# 59 | De palavras portuguesas

No Tempo da Língua, o autor transcreveu:

O vocabulário do português enriqueceu o seu fundo latino com empréstimos pedidos a línguas tanto próximas como distantes.

O léxico de uma língua de civilização como a língua portuguesa é […] extremamente complexo na sua composição, pois resulta de um trabalho multissecular de elaboração e de selecção, cujos princípios se situam bastante para além da época em que o português se manifesta como instrumento literário nos primeiros documentos escritos […]. Como sucede com o léxico das demais línguas de cultura, nunca será possível reconstituir todas as fases por ele percorridas e destrinçar a contribuição das muitas gerações que nele colaboraram até se constituir o magno edifício que hoje se nos depara nos grandes dicionários modernos. […] Entre as formas faladas-populares e as cultas-literárias observa-se uma permuta contínua e fertilizadora, em ambos os sentidos. Ao caudal vocabular do primitivo património afluiu, em ondas sucessivas, uma infinidade de elementos estrangeiros, europeus e extra-europeus, entrando em linha de conta praticamente todas as línguas com que os Portugueses, no decorrer da sua história, estiveram, directa ou indirectamente, em contacto.
Joseph Maria PIEL, «Origens e estruturação histórica do léxico português»,
Estudos de Linguística Histórica Galego-Portuguesa. Lisboa, IN-CM, 1989, pp. 55-60.
Carolina Michaëlis de VASCONCELOS, Lições de Filologia Portuguesa.
Lisboa, Revista de Portugal, 1946

Os Latinos possuíam o adjectivo planus (acompanhado naturalmente do advérbio plane, da locução adverbial de plano […] e do adjectivo substantivado planum equivalente de planície). Planum e planus – com a acepção material de liso, igual, espalmado e a figurada de claro, manifesto, evidente, certo, vivem no português chão; de duas sílabas chã-o na época arcaica, que possuía também o advérbio de pram, perdido posteriormente. Depois planus foi importado de Castela, na forma lhano com a significação de afável. De Roma tornou a vir na forma erudita, inalterada – plano, na acepção de projecto e planta, – tirada do Dicionário.
Finalmente entrou pela quarta ou quinta vez – importado da Itália na forma piano (e pianissimo) como adjectivo musical, significando com pouca força, devagar, de leve, e como nome de instrumento de música, com teclas e cordas.
Carolina Michaëlis de Vasconcelos

Formas
faladas-populares
(fundo latino)

Formas
cultas-literárias
(latim medieval, humanista e científico-erudito)
Elementos
pré-latinos

Elemento
germânico

Elemento
árabe

Elementos
franceses e
provençais

Elementos
africanos, asiáticos
e americanos

Elementos
italianos,
espanhóis e
outros
adro átrio barranco Visigotismos açoteia arauto Africanos Italianos
agosto augusto bezerro aleive açucar batalha ananás aguarela
atrever atribuir bruxa arrear açucena bilhete batuque balcão
cadeira cátedra cabana bando afagar blusa inhame banco
caldo cálido cama escanção alacrau boné soba brigada
cepo cipo carrasco espeto alarve cais etc. burlesco
cheio pleno chaparro espia albufeira chapéu calção
coalhar coagular lapa espora alcácer charamela Asiáticos contralto
colheita colecta mato laverca alcáçova cobarde andor escopeta
comprar comparar morro luva alcaide colete bengala fachada
cónego canónico mouta mejengra alcatifa comboio biombo fiasco
delgado delicado sarna roca alcatrão coragem chá infantaria
eira área seara ufano alcatraz croquete chávena ópera
entrudo entróito tojo álcool dama chita piano
falar fabular várzea Galicismos feudais de origem frâncica aldeia duque leque pitoresco
feito facto veiga bastir alecrim filete pagode soneto
foz fauce etc. elmo alface freire xaile etc.
ladino latino estala alferes fricassé etc.
lealdade legalidade guerra alfinete granja Espanhóis
lembrar memorar guardar alforreca jaula Americanos airoso
limpo límpido guarnecer algaravia jogral bata bandarilha
lindo legítimo jardim algarismo ligeiro cacau boina
logro lucro rico alguidar linhagem mandioca cabecilha
olho óculo sala aljube mensagem tabaco castelhano
orelha aurícula trégua almece monge tapioca caudilho
paço palácio venda almocreve oboé etc. cavalheiro
redondo rotundo etc. almude palafrém chiste
sanha insânia alqueire paletó faina
sede anafil proeza ganadaria
selo sigilo arraial puré guerrilha
solda sólida arroba refrão hediondo
arroz restaurante lhano
atalaia rua mantilha
até segrel moçoila
atum torneio moreno
auge trem muleta
azeite trovador tertúlia
azenha trovar tijolo
azul vergel trecho
chafariz viagem etc.
cifra vilanagem
fulano etc. Ingleses
javali bife
laranja clube
lezíria futebol
marfim lanche
oxalá pudim
rabeca etc.
recife
rês Holandeses
tabefe amarrar
tapete bacalhau
zagal bombordo
zarco etc.
etc.

One thought on “# 59 | De palavras portuguesas

  1. Pingback: “temos pena” | Conversamos?!...

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s