Citação do dia [“quantos anos tenho?”]

Hoje, faço anos 🙂

Quantos anos tenho?

Tenho a idade em que as coisas são vistas com mais calma, mas com o interesse de seguir crescendo.
Tenho os anos em que os sonhos começam a acariciar com os dedos e as ilusões se convertem em esperança.

Tenho os anos em que o amor, às vezes, é uma chama intensa, ansiosa por consumir-se no fogo de uma paixão desejada. E outras vezes é uma ressaca de paz, como o entardecer em uma praia.

Quantos anos tenho? Não preciso de um número para marcar, pois meus anseios alcançados, as lágrimas que derramei pelo caminho ao ver minhas ilusões despedaçadas, valem muito mais que isso…

O que importa se faço vinte, quarenta ou sessenta?!
O que importa é a idade que sinto. Tenho os anos que necessito para viver livre e sem medos. Para seguir sem temor pela trilha, pois levo comigo a experiência adquirida e a força de meus anseios.

Quantos anos tenho? Isso a quem importa? Tenho os anos necessários para perder o medo e fazer o que quero e o que sinto.

José Saramago

Nascido do dia: Miguel Torga

Miguel Torga, pseudónimo de Adolfo Correia da Rocha nasceu em São Martinho de Anta concelho de Sabrosa a 12 de agosto de 1907 e faleceu a 17 de janeiro de 1995, em Coimbra com 87 anos.

Adolfo Correia Rocha nasceu no dia 12 de Agosto de 1907, em S. Martinho de Anta, concelho de Sabrosa, distrito de Vila Real. Da sua biografia, sobejamente conhecida, principalmente através dos seis volumes d‟A Criação do Mundo, destacamos a simplicidade e a pobreza em que foi criado, bem como os valores que lhe foram incutidos por seu pai, Francisco Correia Rocha, e por sua mãe, Maria da Conceição Barros. Foi aí, na agrura dos penedos transmontanos, que o carácter firme e duro do autor se moldou. Ninguém o disse melhor que ele: “(…)eu sou homem de granito”5, com todas as implicações simbólicas que a expressão contempla. A condição social do jovem Adolfo não o impediu de desenvolver uma surpreendente e aguda inteligência, que o seu mestre e os próprios pais não queriam ver desperdiçada na lavoura dos terrenos familiares. Contudo, a família não dispunha de possibilidades financeiras para que o futuro escritor pudesse estudar, o que fez com que, aos dez anos, fosse para o Porto como criado de servir, ingressando, passado um ano, no Seminário de Lamego. A falta de vocação religiosa e o desejo de contrariar a sina a que parecia destinado impeliram-no a, em 1920, com treze anos, partir rumo ao Brasil. Em Minas Gerais passou cinco anos, a realizar todo o tipo de trabalho na fazenda do tio, sem qualquer compensação monetária. Antes de regressar a Portugal (em 1925) ainda frequenta, durante um ano, o Ginásio Leopoldense. É ainda a expensas do seu tio, recompensa pelo seu trabalho, que faz o liceu em Coimbra (curso de sete anos que completa em apenas três) e na mesma cidade cursa Medicina, que conclui em 1933. Este self-made man, que se construiu através do seu próprio suor, publicou, em edição de autor, os títulos Ansiedade(1929), que renegou posteriormente, à excepção de um verso, Rampa(1930), Pão Ázimo(1931), Tributo(1931) e Abismo(1932). Colabora ainda na Presença e funda a efémera Sinal, revista que teve um único número. Em 1934, Adolfo Correia Rocha, médico em exercício, deixa de publicar. É então que Miguel Torga nasce para a Literatura, através da publicação de A Terceira Voz:

“Com um ósculo vo-lo entrego. Chama-se Miguel Torga. Somos irmãos e temos a mesma riqueza. Mas há dias reparámos nesta coisa simples: para que aos vossos olhos um de nós surgisse Cristo, necessariamente o outro tinha de fazer de Judas. (…) despeço-me de cena e dou a minha palavra de honra que não reapareço…”

Com esta “saída de cena” teatral, este segundo “baptismo”, o escritor homenageia três figuras que considera basilares da cultura ocidental: Miguel Ângelo, Miguel deCervantes e Miguel de Unamuno.

continuar a ler

A influência clássica na obra poética de Miguel Torga: o caso particular do Diário.  Tese de Ana Madeira de Albuquerque e Aguilar. Mestrado em Estudos Clássicos – Literatura comparada. 2010.

