Online Etymology Dictionary

This is a map of the wheel-ruts of modern English. Etymologies are not definitions; they’re explanations of what our words meant and how they sounded 600 or 2,000 years ago.

The dates beside a word indicate the earliest year for which there is a surviving written record of that word (in English, unless otherwise indicated). This should be taken as approximate, especially before about 1700, since a word may have been used in conversation for hundreds of years before it turns up in a manuscript that has had the good fortune to survive the centuries.

The basic sources of this work are Weekley’s “An Etymological Dictionary of Modern English,” Klein’s “A Comprehensive Etymological Dictionary of the English Language,” “Oxford English Dictionary” (second edition), “Barnhart Dictionary of Etymology,” Holthausen’s “Etymologisches Wörterbuch der Englischen Sprache,” and Kipfer and Chapman’s “Dictionary of American Slang.” A full list of print sources used in this compilation can be found here.

etymology (n.) Look up etymology at Dictionary.comlate 14c., ethimolegia “facts of the origin and development of a word,” from Old French etimologie, ethimologie (14c., Modern French étymologie), from Latin etymologia, from Greek etymologia “analysis of a word to find its true origin,” properly “study of the true sense (of a word),” with -logia “study of, a speaking of” (see -logy) + etymon “true sense,” neuter of etymos “true, real, actual,” related to eteos “true,” which perhaps is cognate with Sanskrit satyah, Gothic sunjis, Old English soð “true.”

Latinized by Cicero as veriloquium. In classical times, with reference to meanings; later, to histories. Classical etymologists, Christian and pagan, based their explanations on allegory and guesswork, lacking historical records as well as the scientific method to analyze them, and the discipline fell into disrepute that lasted a millennium. Flaubert [“Dictionary of Received Ideas”] wrote that the general view was that etymology was “the easiest thing in the world with the help of Latin and a little ingenuity.”

As a modern branch of linguistic science treating of the origin and evolution of words, from 1640s. As “account of the particular history of a word” from mid-15c. Related: Etymological; etymologically.

 

How to Research Educational Exclusion

Jesús Domingo, José Manuel Martos

Abstract

School failure and educational exclusion are complex issues that require complex approaches in order to be understood. In this article, we address this matter in depth. We define and delimit the research problem and propose a method that reveals how educators make decisions concerning students’ failure and/or exclusion. The epistemological and methodological framework follows a procedure of dialogical construction based on the combination of reflections and learning experiences. Research diaries, researchers’ theoretical knowledge, and participants’ voices (teachers and students) are our main sources of data. For data collection, we used in-depth interviews, focus groups and document analyses; for data analysis critical discourse analysis and grounded theory methodology. The findings are discussed in relation to the existing literature on school failure and exclusion.

Keywords

educational exclusion; dialogic inquiry; qualitative research; complexity; in-depth interviews; focus groups; research diary; document analysis; grounded theory; critical discourse analysis

Full Text: HTML (Español (España)) PDF (Español (España))

Todo el proceso nos ha reafirmado en la idea de que el objetivo prioritario de este tipo de investigación alternativa será el análisis y la comprensión específica, naturalizada y contextualizada de las zonas y dinámicas de vulnerabilidad y riesgo que rodean a esta realidad. Apostamos, pues, por estudios de caso (STAKE 2007), con narrativas autobiográficas desde perspectivas dialógicas de construcción de teoría fundamentada (DOMINGO 2014), como la metodología más conveniente para realizar un acercamiento a esta realidad compleja y dinámica. [67]

En definitiva, como investigadores y académicos hemos aprendido que sobre esta cuestión tenemos mucho que oír, mucho que aprender … y que nos insta a actuar de cara a la transformación para la justicia y la equidad. [68]

