Tools and methodologies to assess efficiency of health care services in Europe, 2019

“In a context of rising health care costs driven principally by the increasing prevalence of chronic conditions, ageing populations and the high costs associated with technological advances in medicine, health care systems in Europe are nowadays facing the intricate challenge of delivering accessible, equitable and high-quality care while ensuring the sustainability of public finances.
At the same time, there is emerging consensus among policymakers and researchers that a significant share of current health care spending in modern health systems could be reallocated to better use
without undermining access and quality of care. As a result, European governments are increasingly interested in capturing opportunities to extract additional value from available resources, and increase the efficiency of their health care systems to tackle this twofold challenge.
Yet while the idea of efficiency in this context – that is, how well a health care system uses its resources (input) to improve population health (outcome) – is simple to understand, several methodological questions remain on how to correctly identify inefficiencies within health care systems and devise corrective interventions without unintended consequences on access or quality of care.
The relationship between health system inputs and health outcomes is complex and influenced by several factors that are typically outside of the control of the health system, which makes it difficult to measure the effect of specific care interventions on health outcomes and perform fair comparative
assessments across entities. Together with considerable data limitations affecting analysts’ capacity to capture the performance of different segments of the ‘health production process’, assessing health care efficiency becomes a very complex endeavour in practice.
In light of these difficulties, specifying a set of appropriate instruments to analyse, measure
and assess efficiency of care (as well as spelling out their limitations) is a precondition for policymakers to design and implement interventions that can effectively make use of the ample potential to increase
efficiency mentioned above.
In support of this undertaking, among its activities over the course of 2018 the Expert Group on Health Systems Performance Assessment (HSPA) produced this report on tools and methodologies to assess efficiency of care. The report sets out to explore the most recent theory and observed practice of
health care efficiency measurement and assessment across European countries, in view of discovering what opportunities exist for European countries to improve their tools and methods to measure and assess efficiency of care, and to make better use of efficiency information for policy formation.”

executive summary

 

No Dia Mundial da Prevenção do Suicídio

Prof Murad Khan, President of the International Association for Suicide Prevention (IASP), offers a video message for World Suicide Prevention Day 2019 and its theme, “Working Together to Prevent Suicide”.

 

Prevenção de comportamentos suicidários: contributos da investigação. José Carlos Santos coordenou. A monografia é de 2018 – se ainda não leu, siga o link…

Publicação de GOBP – outubro 2012. documento aqui.

European Psychiatric/Mental Health Nursing in the 21st Century. A Person-Centred Evidence-Based Approach.

Santos, José Carlos, Cutcliffe, John R. (Eds.) European Psychiatric/Mental Health Nursing in the 21st Century. A Person-Centred Evidence-Based Approach. 2018. Published under the Auspices of ESNO.

São 42 capítulos – a um por dia, mês e meio 🙂

Table of contents (42 chapters)

Introduction: Remembering the Person: The Need for a Twenty-First-Century, Person-Centred European Psychiatric/Mental Health Nursing Textbook – Cutcliffe, John R. (et al.) Pages 3-11

Oxymoronic or Synergistic: Deconstructing the Psychiatric and/or Mental Health Nurse – Cutcliffe, John R. (et al.) Pages 13-27

Service User Involvement and Perspectives – Ferraz, Marta, Pages 29-35

Taxonomies: Towards a Shared Nomenclature and Language -Cruz Sequeira, Carlos Alberto (et al.) Pages 37-47

Theories of the Interpersonal Relationships, Transitions and Humanistic Theories: Contribution to Frameworks of Psychiatric/Mental Health Nursing in Europe – Carvalho, José Carlos (et al.) Pages 49-58

An Introduction to the Art and Science of Cognitive Behavioural Psychotherapy – Swan, John (et al.), Pages 59-73

Psychodynamic and Psychoanalytical Theory, Approaches and Clinical Relevance: Applying the Psychoanalytic Principles and Practices to Mental Health Nursing – Lopes, J. (et al.) Pages 75-88

The Biopsychosocial Approach: Towards Holistic, Person-Centred Psychiatric/Mental Health Nursing Practice – Santos, José Carlos (et al.) Pages 89-101

