«moral da história» ou histórias com sentido – 8: desejo-te o suficiente

7 – O menino e a borboleta

6 – Chocolate quente

5 – Pedras na praia

4 – A cobra e o pirilampo

3 – O Amor e a Loucura

2 – O monge e o escorpião

1 – A cenoura, o ovo e o café

“Há pouco tempo,  no aeroporto estava uma mãe e filha despedindo-se. Anunciaram a partida, elas abraçaram-se e disse a mãe: Eu amo-te filha. Desejo-te o suficiente.

A filha respondeu: Mãe, nossa vida juntas tem sido mais do que suficiente. O seu amor é tudo o que sempre precisei. Eu também lhe desejo o suficiente.

Elas beijaram-se e a filha partiu. A mãe passou por mim e encostou-se na parede. Pude ver que ela queria, e precisava, chorar.

Tentei não me intrometer nesse momento, mas ela dirigiu-se a mim, e perguntou: Você já se despediu de alguém sabendo que seria para sempre?

Já, respondi. Minha senhora, desculpe-me pela pergunta, mas por que é que foi um adeus para sempre?

Estou velha e ela vive tão longe daqui. Tenho desafios à minha frente e a verdade é que a próxima viagem dela para cá será para o meu funeral.

Quando se estavam a despedir, ouvi-a dizer “Desejo-te o suficiente”. Posso saber o que é que isso significa?

Ela começou a sorrir. É um desejo que tem sido passado de geração em geração na minha família. Meus pais costumavam dizer isso para toda a gente.

Ela parou por um instante e olhou para o alto como se estivesse a tentar lembrar-se dos detalhes e sorriu mais ainda.

Quando dizemos “Desejo-te o suficiente”, estámos a desejar uma vida cheia de coisas boas o suficiente para que a pessoa se ampare nelas. Então, virando-se para mim, disse, como se estivesse recitando:

Desejo-lhe sol o suficiente para que continue a ter essa atitude radiante.

Desejo-lhe chuva o suficiente para que possa apreciar mais o sol.

Desejo-lhe felicidade o suficiente para que mantenha o seu espírito alegre.

Desejo-lhe dor o suficiente para que as menores alegrias na vida pareçam muito maiores.

Desejo-lhe que ganhe o suficiente para satisfazer os seus desejos materiais.

Desejo-lhe perdas o suficiente para apreciar tudo que possui.

Desejo-lhe “olás” em número suficiente para que chegue ao adeus final.

Ela começou então a soluçar e afastou-se.
Dizem que leva um minuto para encontrar uma pessoa especial, uma hora para apreciá-la, um dia para amá-la, mas uma vida inteira para esquecê-la.”

 

Advertisements

7 thoughts on “«moral da história» ou histórias com sentido – 8: desejo-te o suficiente

  1. Pingback: «moral da história» ou histórias com sentido – 9: da janela | Conversamos?!...

  2. Pingback: «moral da história» ou histórias com sentido – 10: o copo e o lago | Conversamos?!...

  3. Pingback: «moral da história» ou histórias com sentido – 11: a parábola do velho e das varas | Conversamos?!...

  4. Pingback: «moral da história» ou histórias com sentido – 12: o velho lenhador | Conversamos?!...

  5. Pingback: «moral da história» ou histórias com sentido – 13: o cavalo e o poço | Conversamos?!...

  6. Pingback: «moral da história» ou histórias com sentido – 14: os sapinhos | Conversamos?!...

  7. Pingback: «moral da história» ou histórias com sentido – 15: a peste | Conversamos?!...

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s