World Happiness Report 2017

World Hapiness Report, 2017

“The first World Happiness Report was published in April, 2012, in support of the UN High Level Meeting on happiness and well-being. Since then the world has come a long way. Increasingly, happiness is considered to be the proper measure of social progress and the goal of public policy. In June 2016 the OECD committed itself “to redefine the growth narrative to put people’s well-being at the center of governments’ efforts”.
In February 2017, the United Arab Emirates held a full-day World Happiness meeting, as part of the World Government Summit. Now on World Happinss Day, March 20th, we launch the World Happiness Report 2017, once again back at the United Nations, again published by the Sustainable Development Solutions Network, and now supported by a generous three-year grant from the Ernesto Illy Foundation. Some highlights are as follows.
Norway tops the global happiness rankings for 2017
Norway has jumped from 4th place in 2016 to 1st place this year, followed by Denmark, Iceland and Switzerland in a tightly packed bunch. All of the top four countries rank highly on all the main factors found to support happiness: caring, freedom, generosity, honesty, health, income and good governance. Their averages are so close that small changes can re-order the rankings from year to year.
Happiness is both social and personal
This year’s report emphasizes the importance of the social foundations of happiness (see Chapter 2). This can be seen by comparing the life experiences between the top and bottom ten countries in this year’s happiness rankings. There is a four-point happiness gap between the two groups of countries, of which three-quarters is explained by the six variables, half due to differences in having someone to count on, generosity, a sense of freedom, and freedom from corruption. The other half of the explained difference is attributed to GDP per capita and healthy life expectancy, both of which, as the report explains, also depend importantly on the social context.
People in China are no happier than 25 years ago
Our China chapter is led by Richard A. Easterlin, who pioneered the economics of happiness more than 40 years ago. It contrasts the sharply growing per capita income in China over the past 25 years with life evaluations that fell steadily from 1990 till about 2005, recovering since then to about the 1990 levels.
Much of Africa is struggling
The Africa chapter, led by Valerie Møller, tells a much more diverse story, as fits the African reality with its great number and vast range of experiences. But these are often marked by delayed and disappointed hopes for happier lives.
Happiness has fallen in America
The USA is a story of reduced happiness. In 2007 the USA ranked 3rd among the OECD countries; in 2016 it came 19th. The reasons are declining social support and increased corruption (chapter 7) and it is these same factors that explain why the Nordic countries do so much better.
Happiness at Work
Jan-Emmanuel De Neve and George Ward, chapter 6,  investigates the role of work and employment in shaping people’s happiness, and studies how employment status, job type, and workplace characteristics affect subjective
well-being. The overwhelming importance of having a job for happiness is evident throughout the analysis, and holds across all of the world’s regions. When considering the world’s population as a whole, people with a job evaluate the quality of their lives much more favorably than those who are unemployed. The clear importance of employment for happiness emphasizes the damage caused by unemployment.
Being of working age and out of the labor force has a different effect on the subjective wellbeing of men and women. The data suggest that not  participating in the labor market (for example by being a stay-at-home parent, being out of the labor force through disability, or being retired) is worse for the happiness of men than it is for women. Both men and women of working age who are out of the labor force evaluate their lives more negatively than those in full-time work, but the effect is much stronger for men. Moreover, while men in this situation experience higher negative and lower positive affect, there is no statistically significant difference between the daily emotional experiences of women who are out of the labor force and those who are full-time employees.
No ranking, Portugal aparece em 90º lugar, em 2017 (estava em 94º em 2016)(em 88º em 2015)

“O enfermeiro na sala de gessos”

 

Os enfermeiros João Gomes e José Fortunato, do Centro Hospitalar de Setúbal – Hospital Ortopédico Sant’lago do Outão, escreveram o livro “O Enfermeiro na Sala de Gessos – manual de normas sobre imobilizações em ortopedia e traumatologia”, onde partilham conhecimentos e técnicas da sala de gessos.

“Este livro é o resultado de 30 anos de exercício profissional em Sala de Gessos, no Hospital Ortopédico Sant’Iago do Outão. Durante estes anos, houve várias tentativas de organizar um manual relativo às principais técnicas que se executam em sala de gessos. Finalmente, conseguimos cumprir esse objetivo”, afirmou o enfermeiro João Gomes.

Da minha ligação ao assunto, além de ter tido o privilégio de escrever o Prefácio, considero que este livro representa um feliz encontro entre os profissionais com elevada expertise na área, a indústria que suportou a publicação, a formação e o ensino que usarão o «produto final», num ciclo que, futuramente, pode incluir revisões e ampliações.  A apresentação do livro decorreu no Hospital do Outão, no passado dia 3 de março, com a sala cheia e um ambiente caloroso, de reconhecimento mútuo, ligado à história do próprio hospital e dos enfermeiros.

Segundo sei, o manual (500 exemplares na 1ª edição) será enviado para todos os serviços de Ortopedia e todas as Escolas de Enfermageme  Saúde. Bem haja aos autores.