Trauma-Informed Care: Progressive Mental Health Care for the Twenty-First Century – Cutcliffe, John R. (et al.) Pages 103-122

Competences for Clinical Supervision in Psychiatric/Mental Health Nursing – Cutcliffe, John R. (et al.)Pages 123-139

European and Worldwide Mental Health Epidemiology and Trends – Sakellari, Evanthia Pages 141-150

Mental Health Nurses and Responding to Suffering in the Twenty-first Century Occidental World: Accompanying People on Their Search for Meaning – Cutcliffe, John R. (et al.) Pages 151-166

Acute Inpatient Psychiatric/Mental Health Nursing: Lessons Learned and Current Developments – Sande, Roland Pages 169-181

Community Psychiatric/Mental Health Nursing: Contexts and Challenges—The Case of Nurse Prescribing and Recovery-Focused Interventions -Hemingway, Steve (et al.) Pages 183-193

Unearthing the Theoretical Underpinnings of “Green Care” in Mental Health and Substance Misuse Care: History, Theoretical Origins, and Contemporary Clinical Examples -Cutcliffe, John R. (et al.) Pages 195-210

Nursing People in Prisons, Forensics and Correctional Facilities – Dickinson, Tommy (et al.) Pages 211-222

eHealth, Telematics and Telehealth – Kilkku, Nina; Pages 223-233

Public Health and Ecological Approaches: The Example of eHealth for Adolescent Mental Health Support – Minna, Anttila (et al.) Pages 235-243

Forming and Maintaining Interpersonal Relationships – Lopes, Manuel José; Pages 247-257

Psychiatric/Mental Health Nursing Core Competencies: Communication Skills – Loureiro, Cândida (et al.) Pages 259-267

Group Work in Psychiatric/Mental Health Nursing: The Case for Psychoeducation as a Means to Therapeutic Ends – Gordon, Evelyn (et al.) Pages 269-282

A Family-Focused, Recovery Approach When Working with Families When a Parent Has a History of Mental Health Problems: From Theory to Practice – Maybery, Darryl (et al.) Pages 283-291

Psychiatric/Mental Health Nursing and Mental Health Promotion: An Eight Steps Path – Gomes, José Carlos Rodrigues; Pages 293-307

Therapeutic Milieu: Utilizing the Environment to Promote Mental Wellness – Green, Tyler D.; Pages 309-318

Psychiatric/Mental Health Nursing Nonphysical Competencies for Managing Violence and Aggression: De-escalation and Defusion – Bilgin, Hulya (et al.) Pages 319-333

 

Problems Affecting a Person’s Mood – López-Cortacans, German (et al.) Pages 337-352

The Person Experiencing Anxiety – McLaughlin, Columba; Pages 353-370

Integrated Care – ‘Schizophrenia’: A Challenge for Psychiatric/Mental Health Nursing – González-Pando, David (et al.) Pages 371-383

Human Experiences of and Psychiatric/Mental Health Nurses’ Responses to Problems Related to Dementias and Cognitive Impairment – Quaresma, Helena (et al.) Pages 385-394

Problems Related to Substance and Alcohol Misuse – Kutlu, Fatma Yasemin (et al.) Pages 395-421

Problems Related to Eating, Nutrition, and Body Image – Modica, Christopher; Pages 425-439

Suicide and Self-Harm – Santos, José Carlos; Pages 441-452

A Systematic Perspective of Violence and Aggression in Mental Health Care: Toward a More Comprehensive Understanding and Conceptualization – Cutcliffe, John R. (et al.) Pages 453-477

The Withdrawn or Recalcitrant Client – Lakeman, Richard; Pages 479-492

Confronting Goffman: How Can Mental Health Nurses Effectively Challenge Stigma? A Critical View of the Literature – Bates, L. (et al.)  Pages 493-503

Psychiatric/Mental Health Nursing Care of Children and Adolescents – Nabais, António Jorge Soares Antunes (et al.) Pages 507-520