Nascido do dia: Gaston Bachelard

Gaston Bachelard nasceu a 27 de junho de 1884, no vilarejo de Bar-sur-Aube, localizado na região da Champagne no interior da França e faleceu a 16 de outubro de 1962.

Em 1903, Bachelard trabalhou nos correios de Remiremont até 1906. Transferiu-se para Paris (1907-1912), licenciando-se em Matemática em 1912. Foi convocado para a 1ª Guerra em 1914. Em 1918, após a desmobilização, voltou a Bar-sur-Aube, onde lecionou Física e Química no ensino secundário. A teoria da relatividade “deitou por terra” as suas ideias no terreno da Física, o que o levou a estudar filosofia, obtendo assim, uma segunda licenciatura em letras, em 1920. Bachelard concluiu o Doutoramento na Sorbonne em 1927, com a tese – Ensaio sobre o conhecimento aproximado – encontrando-se esboçada uma das suas principais proposições epistemológicas: na ciência, o conhecimento é sempre aproximado, isto é, o ato de conhecer nunca é pleno: os erros não podem ser eliminados pois, mesmo nas ciências exatas, tem de se trabalhar com aproximações e, por conseguinte, o filósofo adota como postulado da epistemologia, o caráter sempre inacabado do conhecimento.

Iniciou carreira regular de professor universitário aos 46 anos, lecionou na Faculté des Lettres, da Universidade de Dijon (1930-1940) e na Sorbonne (Paris), onde permaneceu até 1954, tendo lecionado História e Filosofia das Ciências Morais e Políticas. O seu primeiro livro publicado foi Essai sur la conaissance approchée (1928) e o seu livro mais célebre Le Nouvel esprit scientifique (1934). Recebeu a Legião de Honra em 1951 e o Grande Prémio Nacional de Letras em 1961 .

As obras de Gaston Bachelard são classificadas em diurnas e noturnas. Diurnas são  as do saber científico, expresso na Epistemologia e
na História das Ciências – “O novo espírito científico” de 1934, “A formação do espírito científico” de 1938 e “A filosofia do não” de 1940. Noturnas são as que se debruçam sobre a criação artística, e remetem ao estudo no âmbito da imaginação poética, dos devaneios e dos sonhos – são exemplos “A psicanálise do fogo” de 1938, “A água e os Sonhos” de 1942 e “O ar e os sonhos” de 1943.

Nascido do dia: Erich Maria Remarque

Nasceu a 22 de Junho de 1898, em Osnabruck, na Alemanha, Erich Paul Remark. Durante a I Guerra, com 18 anos, partiu para as trincheiras, tendo sido ferido várias vezes. Depois da guerra mudou o seu nome para Remarque e teve diversos empregos, incluindo bibliotecário, professor e editor.

Em 1929, publicou o seu trabalho mais famoso Im Westen nichts Neues (A oeste nada de novo) com o pseudónimo Erich Maria Remarque (mudando o seu nome do meio em honra da sua mãe). Viajou para a Suiça em 1931, avisadamente, pois os  seus livros foram queimados e banidos pelos nazis, no famoso 10 de maio de 1933.

Em 1938, as autoridades alemãs retiraram-lhe a cidadania alemã, por ter “arrastado na lama” os soldados da grande guerra e apresentado uma visão “antigermânica” dos acontecimentos. Em 1939 viajou para os Estados Unidos e obteve cidadania americana em 1947. Morreu a 25  de setembro 1970, na Suiça.

Nascido do dia: Blaise Pascal

Blaise Pascal nasceu a 19 de junho de 1623, em Clermont-Ferrand e morreu em Paris, a 19 de agosto de 1662. Matemático, físico, inventor, filósofo e teólogo francês. Os primeiros trabalhos dizem respeito às ciências naturais e ciências aplicadas –  estudo dos fluidos, conceitos de pressão e vazio,  método científico. Aos 19 anos inventou uma das primeiras calculadoras mecânicas, a Pascaline.

Blaise Pascal contribuiu decisivamente para a criação de dois novos ramos da matemática: a Geometria Projetiva e a Teoria das probabilidades. Em Física, estudou a mecânica dos fluidos, e esclareceu os conceitos de pressão e vácuo, ampliando o trabalho de Torricelli.

Blaise Pascal interessou-se pelo cálculo infinitesimal, pelas sequências, tendo enunciado o princípio da recorrência matemática. O cálculo diferencial e integral de Newton e Leibniz que seria a base da física clássica foi inspirado num tratado publicado por Pascal sobre os senos num quadrante de um círculo onde buscou a integração da função seno, que também viria a ser a base da matemática moderna.

