Sisifo

abstractos-47


Recomeça….

Se puderes
Sem angústia
E sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.

E, nunca saciado,
Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.
Sempre a sonhar e vendo
O logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura
Onde, com lucidez, te reconheças…

Miguel Torga

Anúncios

Alusivo ao dia

abstractos-28

Aniversário é dia de anos. Anos de Vida; vida contada em Anos. Ah, ainda bem que não é assim tão simples… Nem a Vida se esgota nas contas nem as contas dizem realmente da Vida. Vale a plenitude de viver e a certeza de que chegamos sempre des-preparados a cada dia. E é bom que nos deixemos surpreender pelos acasos, as coincidências, os desafios e as flores. Hoje é dia de «leve toque narcísico», portanto.

Alfacinha de gema, da cidade milenar, lendariamente fundada por Ulisses, colónia fenícia Alis Ubbo, “enseada amena”, depois Olissipo, Felicitas Julia…   nascida no século passado, num 62 dito Ano do Tigre, em mês oitavo, de Augustus,  e num dia sempre especial (1+8, noves fora, nada). Já escolhi, em 2007, a fórmula c.e.l.e.b.r.o pelo que, hoje, actualizo e opto por f.e.s.t.e.j.o.

F.aço, ou procuro fazer, de cada troço do caminho uma oportunidade de encontro e de desenvolvimento pois esse é um dos desafios da vida, construir-se e fazer-se enquanto se faz o seu caminho; e, na maior parte das vezes, direi a brincar, como o pensador, «quanto mais trabalho, mais sorte pareço ter».

Estou certa que os amores da minha vida, em especial os meus filhos, me tornam melhor pessoa e redimensionam o meu mundo (especialmente, quando se trata de pensar o sentido das coisas e da vida); pois que o amor e a amizade são indispensáveis à felicidade e ao meu sentido de vida boa.

S.ou de entusiasmos e empenhos, de investir no que faço e pôr o melhor que sei em cada passada. O que leva a que, para contrapôr, faça gala em não deixar tarefas por concluir e tente moderar os impulsos de adesão a  projectos. Reconheço que sou de brio e de teimosia, o que às vezes ajuda a coragem a não se desalentar.

T.enho (certo, reconheço ter)  uma espécie de mau feitio, impaciência nem sempre contida, nem sempre bom jeito de dizer o que penso – mas também o riso fácil, o gosto por um debate bem argumentado, a conversa que se tece e retece em boa companhia. Ganho dos anos vividos e das experiências de vida, lá se vai abrindo mais espaço a uma tolerância activa, que só se treina no quotidiano.

E.ncaro os dias e as tarefas com alegria e optimismo militante contra o desalento e o pessimismo, a indiferença e o desinteresse (pois que a vida também é como a vejo, as coisas têm o valor que lhes dou…).  E prefiro correr riscos a passar adiante ou a lavar as mãos, até porque não tenho jeito para deixar que decidam por mim. Julgo que importa a vontade e o esforço, pois as pessoas – incluindo eu – teêm a capacidade de se desenvolverem, se superarem, serem rezilientes, irem além.

J.unto aqui, inegavelmente, a satisfação das pequenas coisas – aprecio passeio a ver o mar e a montanha, café e esplanada, sítios desconhecidos, gente diferente, monumentos, castelos, quadros … Interesso-me por tantas coisas que me é difícil não só elencá-las como nutrir todas convenientemente. E ademais nem a agenda se dilata e expande o bastante…. mas tanto sou avarenta com uns minutos como perdulária com horas, dependendo do que está (ou julgo que esteja) em apreço.

O. ócio e o lazer criativo são gostos acarinhados – ler, ver, ouvir -, especialmente, a leitura, e considero ócio coisas que outros consideram trabalho, o que me parece, hoje, natural. Ainda que tenha sido ao ócio que mais tempo roubei no ano que acabou de passar… E seja a quem mais me tenta prometer-me para diante. Pois que um outro ano começa.

Com o lema, mantido e reiterado, que onde há vontade, não falta caminho (J.R.Tolkien)- por isso, que não falte a vontade.

Leituras de Verão: artigos de «Philosophy Now»

The Edge of Knowledge

by Grant Bartley

Epistemology is the mining boss of philosophy. It digs deep into the foundations even of philosophy itself. The word means the study of knowledge (from the Greek episteme meaning ‘knowledge’ or ‘belief’, or in some circles, ‘faith’.) Its question is, How can we be sure about anything?

(…) Less generally, how can you ever credibly claim to know something before you can say how you know it? Put this way, it’s not hard to see that epistemology is at the base of science, philosophy, religion and many other areas of human endeavour. But the ways we know things may differ from field to field.

How do we know when a theory is scientifically valid? Here, what we want to know is whether it is an accurate description of the world, within its limits. The methodology of science is to compare the theory with whatever it is that the theory is about, then refine the theory as necessary until it gives a description consistent with what is observed. (As to which theories are scientific, a set of possible criteria is proposed by Russell Berg on p.14.) Science is about the observed world. The principle of how we know something to be true in science is, we know this is the way the observed world behaves because this is how it may best (ideally, incontrovertibly) be observed to behave.

(…) The value of a good philosophy of knowledge can be seen in all the fruits of science. Thus, contrary to Descartes’ mental quicksand, and in the face of the fears of all who do not trust questioning – who fear their belief-systems might be undermined by too many questions – we can view the epistemological mission as benevolent: to increase the stock, strength and detail of our most reasonable beliefs by providing them with the strongest foundation of justification possible; and perhaps to open up new ways of knowing. Engaging the epistemological understanding which is the touchstone of scientific research was like stepping into a hidden grotto universe. Who knows what knowledge is possible if we find equally good ways of knowing for other areas of enquiry too?

Philosophy Now