Psychiatric/Mental Health Nursing Care of the Older Adult: Mental Health in Old Age – Eriksson, Bengt (et al.) Pages 521-531

Psychiatric/Mental Health Nurses Care of the Client Who Presents with Both Mental Health and Substance Misuse Problems – Cutcliffe, John R. (et al.) Pages 533-548

Non-European and European Migrants in Acute Adult Inpatient Mental Healthcare: Dissociation and Identity – Souiah-Benchorab, Yasmine (et al.) Pages 549-560

Working with Individuals Who Are Homeless – Forchuk, Cheryl; Pages 561-570

Mental Health Problems and Risks in Refugees During Migration Processes and Experiences: Literature Overview and Interventions – Giulia, Cossu (et al.) Pages 571-585

Erratum to: European Psychiatric/Mental Health Nursing in the 21st Century – Santos, José Carlos (et al.)

Relatório da Primavera, OPSS, 2019

O Observatório dos Sistemas de Saúde destacou assimetrias nos cuidados de saúde primários, falta de planeamento no combate à SIDA e falta de investimento na saúde mental.”O que ficou para memória futura é manifestamente pouco, face às expectativas geradas“, conclui-se. “As preocupações e orientações políticas resultaram numa ação dominada pela procura da sustentação financeira do SNS no imediato, sem se poder centrar na sustentabilidade técnica, estrutural, humana e financeira do SNS, a longo prazo.”

O Relatório de Primavera 2019, cujo “papel é sobretudo pedagógico”, vem demonstrar que, apesar de existir uma visível evolução dos indicadores de saúde do país, existem ainda algumas interrogações sobre a capacidade de resposta aos desafios presentes e futuros na área da saúde em Portugal. “Existem aspetos positivos e negativos. Nós fizemos a apresentação com o cuidado de qualquer que fosse o tópico, apresentar os resultados de forma neutra. O Observatório não tem opinião. Quisemos marcar um conjunto de aspetos positivos, que devem ser marcados, e aspetos nega que devem ser combatidos”.

Relatório da Primavera, OPSS, 2019

Começando por formular o direito humano,

explicitam-se as componentes – “sempre que falamos em universalidade em saúde, estamos a referir três componentes inter-relacionadas: 1. A cobertura da população;  2. O leque de serviços disponíveis; 3. A extensão da proteção financeira relativamente aos custos dos serviços de saúde.É intuitivo deduzir-se que a universalidade melhora os resultados em saúde, pois assim as pessoas têm mais acesso aos cuidados quando deles necessitam.Este conceito inclui aspetos como o acesso aos serviços de saúde e aos medicamentos, à informação necessária, à manutenção de um equilíbrio físico e mental saudável, a ações de promoção em saúde individuais ou coletivas, e outras políticas públicas que lidam com os determinantes em saúde. O financiamento é vital pois todas as outras funções do sistema de saú-de dependem de um financiamento adequado e sustentável. As restantes componentes relevantes são: a) a formação, o desenvolvimento e a retenção dos recursos humanos e o reconhecimento das novas categorias profissionais; b) as estratégias para um acesso universal dos medicamentos, vacinas e tecnologias; c) um sistema de informação efetivo; d) mecanismos para a governança, prestação de contas e liderança.

Sendo os sistemas de saúde muito complexos em termos demográficos, económicos, legais e regulatórios, epidemiológicos, tecnológicos, socioculturais e políticos, uma melhoria no sentido de uma destas áreas reflete-se necessariamente numa melhoria global da universalidade da cobertura. Espera-se, assim, que os governos reforcem estas componentes do sistema de saúde para tornarem possível atingirem os seus objetivos e proporcionarem uma prestação de alta qualidade. Em termos económicos, não defender a universalidade do acesso, mais que um ato ideológico, seria um grave erro económico” (p. 15)

os capítulos debruçam-se sobre

a governação em saúde,

a reforma dos Cuidados de Saúde Primários,

Infeção VIH: o que estará para mudar,

Saúde Mental em Portugal,

e despesas com o medicamento.