Le cœur a ses raisons que la raison ne connaît point.
O coração tem razões que a razão desconhece.

O homem está sempre disposto a negar tudo aquilo que não compreende.

O homem é feito visivelmente para pensar; é toda a sua dignidade e todo o seu mérito; e todo o seu dever é pensar bem.

O hábito é uma segunda natureza que anula a primeira.

A contribuição de Blaise Pascal para a computação foi reconhecido por Nicklaus Wirth, que em 1972 nomeou Pascal a nova linguagem de computador (e insistiu que ser escrito Pascal, não PASCAL). O Pascal (Pa) é uma unidade de pressão atmosférica nomeada em honra de Blaise Pascal – curioso que um Pascal é a força de um Newton sobre uma área de superfície de um metro quadrado.

Nascido do dia: Walt Whitman

Walt Whitman nasceu a 31 de maio de 1819, em Groselhis, município de Huntington, Nova Iorque. Tinha 4 anos quando a família se mudou para Brooklyn, frequentou a escola até aos onze anos, trabalhando depois como aprendiz numa tipografia.

Em 1835 trabalhou como impressor e no Verão do ano seguinte começou a ensinar em East Norwich, Long Island. Entre 1836-1838 deu aulas e de 1838 a 1839 editou o semanário Long Islander, em Huntington. Participou como jornalista na campanha presidencial de Martin Van Buren (1840-41). Em Maio de 1841 regressou a Nova Iorque, novamente como impressor. Entre 1842-1844 editou um jornal diário, Aurora, e o Evening Tatler.

Em 1845, e durante um ano, escreveu para o Long Island Star, tornando-se depois editor do Daily Eagle de Brooklyn, de 1846 a 1848. Em Fevereiro de 1848 foi para New Orleans e trabalhou no Crescent mas em maio regressou a  Brooklyn através do Mississippi e dos Grandes Lagos.

Editou o Freeman de Brooklyn entre 1848-1849 e no ano seguinte montou uma tipografia e uma papelaria. No início de Julho de 1855 publicou a primeira edição de “Leaves of Grass“, impressa na Rome Brothers de Brooklyn e cujos custos Whitman suportou. A primeira edição da obra mais importante da sua carreira não mencionava o nome do autor e continha apenas 12 poemas e um prefácio. A obra poética de Whitman centra-se em “Leaves of Grass”, dado que ao longo da sua vida reviu e completou, existindo oito edições durante a sua vida.

No Verão seguinte foi publicada a segunda edição de “Leaves of Grass”, com o nome do autor. Era composta por 32 poemas, intitulados e numerados. Entre eles encontrava-se Poem of Walt Whitman, an American, o poema que haveria de se chamar “Song of Myself”. Entre a Primavera de 1857 e o Verão de 1859 Whitman editou o Times de Brooklyn.

Entre 1863-1864 trabalhou para o Exército em Washington, DC, servindo como voluntário em hospitais militares. Regressou a Brooklyn doente e com envelhecimento prematuro causado pela experiência da guerra civil. Trabalhou a seguir como funcionário do Departamento do Interior (1865) e publicou em Maio desse ano o livro “Drum-Taps”, que continha 53 poemas acerca da guerra civil e da experiência nos hospitais militares, incluindo “When Lilacs Last in the Dooryard Bloom’d,” elegia para o Presidente Lincoln. O Secretário James Harlan considerou o livro indecente e despediu-o.

Em 1867 foi publicada a quarta edição de “Leaves of Grass”, com 8 novos poemas. No ano seguinte saiu em Londres uma selecção de poemas de Michael Rossetti, intitulada “Poems by Walt Whitman”. A quinta edição de “Leaves of Grass” (1870-1871) teve uma segunda tiragem que incluía “Passage to India” e mais 71 poemas, alguns dos quais inéditos.

Depois de publicar “Democratic Vistas”, em 1872 viajou para Hannover, New Hampshire. Em Janeiro de 1873, sofreu uma paralisia parcial. Pouco depois morreu a mãe e o escritor deixou Washington para se fixar em Camden, New Jersey, com o irmão George.

