“O enfermeiro na sala de gessos”

 

Os enfermeiros João Gomes e José Fortunato, do Centro Hospitalar de Setúbal – Hospital Ortopédico Sant’lago do Outão, escreveram o livro “O Enfermeiro na Sala de Gessos – manual de normas sobre imobilizações em ortopedia e traumatologia”, onde partilham conhecimentos e técnicas da sala de gessos.

“Este livro é o resultado de 30 anos de exercício profissional em Sala de Gessos, no Hospital Ortopédico Sant’Iago do Outão. Durante estes anos, houve várias tentativas de organizar um manual relativo às principais técnicas que se executam em sala de gessos. Finalmente, conseguimos cumprir esse objetivo”, afirmou o enfermeiro João Gomes.

Da minha ligação ao assunto, além de ter tido o privilégio de escrever o Prefácio, considero que este livro representa um feliz encontro entre os profissionais com elevada expertise na área, a indústria que suportou a publicação, a formação e o ensino que usarão o «produto final», num ciclo que, futuramente, pode incluir revisões e ampliações.  A apresentação do livro decorreu no Hospital do Outão, no passado dia 3 de março, com a sala cheia e um ambiente caloroso, de reconhecimento mútuo, ligado à história do próprio hospital e dos enfermeiros.

Segundo sei, o manual (500 exemplares na 1ª edição) será enviado para todos os serviços de Ortopedia e todas as Escolas de Enfermageme  Saúde. Bem haja aos autores.

“Significados atribuídos à competência emocional do enfermeiro – estudo empírico e impacto na educação”

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS À COMPETÊNCIA EMOCIONAL DO ENFERMEIRO – ESTUDO EMPÍRICO E IMPACTO NA EDUCAÇÃO

Resumo

Objetivo: em vários estudos recentemente realizados, o lugar das emoções na prática de enfermagem surgiu principalmente focado no nível de experiência emocional, aumentando
a necessidade de significar a competência emocional do enfermeiro, a fim de encontrar contributos que permitam conhecer e compreender as diferentes dimensões e identificar
a sua finalidade no proporcionar conforto à pessoa hospitalizada numa unidade de cuidados paliativos.

Métodos: dado que se procuram os signifcados, a abordagem metodológica assumiu uma natureza qualitativa, descritiva e exploratória, utilizando a análise crítica do discurso de Fairclough para configurar o fenómeno. Os sujeitos do estudo foram enfermeiros e doentes que experienciavam a última etapa da vida, ambos presentes em unidades de cuidados paliativos. Foram entrevistadas trinta e quatro enfermeiras e doze pessoas vivendo o fim da vida.

Resultados: a análise e a compreensão da prática social em estudo permitiram construir o construto “competência emocional de enfermeiros”, juntamente com declarações descritivas de cinco capacidades e vinte e uma unidades de competência que o compõem. Conclusões: através da redução e da abstração teórica, o corpus discursivo revelou que a construção da “competência emocional dos enfermeiros” é concetualizada como um conjunto de capacidades que nos permitem conhecer, regular, alcançar e gerir fenómenos emocionais para construir e sustentar relações interpessoais em ambiente afetivo; e podemos explorar a influência na educação ou na gestão.
Palavras-chave: Competência clínica; emoções; métodos; assistência terminal; enfermagem.

Goal: In several studies, that have happened recently, the place of emotions in nursing practice has arisen primarily focused at the level of emotional experience, enhancing the need to signify the emotional competence of nurses. That need has the main intention of find contributions that allow knowing and understanding their different dimensions and identifying their purpose in providing comfort care to the hospitalized person in a palliative care unit.

Methods: Searching for meanings, the methodological approach has taken a qualitative, descriptive and exploratory nature, using critical discourse analysis of Fairclough to find the phenomenon configuration. Research subjects were nurses and patients who experience the last stage of life, both present in palliative care units. We have interviewed thirty-four nurses and twelve people living the end-of- life.

Findings: The analysis and understanding of the social practice under study allowed to build the construct‘emotional competence of nurses’ along with descriptive statements of five capabilities and twenty-one units of competency that compose it. Conclusions: The discursive corpus revealed that the construct of ‘emotional competence of nurses’ is conceptualized as a set of capabilities that allow us to know, regulate, achieve and manage emotional phenomena in order to build and sustain interpersonal relationships in affective environment; and we can explore the influence in education or management.
Keywords: Clinical competence; emotions; methods; terminal care; nursing.

Português

English