Das conclusões, transcrevemos uns excertos:

Este ano mais uma vez o RP coincide com o fim de um ciclo legislativo. Um balanço sobre a atividade governativa do setor impôs-se desde logo. Foi realizado por três visões politica-mente engajadas e assumidas. Delas, ressalta o tempo perdido em reformas que se impunham e ficaram mais uma vez por concretizar.

Sobre a Lei de Bases da Saúde, os constantes avanços e recuos estratégicos traduziram-se na aparente incapacidade de promover consensos para a sua aprovação nesta legislatura. Salientou-se que as preocupações e orientações políticas resultaram numa ação dominada pela procura da sustentação financeira do SNS no imediato, sem se poder centrar na sustentabilidade técnica, estrutural, humana e financeira do SNS, a longo prazo.

Repensar o SNS é defendido como uma obrigação e defende-se que o seu principal problema e o seu desafio primordial, são os profissionais de saúde. Afirma-se a necessidade de remunerar a qualidade, recompensar as boas práticas e valorizar e reconhecer o trabalho diferenciado. A qualificação dos recursos humanos, a sua satisfação, a clara definição das carreiras profissionais e remunerações adequadas, a par do trabalho de equipa, da skill mix da força de trabalho, da regulação do pluriemprego, de ambientes de trabalho saudável e do planeamento e informação sobre RHS, são fatores essenciais para a boa governação em saúde.

Partindo dessa análise minuciosa, os autores apelam à necessidade de um novo impulso na reforma dos Cuidados de Saúde Primários dirigido essencialmente para um novo modelo de contratualização assente nas seguintes recomendações:

• Garantir que todas unidades funcionais usufruam de condições de trabalho essenciais de qualidade (estruturais, meios humanos, autonomia de gestão dum orçamento local base), de segurança e justas, de forma a responder às necessidades da população pela qual são responsáveis.

• Manter o foco sobre a melhoria continua de qualidade, com construção de indicadores complexos, num processo de revisão dinâmico para incluir novos indicadores, apoiando estratégias e políticas que respondam às necessidades reais (grande impacto sobre a qualidade de vida das pessoas e das suas famílias), embora menos mediatizadas.

• Tornar as unidades mais eficientes na utilização dos recursos, através de medidas de fomento à cooperação e inclusão de outras profissões de saúde, em complementaridade de funções.

• Refletir as especificidades organizacionais de cada unidade (e.g., conferir grau de auto-nomia que permita adequar-se às necessidades da população que servem).

• Repensar os cuidados aos utentes sem equipa de saúde, para não agravar as desigualdades em saúde desta população, nem prejudicar o desempenho das unidades funcionais afetas.

O capítulo dedicado ao HIV: O que estará para mudara prevenção permanece um desafio fundamental e que é reduzida a cobertura de prevenção no território nacional, quer no que concerne às populações-chave quer a que se dirige à população geral. Também se desconhece quanto se investe no país em promoção da saúde e prevenção dirigida à infeção VIH. Em termos de diagnóstico, estima-se que em Portugal existam mais de 3000 casos por diagnosticar, o que pode representar um dos números de casos por diagnosticar por 100 000 habitantes mais elevado entre os países da Europa Ocidental.

No capítulo sobre as Políticas de Saúde Mental, o parente pobre da saúde em Portugal, apresentou-se o traçado histórico da sua evolução e da produção legislativa associada e destacou-se o facto de o sistema de saúde mental em Portugal sempre ter permanecido atrasado em comparação com a evolução da psiquiatria europeia, no que diz respeito ao diagnóstico, tratamento e acompanhamento da doença mental. O mesmo tem acontecido com a aplicação das recomendações internacionais (nomeadamente o modelo da comunidade) que nunca foram conseguidas de forma rápida e completa, fruto da uma orientação  política sempre sustentada em preocupações de cariz economicista, que não confere dignidade a estes cidadãos. Salientou-se nunca ter existido um compromisso político em investir nesta área, com recursos que permitam melhorar a qualidade de vida do portador de perturbação mental. Da mesma forma, a importante função de cuidadores, que normalmente recai sobre as famílias, não é devidamente reconhecida, exigindo-lhes esforços suplementares económicos, físicos e mentais apesar de, para o Estado, as famílias representam um importante recurso económico.

