soneto inteiro :)
    A cegueira é a não-visibilização das coisas, certo? pode ser voluntária, sim. Diz o povo que «não há pior cego que aquele que não quer ver».
    E lembro a história da raposa e da coruja e de «quem o feio ama, bonito lhe aprece».
    Porque os olhos-de-olhar e os olhos-de-ver nem sempre registam as mesmas coisas :)

    Like this

  5. LN, há muito leio seu blog, mas só agora criei coragem pra comentar… Na verdade, não tinha como eu não me manifestar frente a um texto tão lindo!
    Não o conhecia , nem mesmo sei se é de sua autoria, mas fica aqui o registro do quanto me fez feliz ler um texto tão agradável, tão profundo, e com um final previsivel, mas ao mesmo tempo tocante e, por que não, maculado.
    Ótimo blog o seu, continue o bom trabalho. E de uma passadinha no meu o dia uqe tiver um tempo…

    Like this

  6. Vale a pena ler tudo até ao fim… Gosto muito da generosidade – ela também é uma forma de amor, não é?

    Like this

  7. Nossa!!! Esse texto é ecepcional!! E a moral da historia consegue ser facinante pq é uma coisa que mal nos apercebemos em nossos relacionamentos, e sempre a loucura nos deixa completamente cegos de amor.

    Estou passando por esse momento e posso dizer que realmente é um momento delicioso, porém devemos ter completo cuidado!!
    Parabéns, esse texto é MARA@!!!

    Like this

  8. POIS É, EU GOSTO DA LOUCURA, CONDUZ-ME À LIBERDADE, E QUE BOM É – LIBERDADE. TAMBÉM ADMIRO O AMOR, AJUDA-ME A CONTEMPLAR. JÁ O TEMPO, INIBE-ME, TORNA-ME PRISIONEIRO.
    VAMOS RETIRAR-LHE A EXISTENCIA, PORQUE, TAL COMO REFERE A LUCILIA “«a tempo» também depende dos tempos que cada um «marca». Há ganhos e descobertas que, ainda que tardios, chegam a tempo…” E NAO É VERDADE? O HOMEM ESTÁ SEMPRE A TEMPO.

    Like this

  9. o amor verdadeiro enfrentar tudo , quando voce amar uma pessoa vc ta disposta a fazer tudo por ela vamos viver como ser fosse o ultimo de nossas vidas

    Like this

  10. Linda história……até parece a história da minha vida…..pois há muitos anos se passou o mesmo comigo……………..Obrigado e continue a escrever estas lindas histórias, para podermos compreender o que por vezes amamos até á loucura e nos comportamos tão desunamente, com uns e outros!

    Like this

  11. EU CONCORDO O AMOR E MESMO CEGO E A LOUCURA SEMPRE ACOMPANHA ELE, SE A LOUCURA NAO O ACOMPANHA SE ELE FICARIA SEM GRAÇA, MAS EU QUERIA QUE O AMOR NAO FOSSE CEGO POR ELE SER CEGO MUITAS PESSOAS ACABAM SE MACHUCANDO E ACABAM FAZENDO LOUCURA POR MUITAS VEZES VEMOS O AMOR MATA E ISSO E MUITO TRISTE POIS UMA COISA QUE E PARA SER UMA COISA LINDA ACABA SENDO A COISA MAIS TRISTE DO MUNDO.

    Like this

  12. Pingback: «moral da história» ou histórias com sentido – 8: desejo-te o suficiente « Conversamos?!…

  13. Pingback: «moral da história» ou histórias com sentido – 9: da janela | Conversamos?!...

  14. Pingback: «moral da história» ou histórias com sentido – 10: o copo e o lago | Conversamos?!...

  15. Pingback: «moral da história» ou histórias com sentido – 11: a parábola do velho e das varas | Conversamos?!...

  16. Pingback: «moral da história» ou histórias com sentido – 12: o velho lenhador | Conversamos?!...

  17. Ha alguns meses eu fui traida pela pessoa q eu mais confiava. O pior foi saber q ele tinha engravidado ela, q por sinal é a ex mulher dele. Eu o perdoei e hj estamos juntos. Eu amo ele mais q a mim mesma. A crianca nasceu a quase um mes e no dia q ela nasceu eu chorei muito na frente do meu namorado, falei q eu estava com medo d ele mudar comigo. Ele tmb chorou muito, me disse q nao ia mudar o jeito e nem o q sentia por mim. Ontem ele trouxe a BB pra mim v, eu nao consegui nem olhar pro rosto da nenem. Quando ele saiu eu chorei muito, fiquei muito triste por nao ter nem olhado pra nenem por q apesar dela ter sido feita por uma traicao q aconteceu comigo, ela é un anjo q nao tem culpa d nada. Eu creio q meu amor é bem cego e bem louco, por q o amor sem loucura nao é amor d verdade. Eu tenho 15 anos meu namorado tem 26, nos namoramos a 2 anos e 4 meses. Meu sonho é poder ficar com ele e poder conquirtar o amor da filha dele igual ao amor q o outro filho dele conquistou de mim. Espero ser feliz com as pessoas q eu amo. Enfim ser feliz. Bju

    Like this

  18. Pingback: «moral da história» ou histórias com sentido – 13: o cavalo e o poço | Conversamos?!...

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s