Em jeito de poema: C. Lispector

“Gosto dos venenos mais lentos,

das bebidas mais amargas,

das idéias mais insanas,

dos pensamentos mais complexos,

dos sentimentos mais fortes…

Você pode até me empurrar de um penhasco que eu vou dizer:

-’E daí?! Eu adoro voar!’

Não me dêem fórmulas certas, por que eu não espero acertar sempre…

Não me mostrem o que esperam de mim, por que vou seguir meu coração…

Não me façam ser quem não sou.

Não me convidem a ser igual, por que sinceramente sou diferente.

Não sei amar pela metade, não sei viver de mentira, não sei voar de pés no chão.

Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra sempre.”

by Clarice Lispetor

One thought on “Em jeito de poema: C. Lispector

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s