A análise realizada deu origem às seguintes recomendações:

• Priorizar as questões organizacionais e políticas, que têm sido o maior entrave no desenvolvimento deste plano;

• Criar uma equipa de coordenação para a efetiva implementação do PNSM;

• Alterar o modelo de gestão e organizacional dos atuais serviços de saúde mental;

• Desenvolver/repensar um novo modelo de pagamento destes serviços;

• Criar uma carteira de serviços mínimos de prestação de cuidados, para diminuir as assimetrias territoriais a nível nacional.

No capítulo do Medicamento recomenda-se:

• A prossecução de uma política sustentável que concilie rigor orçamental e inovação e que reforce o papel central dos processos de avaliação e de decisão de financiamento público das tecnologias da saúde em Portugal, que não só o medicamento;

• Perspetivar uma regulação mais eficiente, com instrumentos e incentivos apropriados aos agentes, bem como sistemas de informação eficazes, que potenciem o combate ao desperdício e à fraude, e que promovam a monitorização de resultados em saúde;

• Reforçar a equidade no acesso e a qualidade dos serviços prestados, numa perspetiva de proximidade aos cidadãos e coesão territorial, reconhecendo as sinergias necessárias entre os diversos níveis de cuidados e agentes do sistema.

Considera-se ainda que os cidadãos portugueses têm direito a obter maior transparência nestes processos, com aumento de eficiência dos procedimentos de decisão, disponibilização de um leque alargado de instrumentos de análise, previsão e construção de um sistema jus-to, sustentável e capaz de dar resposta a necessidades terapêuticas, face a avanços tecnológicos significativos e a custos associados que colocam em questão modelos tradicionais de decisão.Perante o quadro de análise realizado e no âmbito das decisões a implementar nesta área devem-se considerar três determinantes major: o quadro europeu, o quadro institucional por-tuguês (incluindo a sustentabilidade financeira do SNS) e a transparência e eficiência dos procedimentos.

Ao longo dos 19 anos da sua existência o RP enumerou anualmente um conjunto de recomendações à tutela sobre cada um dos temas analisados. A realização do follow-up dessas recomendações é uma medida simples e que se impõe. Este ano, por constrangimentos internos ao próprio OPSS não foi possível concretizar este acompanhamento. Nos próximos anos o RP passará a contar na sua edição com o follow-up das recomendações efetuadas à tutela no ano anterior. Este devia ser um trabalho do interesse do próprio MS, mas claramente já se percebeu o desinteresse dos decisores que parecem não olhar sequer para propostas/recomendações concretas que anualmente são enunciadas pelos diferentes colaboradores do RP.

World Inequality Report 2018

The World Inequality Report 2018 relies on a cutting-edge methodology to measure income and wealth inequality in a systematic and transparent manner. By developing this report, the World Inequality Lab seeks to fill a democratic gap and to equip various actors of society with the necessary facts to engage in informed public debates on inequality.

“How to measure income and wealth inequality?

Economic inequality is a complex phenomenon that can be measured in various ways using different indicators and data sources. Choices among these indicators are not neutral and may have substantial impacts on findings. This is not only a matter of academic debate among statisticians. Anyone hoping to design appropriate policies should have a clear understanding of current and past inequality dynamics. We thus briefly discuss below key concepts which are central to understanding the rest of this report.

Whatever the source of data and the metric used to monitor economic inequality, its measurement starts from the same basic input: a distribution. For any income or wealth group, a distribution shows the number of individuals in this group and their shares of the group’s total income or wealth. As such, a distribution is a relatively complex set of information, which is not straightforward to summarize. Inequality indices attempt to describe such complex data sets in a synthetic way.

Official inequality reports and statisticians often use synthetic measures of inequality such as the Gini index. Technically speaking, the Gini corresponds to the average distance between the income or wealth of all the pairs of individuals. To make it comparable between countries and over time, it is appropriately normalized so that complete equality corresponds to 0, and complete inequality (one person owning everything) corresponds to 1. The Gini index is often presented as a convenient, synthetic tool that allows comparisons of inequality across time and space.