“Significados atribuídos à competência emocional do enfermeiro – estudo empírico e impacto na educação”

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS À COMPETÊNCIA EMOCIONAL DO ENFERMEIRO – ESTUDO EMPÍRICO E IMPACTO NA EDUCAÇÃO

Resumo

Objetivo: em vários estudos recentemente realizados, o lugar das emoções na prática de enfermagem surgiu principalmente focado no nível de experiência emocional, aumentando
a necessidade de significar a competência emocional do enfermeiro, a fim de encontrar contributos que permitam conhecer e compreender as diferentes dimensões e identificar
a sua finalidade no proporcionar conforto à pessoa hospitalizada numa unidade de cuidados paliativos.

Métodos: dado que se procuram os signifcados, a abordagem metodológica assumiu uma natureza qualitativa, descritiva e exploratória, utilizando a análise crítica do discurso de Fairclough para configurar o fenómeno. Os sujeitos do estudo foram enfermeiros e doentes que experienciavam a última etapa da vida, ambos presentes em unidades de cuidados paliativos. Foram entrevistadas trinta e quatro enfermeiras e doze pessoas vivendo o fim da vida.

Resultados: a análise e a compreensão da prática social em estudo permitiram construir o construto “competência emocional de enfermeiros”, juntamente com declarações descritivas de cinco capacidades e vinte e uma unidades de competência que o compõem. Conclusões: através da redução e da abstração teórica, o corpus discursivo revelou que a construção da “competência emocional dos enfermeiros” é concetualizada como um conjunto de capacidades que nos permitem conhecer, regular, alcançar e gerir fenómenos emocionais para construir e sustentar relações interpessoais em ambiente afetivo; e podemos explorar a influência na educação ou na gestão.
Palavras-chave: Competência clínica; emoções; métodos; assistência terminal; enfermagem.

Goal: In several studies, that have happened recently, the place of emotions in nursing practice has arisen primarily focused at the level of emotional experience, enhancing the need to signify the emotional competence of nurses. That need has the main intention of find contributions that allow knowing and understanding their different dimensions and identifying their purpose in providing comfort care to the hospitalized person in a palliative care unit.

Methods: Searching for meanings, the methodological approach has taken a qualitative, descriptive and exploratory nature, using critical discourse analysis of Fairclough to find the phenomenon configuration. Research subjects were nurses and patients who experience the last stage of life, both present in palliative care units. We have interviewed thirty-four nurses and twelve people living the end-of- life.

Findings: The analysis and understanding of the social practice under study allowed to build the construct‘emotional competence of nurses’ along with descriptive statements of five capabilities and twenty-one units of competency that compose it. Conclusions: The discursive corpus revealed that the construct of ‘emotional competence of nurses’ is conceptualized as a set of capabilities that allow us to know, regulate, achieve and manage emotional phenomena in order to build and sustain interpersonal relationships in affective environment; and we can explore the influence in education or management.
Keywords: Clinical competence; emotions; methods; terminal care; nursing.

Português

English

“Abandono e insucesso escolar- construir uma perspetiva de género”

screenshot-moodle-ips-pt-2017-02-22-10-42-58

Datado de 2015, este estudo apresenta tanto uma quantidade e diversidade de dados como interpretativos interessantes – como a introdução coloca, ” consideramos importante referir que é o “po