Em 1876 surgiu a sexta edição de “Leaves of Grass”, publicada em dois volumes. Em Agosto de 1880, Whitman reviu as provas da sétima edição de “Leaves of Grass”e sob ameaças do Promotor Público teve de suspender a distribuição do livro. A edição só foi retomada dois anos mais tarde por Rees Welsh e depois por David McKay. Incluía 20 poemas inéditos e os títulos definitivos e uma ordem dos poemas revista. Em 1882 foi publicado o livro “Specimen Days and Collect”.

Os últimos anos de vida de Whitman foram marcados pela pobreza. Em 1888 sofreu um novo ataque de paralisia e viu publicados 62 novos poemas sob o título “November Boughs”. Ainda nesse ano foi publicado “Complete Poems and Prose of Walt Whitman”.

A oitava edição de “Leaves of Grass” apareceu em 1889, e no ano seguinte começou a preparar a nona edição, que seria publicada em 1892, já depois da sua morte.

Whitman morreu a 26 de Março de 1892 e foi sepultado em Camden, New Jersey, para onde se tinha mudado em 1884. Cinco anos depois foi publicada em Boston a décima edição de Leaves of Grass (1897), a que se juntaram os poemas póstumos “Maria Amélia”.

Ficou mais conhecido mundialmente a partir das citações inseridas no filme O Clube dos Poetas Mortos, entre os quais Carpe Diem.

fontes

Walt Whitman

Memórias: Walt Whitman nasceu há 200 anos

Walt Whitman, poetry foundation

Dia Internacional da Saúde da Mulher

O Dia Internacional da Saúde Feminina é celebrado a 28 de maio.

Criado em 1987, este dia visa alertar a população para a desigualdade entre mulheres e homens no acesso aos cuidados de saúde e promover ações de sensibilização para a importância da saúde feminina e do devido acompanhamento médico a todas as mulheres.   imagem aqui

entre maio e junho: Dante Allighieri

Quando Dante nasceu, em maio de 1265, Florença era palco de violentos confrontos entre os partidários do Papa, os guelfos, e os do Imperador, os gibelinos. As pretensões papais apoiavam‑se numa pesada falsificação do século VIII ou IX, a
chamada «doação de Constantino», que sustentava ter o Império sido depositado por Constantino nas mãos do papa Silvestre I, pelo que aos sucessores de Pedro caberia o exercício do poder temporal, ao mesmo título que o poder espiritual. Tal pretensão era, com forte razão histórica, negada pelos detentores da coroa do Sacro Império, cujo poderio fora contendo pela força das armas as aspirações dos partidários dos papas. Além disso, o projeto do Império era reunir sob a mesma coroa toda a Península Itálica, reduzindo à sua mínima expressão os territórios submetidos ao poder do papado.
Mas a morte de Frederico II, que governara o Império a partir da Sicília, ocorrida em 1250, desatara as paixões e instaurara no centro da Itália um clima de conflito generalizado que teria um epílogo transitório na Batalha de Montaperti, em 1260, na qual os partidários do Imperador lograram retumbante triunfo. Os gibelinos tomaram o poder em Florença e aí se mantinham à data do nascimento de Dante.

O essencial sobre Dante Alighieri, p. 17-18

Dante Alighieri nasceu em Florença, entre 21 de maio e 20 de junho de 1265. Não há registo oficial da data de nascimento – Dante diz ter nascido sob o signo de Gémeos, entre fim de maio e meados de junhoDante, na verdade, é um hipocorístico de Durante,  segundo o testemunho do filho Jacopo Alighieri. Nos documentos, era seguido do patronímico “Alagherii” ou do gentílico “de Alagheriis”, enquanto a variante “Alighieri” se afirmou com o advento de Boccaccio.

Nasceu numa importante família florentina (cujo apelido era Alaghieri) comprometida politicamente com o partido dos guelfos, uma aliança política envolvida em lutas com outra facção de florentinos: os gibelinos.  O seu pai, Alighiero di Bellincione, foi um “guelfo branco” e não sofreu qualquer represália após a vitória do partido gibelino na Batalha da Montaperti. Essa consideração por parte dos próprios inimigos denota, com alguma segurança, o prestígio da família.

A mãe morreu quando Dante contava apenas com cinco ou seis anos de idade. Com a idade de doze anos, em 1277, a família impôs o casamento de Dante com Gemma, filha de Messe Manetto Donati, prática comum — tanto no arranjo quanto na idade — na época. Era dada uma importância excepcional à cerimónia que decorria num ambiente muito formal, com a presença de um notário. Dante teve vários filhos de Gemma.

