» 7. Breviário


Uma das coisas fantásticas do horizonte, é que quanto mais nos aproximamos, mais ele se expande e se transforma.

Como se o horizonte fosse  uma ideia fugaz, de presença efémera.

E o que era meta de chegada, torna-se linha de partida…

(Serra do Açor, foto de Luís Mendes)

Citação do dia

« O fim da história, considerada como ciência humana e humanística, não é uma regressão ao passado, mas uma explicação do presente, uma arte de prever e uma promessa de excedência.

(…)

Preocupou-nos sempre e conjuntamente a face da vida extinta do passado e a da vida presente, para explicarmos uma pela outra. E quanto mais tentávamos compreender a segunda, mais descobríamos na sua estrutura as estratificações indeléveis da primeira.

(…)
A primeira lição que a história e a vida nos ensinam é a da transitoriedade dos mitos, dos regimes e sistemas.»

Jaime Cortezão
(cit por Franco Nogueira, As Crises e os Homens)

720 * Pensamento do dia

We tell lies when we are afraid… afraid of what we don’t know, afraid of what others will think, afraid of what will be found out about us.  But every time we tell a lie, the thing that we fear grows stronger.

Ted Williams

Ted Williams quotes

When a person lies, usually it is a conscious attempt to lead a person in another direction than the person would otherwise have taken

Quando uma pessoa mente, habitualmente é uma tentativa consciente de conduzir outra pessoa numa direção diferente daquela que ela, de outra forma, poderia ter tomado.

Ole Wolf


A ler

Enfermagem: de velhos caminhos a novos percursos

Luísa d’ Espiney

Resumo:
Neste artigo pretende‑se partilhar algumas reflexões sobre o processo de construção identitário dos enfermeiros. Construiu‑se a partir de dois estudos de caso com duas equipas de enfermagem, uma de cuidados continuados e outra de intervenção comunitária, as quais integram diferentes Centros de Saúde. De forma complementar, utilizam‑se as informações colhidas informalmente com numerosos grupos de enfermeiros que anualmente frequentam o Curso de Complemento de Formação em Enfermagem. Recorreu‑se, ainda, à literatura especializada sobre este assunto.
Defende‑se a ideia que os enfermeiros construíram a sua identidade profissional com base nos significados oferecidos pela medicina e pela instituição hospitalar e que, actualmente, por via das mutações sociais profundas que se verificam a todos os níveis, a sua experiência de cuidar diversifica‑se, torna‑se objecto de reflexão e o trabalho de relação com os utentes começa a emergir como uma referência mais significativa no perspectivar da
enfermagem como profissão de cuidar.
Conclui‑se que os processos de construção identitária se diversificam em função não só dos contextos mas também por via das transformações que ocorrem ao nível da estrutura dos Serviços de Saúde e das Políticas de Saúde.