2009 a chegar ao fim…

O ano de 2009 fará, dentro de uma mão-cheia de horas, parte do passado de cada um 🙂

Entrar em 2010 é, de alguma forma, oportunidade de recomeços, de reinicios, de projectos.

O significado de Ano Novo a isso impele, nem que mais não seja cronológica  e simbolicamente.

O findar de um ano é um tempo de fim e de recomeço.

Momento de “morte” e “nascimento”, dizem.

2009 foi um ano denso,  trabalhoso… Caminhei por vales e planícies e lá fui experimentando escaladas de montanha. Houve momentos fáceis e difíceis, mas, no global, fiz-me à Vida que ela não se deixa em mãos alheias. Foi ano de ver crescer os meus filhos, de rir junto e me alegrar com coisas simples, de magia e aventura na vida. E de continuar, sempre, a procurar a metamorfose do dissabor em ganho, da frustração em aprendizagem, das perdas em ganhos.  Naturalmente, descobri pérolas e caí nuns quantos buracos. Como de costume, não posso queixar-me de não ganhar a lotaria, pois não joguei – a Sorte, Fado ou Moira vêm com cada dia. Ganhei gente, perdi gente – e com as pessoas que perdi, os mortos que representam o caminho que a todos espera, posso não ter ficado mais sábia mas fiquei claramente mais consciente da finitude.

Passou 2009. O extraordinário é mesmo tê-lo vivido. E com o muito que se aprendeu, restarem infinitos por explorar. Vai chegar um Novo Ano Novo. E nada de cair na tentação de tomar decisões no início do ano – se eram importantes, já deviam ter sido tomadas; se não são, esperam além destes dias de travessia. Que 2010 seja um Bom Ano, pródigo em paz e em alegria, saudável e fértil.

Citação do dia

“Make a radical change in your lifestyle and begin to boldly do things which you may previously never have thought of doing, or been too hesitant to attempt. So many people live within unhappy circumstances and yet will not take the initiative to change their situation because they are conditioned to a life of security, conformity, and conservation, all of which may appear to give one peace of mind, but in reality nothing is more damaging to the adventurous spirit within a man than a secure future. The very basic core of a man’s living spirit is his passion for adventure. The joy of life comes from our encounters with new experiences, and hence there is no greater joy than to have an endlessly changing horizon, for each day to have a new and different sun. If you want to get more out of life, you must lose your inclination for monotonous security and adopt a helter-skelter style of life that will at first appear to you to be crazy. But once you become accustomed to such a life you will see its full meaning and its incredible beauty.”

Jon Krakauer, Into the Wild

Poesia, sempre: MC, Pergunta-me


Pergunta-me
se ainda és o meu fogo
se acendes ainda
o minuto de cinza
se despertas a ave magoada
que se queda
na árvore do meu sangue

Pergunta-me
se o vento não traz nada
se o vento tudo arrasta
se na quietude do lago
repousaram a fúria
e o tropel de mil cavalos

Pergunta-me
se te voltei a encontrar
de todas as vezes
que me detive
junto das pontes enovoadas
e se eras tu
quem eu via
na infinita dispersão do meu ser
se eras tu que reunias pedaços
do meu poema reconstruindo
a folha rasgada
na minha mão descrente

Qualquer coisa
pergunta-me
qualquer coisa
uma tolice
um mistério indecifrável
simplesmente
para que eu saiba
que queres ainda saber
para que mesmo sem te responder
saibas o que te quero dizer

Mia Couto

(Escultura «Labareda», Bruno Giorgi)