Pouco se sabe sobre a educação de Dante, presumindo-se que tivesse estudado em casa, de forma autodidata. Sabe-se que estudou a poesia toscana, talvez com a ajuda de Brunetto Latini. Aos dezoito anos, com Guido Cavalcanti, Lapo Gianni, Cino da Pistoia e, pouco depois, Brunetto Latini, Dante lançou o Dolce Stil Nuovo, marco da poesia lírica italiana.

Em 1290, Dante procurou refúgio espiritual na filosofia da Literatura latina. Sabemos que leu a De consolatione philosophiae, de Boécio, e a De amicitia, de Cícero. Dedicou-se, pois, ao estudo da filosofia em escolas religiosas, como a Dominicana de Santa Maria Novella, tanto mais que ele próprio era membro da Ordem Terceira de São Domingos. Participou nas disputas entre místicos e dialécticos, que se travavam, então, em Florença nos meios académicos, e que se centravam em torno das duas ordens religiosas mais relevantes. Por um lado, os franciscanos, que defendiam a doutrina dos místicos (São Boaventura), e, por outro, os dominicanos, que se socorriam das teorias de Tomás de Aquino.

Dante participou na vida militar da época. Em 1289, combateu ao lado dos cavaleiros florentinos, contra os de Arezzo, na batalha de Campaldino, em 11 de junho. Em 1294, estava com os soldados que escoltavam Carlos I, Conde de Anjou (também referido por vezes como Martel) quando este estava em Florença. Foi, também, médico e farmacêutico; não pretendia exercer essas profissões mas, segundo uma lei de 1295, todo nobre que pretendesse tomar um cargo público devia pertencer a uma das guildas (Corporazioni di Arti e Mestieri – ou seja, “Corporação de Artes e Ofícios”). Ao entrar na guilda dos boticários, Dante podia, assim, aceder à vida política. Esta profissão não era, de todo, inadequada para Dante, já que, na época, os livros eram vendidos nos boticários. De 1295 a 1300, fez parte do “Conselho dos Cem” (o conselho da comuna de Florença), onde fez parte dos seis priores que governavam a cidade.

O envolvimento político de Dante acarretou-lhe vários problemas. O papa Bonifácio VIII tinha a intenção de ocupar militarmente Florença. Em 1300, Dante estava em San Gimignano, onde preparava a resistência dos guelfos toscanos contra as intrigas papais.

Em 1301, o papa enviou Carlos de Valois, (irmão de Felipe o Belo, rei de França), como pacificador da Toscânia. O governo de Florença, no entanto, já recebera mal os embaixadores papais, semanas antes, de forma a repelir qualquer influência da Santa Sé. O Conselho da cidade enviou, então, uma delegação a Roma, com o fim de indagar ao certo as intenções do Sumo Pontífice. Dante chefiava essa delegação e ficou em Roma, retido por Bonifácio.

Entretanto, a 1 de novembro de 1301, Carlos de Valois entrava em Florença com os guelfos negros que, por seis dias, devastaram a cidade e massacraram grande número de partidários da facção branca. Instalou-se, então, um governo apoiante dos guelfos negros. Dante foi condenado, em Florença, ao exílio por dois anos, além de ser condenado a pagar uma elevada multa em dinheiro. Ainda em Roma, o papa “sugeriu-lhe” que aí se mantivesse, sendo considerado, a partir de então, um proscrito. Não tendo pago a multa, foi, por consequência, condenado ao exílio perpétuo. Se fosse, entretanto, capturado por soldados de Florença, seria sumariamente executado, queimado vivo.

Foi para Verona, hóspede de Bartolomeo Della Scala; mudou-se para Sarzana (Ligúria), e, depois, supõe-se que terá vivido algum tempo em Lucca com Madame Gentucca . Algumas fontes afirmam que teria estado em Paris, entre 1308 e 1310. Outras fontes, menos credíveis, porém, dizem que teria ido até Oxford.

Em 1310, Henrique VII do Luxemburgo invadiu a Itália. Dante viu nele a hipótese de se vingar. Escreveu-lhe, bem como a vários príncipes italianos, cartas abertas onde incitava violentamente à destruição do poderio dos guelfos negros. Misturando religião e assuntos privados, invocou a ira divina sobre a sua cidade, sugerindo como alvo principal do desagrado de Deus os seus mais tenazes inimigos pessoais. Em Florença, Baldo d’Aguglione perdoou a maior parte dos guelfos brancos que estavam no exílio, permitindo-lhes o seu regresso. Dante, no entanto, tinha ultrapassado largamente os limites toleráveis para o partido negro nas suas cartas a Henrique VII, pelo que o seu regresso não foi permitido.

