Publicado em Efemérides, Filosofia

Nascida no dia: Elizabeth Anscombe

Elizabeth Anscombe (de seu nome completo, Gertrude Elizabeth Margaret Anscombe) nasceu na Irlanda, em Limerick, dia 19 de março de 1919 e morreu em Cambridge, a 5 de janeiro de 2001. Regeu a cátedra de Filosofia da Universidade de Cambridge entre 1970 e 1986. O seu trabalho filosófico, muito do qual “contra a corrente” como se diz, abrange a ética, a filosofia da mente, a filosofia da religião. É reconhecida pelo pendor analítico, uma posição anti-utilitarista e cristã. Foi pioneira na teoria da ação contemporânea, como se pode ler em «Intention»(1957) e divulgou Wittgenstein ao conhecimento público (aliás, Wittgenstein  morreu em 1951, tendo-a nomeado como uma dos seus três executores literários).

Como a própria defende,“A filosofia analítica é mais caracterizada por estilos de argumentação e investigação do que por conteúdo doutrinal” –  e Elizabeth Anscombe é um dos expoentes da filosofia analítica no século passado. Tendo traduzido a obra de Wittgenstein para inglês, segue o trilho do mestre em alguns aspectos mas a força argumentativa e o rigor do seu trabalho e a pertinência das suas ideias evidenciaram-se mais.

Anscombe foi uma polemista, em artigos de opinião e intervenções radiofónicas e conferências. Em “Twenty Opinions Common among Modern Anglo-American Philosophers”(1986) afirmou que, uma vez que o nome ‘filosofia analítica’ corresponde a um estilo e não a uma doutrina, não deve ser surpreendente que os praticantes deste tipo de actividade tenham as mais diversas crenças a respeito de todo o tipo de assuntos.

Em “Does Oxford Moral Philosophy Corrupt the Youth?”(1957), um artigo publicado no The Listener, defendeu que a filosofia moral de Oxford está em perfeita harmonia com as ideias mais comuns na sociedade sobre moral, e é, de resto, uma versão académica dessas mesmas ideias –e portanto, não corrompe ninguém, quando muito, sofistica. À provocação em forma de pergunta, Anscombe responde com um rotundo “não”. Não, a Filosofia Moral de Oxford não corrompe os jovens mas não porque seja especialmente meritória – apenas porque é tão má como a mentalidade da sociedade em que os jovens já estão inseridos. Começou por mostrar que esta “escola” de filosofia teria as características necessárias para serum agente de corrupção através da propagação directa de ideias –(1) um certo ar de “seriedade moral”, (2) manter-se afastado dos factos, considera-los irrelevantes e (3) concentrar-se em exemplos ou completamente banais ou totalmente fantásticos. De seguida, as ideias centrais da dita “filosofia moral de Oxford” são comparadas com as ideias e os valores mais característicos da sociedade a visão da justiça, a noção de responsabilidade, a importância dada à sensibilidade e ao sofrimento, a noção de fim último e/ou forma de vida escolhidas e a sua natureza subjectiva, e a relação entre a educação das crianças e autoridade parental. A respeito de cada um destes assuntos, Anscombe mostra como não há diferenças significativas entre as ideias dos professores de Oxford e do resto do mundo – e deixa patente como isso é um problema tanto para a filosofia como para o mundo, porque essas ideias são, do seu ponto de vista, completamente erradas. Note-se, contudo, que as naturezas destes problemas são diferentes –se, para a filosofia, o problema com o erro é, em primeira análise,de carácter intelectual, para o mundo, o erro assume uma configuração ética. O facto de as pessoas andarem enganadas a respeito do que é uma boa acção, ou uma boa vida, pode impedi-las de a concretizarem ou viverem.

G. E. M. Anscombe (1919—2001) – by Duncan Richter for the Internet Encyclopedia of Philosophy

Gertrude Elizabeth Margaret Anscombe – by Julia Driver for The Stanford Encyclopedia of Philosophy

Elizabeth Anscombe – A BBC Programme Woman’s Hour episode in which Sarah Woolman speaks to Dr Rosalinde Hursthouse and Professor Philippa Foot

The Golden Age of Female Philosophy – A recent episode of Philosopher’s Zone which discusses Anscombe’s work along with the work of other great contemporary women philosophers

Anscombe Bioethics Centre – ‘a Roman Catholic academic institute that engages with the moral questions arising in clinical practice and biomedical research’

G.E.M. Anscombe Bibliography – by José M. Torralba for Universidad de Navarra

Anúncios

Autor:

LN é sigla de Lucília Nunes. Este blog nasceu no Sapo em 2001. Esteve no Blogspot desde 01.01.2005. Importado para Wordpress a 21.10.2007. Ligado ao FaceBook desde 13.12.2010.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s