Citando Nozick

IMGP0651“Escrevo à maneira de muitos trabalhos filosóficos contemporâneos em epistemologia ou metafísica: há argumentos elaborados, afirmações refutadas por contra-exemplos improváveis, teses surpreendentes, quebra-cabeças, condições estruturais abstractas, desafios para encontrar outra teoria que se adapte a um âmbito específico de casos, conclusões chocantes e por aí em diante. Embora isto contribua (espero) para o interesse e entusiasmo intelectuais, alguns poderão sentir que a verdade acerca da ética e da filosofia política é demasiado séria e importante para que a possamos obter com instrumentos tão «vistosos». Não obstante, pode dar-se o caso de a correcção em ética não se encontrar naquilo que naturalmente pensamos.

Não são precisos argumentos elaborados para codificar a perspectiva recebida ou explicar princípios aceites. Considera-se uma objecção a outras perspectivas a mera indicação de que estas estão em conflito com a perspectiva que os leitores desejam à partida aceitar. Mas não se pode argumentar a favor de uma perspectiva diferente da que os leitores receberam indicando apenas que esta entra em conflito com aquela! Ao invés. Temos de sujeitar a perspectiva recebida à mais exigente análise e esforço intelectuais, por meio de contra-argumentos, do escrutínio dos seus pressupostos e da apresentação de um leque de situações possíveis em que até os defensores da perspectiva em causa se sintam incomodados com as suas consequências.
Mesmo o leitor que não se deixe convencer pelos meus argumentos concordará que, ao esforçar-se por manter e defender a sua própria perspectiva, a clarificou e aprofundou. Além disso, agrada-me pensar que a honestidade intelectual exige, pelo menos ocasionalmente, que nos esforcemos por confrontar argumentos poderosos contrários às nossas opiniões. De que outra maneira podemos evitar a persistência no erro?”
—–
Robert Nozick, Anarquia, Estado e utopia, tr. Vítor Guerreiro, Edições 70, pp. 22, 23.
—–
O que mais aprecio é esta ideia, do confronto com argumentos poderosos que são contrários às nossas opiniões. Pois, por um lado, obriga(mo)-nos a testar o que consideramos ser o nosso ponto de vista e, não menos relevante, dá-nos, verdadeiramente, uma oportunidade ímpar de não cristalizar. Um fundamento para aferir a solidez dos fundamentos…

One thought on “Citando Nozick

  1. Aprecio a ideia de confronto, é nestes Pequenos/grandes momentos que, sinto cada vez mais, o meu Mundo a alargar-se. Naquele momento, concluo que o meu mundo afinal, nao é mais que o meu sub mundo.
    Obrigado Doutora Lucilia por me proporcionar estas reflexões.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s