Em 1313, com a morte de Henrique, morreu também a esperança de Dante de rever a sua cidade. Voltou para Verona onde Cangrande I della Scala, o Senhor de Verona, lhe permitiu viver seguro, confortável e, presume-se, com alguma prosperidade.

Em 1315, Florença foi obrigada, por Uguccione della Faggiuola (oficial militar que controlava a cidade) a outorgar amnistia a todos os exilados. Dante constava na lista daqueles que deveriam receber o perdão. No entanto, era exigido que estes pagassem uma determinada multa e que aceitassem participar numa cerimónia de cariz religioso onde se retractariam como ofensores da ordem pública. Dante recusou-se a semelhante humilhação, preferindo o exílio.

Quando Uguccione derrotou, finalmente, Florença, a sentença de morte que recaía sobre Dante foi comutada numa pena de prisão, sob a única condição de que teria de ir a Florença jurar solenemente que jamais entraria na cidade. Dante não foi. Como resultado, a pena de morte estendeu-se aos seus filhos.

Dante ainda esperou que fosse possível ser convidado por Florença a um regresso honrado. O exílio era como que uma segunda morte, privando-o de muito do que formava a sua identidade. Morreu em Ravena, a 13 ou 14 de setembro de 1321.

Escritor, poeta e político florentino, considerado o primeiro e maior poeta da língua italiana, definido como il sommo poeta (“o sumo poeta”), autor de La Divina Commedia (“A Divina Comédia”), uma das obras-primas da literatura universal. A obra foi originalmente intitulada Comédia e mais tarde foi rebatizada com o adjetivo “Divina” por Giovanni Boccaccio. A primeira edição que adicionou o novo título foi a publicação de Lodovicco Dolce, publicada em 1555 por Gabriele Giolito de Ferrari.

Museo Casa di Dante

Dante Alighieri – Stanford Encyclopedia of Philosophy

8 e 9 de Maio | 1945, Dia da Vitória

O Instrumento da Rendição Alemã marcou o do fim da Segunda Guerra Mundial na Europa.

A 8 de maio de 1945, o Alto Comando da Wehrmacht assinou, em Berlim, a capitulação incondicional do Terceiro Reich ante as forças aliadas. O fim da Segunda Guerra Mundial na Europa, cinco anos e meio após o seu início. A data ficou conhecida como Dia da Vitória na Europa, enquanto que para os soviéticos a data passou a ser celebrada no dia 9 de maio, uma vez que o documento foi assinado após a meia noite no horário de Moscovo.

A II Guerra Mundial só terminaria, totalmente, a 2 de setembro, com a rendição do Japão.

The Germans surrendered on May 8, 1945, which has since been celebrated annually on the 8th or 9th of May as Victory over Europe Day, commonly known as V-E Day. However, Japan refused to surrender, leading to the atomic bombing of Hiroshima and Nagasaki on August 6th and 9th respectively. In the aftermath of the bombing, Japan surrendered on August 15th and formally surrendered on September 2, 1945. Victory over Japan Day, commonly known as V-J Day, is celebrated annually on August 15 in the UK and September 2 in the US. With both the Germans and Japanese having formally surrendered, the Second World War was officially ended on September 2, 1945.

(aqui)

V-Day

DN, 8 maio 1945

RTP, o Fim da IIª Grande Guerra

Uma das fotos famosas:

 

Nascido do dia: Sigmund Freud

Sigismund Schlomo Freud nasceu a 6 de maio de 1856, em Freiberg in Mähren,  no Império Austro-Húngaro (atualmente Příbor, na República Checa), numa família de tradição judaica. Mudaram-se para Leipzig e, depois, Viena quando ele tinha 4 anos de idade, e lá viveu até à anexação da Áustria em 1938.

Entrou para a faculdade de Medicina em 1873, terminando o curso em 1881, tendo, nos entretantos, mudado o nome para Sigmund (em 1878) e discutido a hipnose com Josef Breuer.

Em 1882, entrou no Hospital Gerald e Viena como assistente do psiquiatra Theodor Meynert e do professor de medicina interna Hermann Nothnagel. Nesses anos, a par da investigação da medula, desenvolveu interesse pela cocaína

Em 1885, foi para Paris estagiar com Jean-Martin Charcot. As 19 semanas constituíram uma viragem na sua carreira, pela compreensão que as doenças psicológcas podiam ter origem na mente e não no cérebro (ou, dito de outra forma, serem psicológicas e não orgânicas).