However, this kind of index is technical both in its calculation and in the mathematical knowledge required of the reader to interpret it. According to the World Bank, for example, the Gini index for consumption inequality in Vietnam in 2014 was equal to 0.38. Is this large or small? A Gini of 0.38 implies that the distance separating Vietnam from perfect inequality (which is 1 on the index) is 0.62. Is this an acceptable distance from perfect inequality? It is not easy for citizens, journalists, and policymakers to make sense of such a metric.

Additionally, the strength of the Gini index—that it combines information on all individuals in a society—is also its main weakness. Because it summarizes a distribution in a single index, a given value for the Gini coefficient can result from distributions that are actually radically different. For example, a country may experience both a Gini-reducing decrease in poverty and a rise in the share of income going to the top 10%, which increases the Gini. If these effects offset each other, the overall Gini can remain constant, creating the impression that the distribution of income is not changing—while in fact the middle class is being squeezed out.

keep reading

WHR 2019, World Hapiness Report

The survey, conducted by Gallup, uses a three-year rolling average of survey responses around six factors: GDP per capita; social support; life expectancy; freedom to make life choices; generosity; and corruption levels. Finland scores well on all factors but particularly strongly on generosity.

The authors say that helping others makes you feel better, but only if you choose to do it. Almost half of Finns donate regularly to charity and almost a third said they had given up time to volunteer for a charity in the previous month.

The Copenhagen-based Happiness Research Institute points out that Finland tops the happiness list despite not having the highest GDP of the Nordic countries. It is the country’s social safety net combined with personal freedom and a good work-life balance that gives it the edge.

The OECD’s Better Life Index suggests that Finland’s sense of wellbeing may also be down to a feeling of personal safety in a troubled world. Finns feel good about their environment, sense of community and public services and education, but they worry about jobs and housing.

As if to prove that you cannot buy happiness, the US sits at number 19, one place down from last year. Although it has the world’s highest GDP, economist Jeffrey Sachs, one of the report’s authors, said worsening health conditions and declines in social trust and trust in government were making Americans less happy.

Any wellbeing benefits from rising incomes in the US were being offset by growing addictions to gambling, social media use, video gaming, shopping and consuming unhealthy foods which were causing unhappiness and even depression, he said.

keep reading

16 anos de “Um olhar sobre o ombro”

A 25 de maio de 2003, foi apresentado – e não é que passaram 16 anos?!

O livro aqui apresentado é um importante tributo à história da enfermagem portuguesa. Encontra-se dividido em duas partes distintas – uma, relativa à procura do conceito de Ser Humano na História da Enfermagem em Portugal (1881-1954), e outra, que se fundamenta na descrição e análise de eventos mais recentes.

O tomo I, de metodologia histórica, tem uma estrutura tripartida, considerando os caminhos da profissão em Portugal e a perspectiva do ser humano nas Ciências e na Enfermagem (com especial destaque para as matrizes, continuidades e rupturas). O tomo II aponta perspectivas, percursos e horizontes de 1954 a 1998, atravessando as grandes mudanças que ocorreram na enfermagem, de nível profissional único, de curso de nível superior, da regulamentação do exercício e da criação da Ordem dos Enfermeiros, com a publicação do seu Estatuto e do Código Deontológico.

No global, Um Olhar sobre o Ombro remete ao relancear os olhos para trás, visualizando o caminho percorrido para poder permitir um melhor enquadramento do hoje. E a convicção deste contributo para o presente tanto se reporta à questão identitária da profissão como à construção das ideias e à interpretação dos acontecimentos, já que a enfermagem é vista de forma alargada, atravessando e sendo atravessada pelos movimentos do e ao tempo em que se foi desenvolvendo – aliás, numa lógica de reencontro, no tempo, com as raízes de muitos dos assuntos que hoje estão na ordem do dia.
Trata-se, pois, de uma edição indispensável a todos quantos queiram saber mais sobre a história recente da Enfermagem em Portugal.” (Lusodidacta)