Regressou a Viena em 1886, casou com Martha Bernays, abriu consultório na Berggasse 19 , começou a usar a hipnose nos seus doentes, tornou-se amigo de Wilhelm Fliess.

Em 1900, publicou Die Traumdeutung (“A Interpretação dos Sonhos”) apresentando uma descrição sobre o inconsciente. Foi publicado pela primeira vez numa edição de 600 cópias, que não se esgotaram durante oito anos. Só mais tarde ganhou popularidade, e teria sete edições publicadas em vida de Freud.

Em 1902 foi nomeado Professor “Extraordinarius” da Universidade de Viena, onde permaneceu até 1938. Reuniu à sua volta um grupo de discípulos com os quais, em 1908, formou a “Sociedade Psicanalítica de Viena”.

Em 1904 Freud publicou Zur Psychopathologie des Alltagslebens (The Psychopathology of Everyday Life), em que explorou erros aparentemente insignificantes como lapsos de língua ou caneta (mais tarde chamados coloquialmente lapsos freudianos), interpretações erróneas ou esquecimento de nomes. Entendeu que esses erros tinham importância sintomática e, portanto, interpretável. Mas, diferentemente dos sonhos, podem surgir de causas hostis, ciumentas ou egoístas mais imediatas.

Em 1905,  publicou Der Witz und seine Beziehung zum Unbewussten (Jokes and Their Relation to the Unconscious)e Drei Abhandlungen zur Sexualtheorie (Three Essays on the Theory of Sexuality).

Durante dez anos, Freud trabalhou sozinho no desenvolvimento da psicanálise. Em 1906, a ele juntou-se Adler, Jung, Jones e Stekel, que em 1908 se reuniram no primeiro Congresso Internacional de Psicanálise, em Salzburg.

O primeiro sinal de aceitação da Psicanálise no meio académico surgiu em 1909, quando foi convidado a dar conferências nos EUA, na Clark University, em Worcester.

Em 1910, por ocasião do segundo congresso internacional de psicanálise, realizado em Nuremberg, o grupo fundou a Associação Psicanalítica Internacional, que consagrou os psicanalistas em vários países.

Entre 1911 e 1913, Freud foi vítima de hostilidades, principalmente dos próprios cientistas, que, indignados com as novas ideias, tudo fizeram para desmoralizá-lo. Adler, Jung e toda a chamada escola de Zurique separaram-se de Freud.

(fonte)

In 1910, the International Psychoanalytic Association was founded with Carl Jung, a close associate of Freud’s, as the president. Jung later broke with Freud and developed his own theories.

After World War One, Freud spent less time in clinical observation and concentrated on the application of his theories to history, art, literature and anthropology. In 1923, he published ‘The Ego and the Id’, which suggested a new structural model of the mind, divided into the ‘id, the ‘ego’ and the ‘superego’.

Os seus livros foram queimados na praça pública em Berlim, depois da ascensão de Hitler ao poder, em 1933.

Com a anexação da Áustria pela Alemanha, saiu de Viena e foi para Londres, com a mulher e a filha Anna. Tinha sido diagnosticado com cancro em 1923,  e depois de muitas cirurgias, morreu a 23 de setembro de 1939.

Sigmund Freud  1856-1939

Sigmund Freud’s Life and Contributions to Psychology

Sigmund freud (1856-1939)

Cold War Freud and Freud: An Intellectual Biography review – the politics of psychoanalysis

celebrar o 1º de maio

1º MAIO 74

Ainda que o Dia do Trabalhador seja uma comemoração do final do século XX, em Portugal foi assinalado a partir de 1974, depois da revolução do 25 de abril.

A efeméride remonta a 1886 e a uma manifestação de 500 mil trabalhadores nas ruas de Chicago, nos EUA, que pretendiam reduzir para 8 o número de horas de trabalho diário. Estava previsto ser uma manifestação pacífica mas a polícia dispersou a concentração, depois de ferir e matar dezenas de operários.

Manifestacao-Trabalhadores-ChicagoQuatro dias depois, a 5 de Maio de 1886, os operários voltaram às ruas e foram novamente reprimidos: 8 líderes presos, 4 trabalhadores executados e 3 condenados a prisão perpétua. A solidariedade internacional pressionou o governo americano a anular o julgamento e a elaborar novo júri, em 1888. Os membros que constituíam o júri reconheceram a inocência dos trabalhadores, culparam o Estado americano e ordenaram que soltassem os 3 presos.

Em 1889 o Congresso Operário Internacional, reunido em Paris, decretou o 1º de Maio como o Dia Internacional do Trabalhador.

Nos Estados Unidos da América o Dia do Trabalhador celebra-se na primeira segunda-feira do mês de Setembro e é conhecido por “Labor Day”.

The first Labor Day was held in 1882. Its origins stem from the desire of the Central Labor Union to create a holiday for workers. It became a federal holiday in 1894. It was originally intended that the day would be filled with a street parade to allow the public to appreciate the work of the trade and labor organizations. After the parade, a festival was to be held to amuse local workers and their families. In later years, prominent men and women held speeches. This is less common now, but is sometimes seen in election years. One of the reasons for choosing to celebrate this on the first Monday in September was to add a holiday in the long gap between Independence Day and Thanksgiving. (aqui)

selos icónicos para assinalar 75 anos

Foram lançados 12 selos que assinalam o fim da II Guerra Mundial, já que a 8 de maio se celebra o Dia da Vitória. Das 12, 8 eram, originalmente, imagens a preto e branco. New stamps issued to mark 75th anniversary of end of Second World War

– A serviceman returning home to Oreston, south Devon, from his air base in Lincolnshire
– Nurses celebrating VE Day in Liverpool
– Crowds celebrating VE Day in London’s Piccadilly
– Evacuees returning home to London after a stay in Leicester
– Troops marching along London’s Oxford Street
– Soldiers and sailors leaving a demobilisation centre carrying their civilian clothes in boxes
– Allied prisoners of war at Aomori Camp near Yokohama, Japan, cheering their rescuers
– A member of the Women’s Royal Naval Service proposing a toast during celebrations in Glasgow

The other stamps show images of personnel returning from overseas, and the return of children evacuated from cities.

(Royal Mail, UK)

Já no Canadá, hoje também, os selos lançados têm outro «design». Canadian stamps honor 75th anniversary of V-E Day –  According to Canada Post, these two nondenominated permanent rate (currently 92¢) stamps “tell the stories of Private Leo Major, who fought to liberate the Netherlands, and factory worker Veronica Foster, who helped recruit women to the wartime workforce. Together, they represent the more than two million Canadian men and women who played a key role in the Allied victory.”

24 de Abril, cavalo de Tróia

24 de abril é importante na mitologia grega – é a data em que os espartanos entregaram um presente ao povo de Tróia, um grande cavalo talhado em madeira. Como narrou Homero, a causa do conflito foi o rapto de Helena, filha de Zeus e esposa de Menelau, rei de Esparta, por Páris, príncipe de Tróia.Os espartanos procuraram vingança, liderados por Agamenon, irmão de Menelau. Um exército de mil naus atravessou o mar Egeu para atacar Tróia – as naus gregas desembarcaram numa praia próxima de Tróia e iniciaram um cerco que iria durar dez anos.
Dez anos sangrentos, que dividiram os deuses – Afrodite, Ares, Apólo e Ártemis tomavam o partido de Tróia; Hera, Atena e Poseidon, o lado da Grécia. Os heróis chacinavam e eram chacinados e Virgílio afirma que pela terra corriam rios de sangue. Dois dos mais notáveis da Antiguidade morreram neste conflito –  Heitor, irmão de Páris, e Aquiles, maior guerreiro troiano.
Savater, em Ética para um Jovem, utiliza o exemplo da história de Heitor para o processo de tomar decisões corajosas. De Aquiles, todos sabemos, até do seu único ponto fraco. É conhecida a armadilha do Cavalo de Tróia, ideia de Odisseu, construção de Epeu  – todavia, quando penso nele, surge-me como símbolo da imprudência. O cavalo foi colocado dentro da cidade pelos próprios habitantes, que julgaram ser um presente para o rei. Levaram o inimigo para dentro das muralhas e celebraram. Tratava-se, afinal, de um dos mais engenhosos logros da história.
Curiosamente, designa-se «cavalo de Tróia» um vírus que transforma o computador num terminal aberto, porque elimina as proteções que impedem a transferência de informações, ou seja, abre uma porta de comunicação (backdoor) não monitorizada.
Seja o Cavalo de Tróia meio verdade ou todo mito, na verdade, ser imprudente e decidir com base em falsas premissas pode, efetivamente, ser muito perigoso.