nto de vista que cria o objecto” (Saussure, in Canário, Alves & Rolo, 2001) de estudo. No estudo pretendemos apresentar um ponto de vista sobre o insucesso e o abandono escolar numa perspectiva de género, a partir do reconhecimento da complexidade e da invisibilidade inerente à construção social e escolar destes fenómenos. Interessa-nos identificar as contradições, as tensões, os dilemas e os consensos em torno do tema, numa tentativa de compreendermos o modo como se produzem e traduzem as diferenças de género no insucesso e no abandono escolar. A complexidade do fenómeno em estudo justificou o enfoque numa metodologia mista, que articulasse uma dimensão quantitativa – centrada na análise das estatísticas oficiais, com uma dimensão qualitativa – focada nas representações e perspectivas dos actores, directa e indirectamente envolvidos na escola, sobre o insucesso e o abandono escolar numa perspectiva de género.”
Realizaram também um questionário a professores do ensino básico e secundário das escolas públicas, do território nacional, continental. Numa tentativa de complementar estes dados, realizámos quatro estudos de casos em escolas do ensino básico e secundário da área Metropolitana de Lisboa. Os estudos de caso consistiram na realização de entrevistas a elementos da direcção de cada escola, a professores, a alunos, a auxiliares de
acção educativa e a encarregados de educação; na realização de focus group a professores e a auxiliares de acção educativa e de focus group a alunos; e na observação de aulas.
“O presente estudo foi conduzido em torno da compreensão do insucesso e do abandono escolar numa perspetiva de género, em Portugal, e contou com o financiamento do Programa Operacional de Assistência Técnica do Fundo Social Europeu. O investimento neste objeto de estudo resultou do facto de a equipa considerar importante contribuir para a produção de conhecimento numa área em que este é bastante escasso. As estatísticas oficiais nacionais revelam que entre os rapazes se regista uma maior taxa de insucesso e o abandono escolar precoce do que entre as raparigas, nas últimas décadas. Os fundamentos orientadores deste trabalho resultaram, essencialmente, da escassez de estudos e de conhecimento científico, no contexto Português, o que não permite a lucidez necessária para a compreensão deste fenómeno social e educativo; por outro lado, da invisibilidade e do silenciamento do tema. O insucesso e o abandono escolar são problemas educativos que ocorrem no decurso da escolarização e resultam de causas múltiplas. Reconhecemos a complexidade inerente ao insucesso e abandono escolar precoce, pelo que se intenta um esforço de compreensão e de articulação do saber produzido neste domínio. Procuramos aproximarmo-nos de uma leitura da diversidade e complexidade dos fenómenos em estudo, o que torna evidente a importância do recurso a uma perspectiva interdisciplinar.
O insucesso escolar consiste num problema de aproveitamento escolar, que se traduz em reprovações. O abandono escolar caracteriza-se pela
saída precoce da escola, antes da conclusão da escolaridade obrigatória e/ou ter atingido os 18 anos de idade. Habitualmente, estes dois fenómenos mantêm entre si uma relação de interdependência – muitos dos jovens que abandonam precocemente a escola apresentam percursos académicos marcados pelo insucesso escolar. O insucesso e abandono escolar são fenómenos que ocorrem ao longo do percurso escolar, dentro da escola e por referência a este contexto, pelo que se torna essencial analisar a escola a partir de três dimensões – a instituição, a organização e a forma escolar.
Parece-nos, como destaca Phillippe Perrenoud (1989), que o recurso ao “estudo das variáveis contextuais, sistémicas e ecológicas apenas permite compreender, indirectamente, os processos e funcionamentos de ordem política, organizacional e didáctica”, os quais estão na génese do
insucesso e abandono escolar. O insucesso e abandono escolar colocam-nos, inevitavelmente, face ao problema das desigualdades, particularmente, as desigualdades escolares. Nas últimas décadas, apesar de uma incidência progressiva na defesa de princípios de igualdade, as sociedades contemporâneas são marcadas por profundas e múltiplas desigualdades. O insucesso e o abandono escolar estão inextrincavelmente associados a essas profundas e múltiplas desigualdades sociais, porém, parece-nos imperioso reconhecer que “às desigualdades sociais a escola acrescenta as suas próprias desigualdades” (Dubet, 2000, p.37).
Consideramos, à semelhança de Perrenoud (1989), que o sucesso e o insucesso escolar são faces de uma mesma moeda, representações fabricadas pelo sistema escolar, de acordo com os seus próprios critérios e procedimentos de avaliação, a partir de julgamentos e normas de excelência, relacionadas com o conteúdo e a forma escolar, os quais influenciam directamente a natureza e a amplitude das desigualdades. Neste sentido, o insucesso escolar é também o insucesso da escola, porquanto coloca em evidência a contradição entre a intenção de ensinar e a impossibilidade de assegurar a aprendizagem a todos os que a frequentam. As diferenças e desigualdades que caracterizam os alunos à entrada da escola podem ser minimizadas ao longo do percurso escolar ou pelo contrário intensificadas, quando a escola “transforma desigualdades mínimas em hierarquias decisivas” (Perrenoud, 1989, p.3).

Euro Health Consumer Index 2016

report

Um relatório relativamente sintético (100 páginas), em que cada país tem uns comentários, sob cada item análise (direitos e informação dos doentes; acessibilidade – tempos de espera para tratamentos; resultados; diversidade e abrangência dos serviços prestados; prevenção e produtos farmacêuticos).

rank-geral
(rank geral)

“Portugal atingiu 76% do total de pontos possíveis do Euro Health Consumer Index, em 2016, no quadro do ranking internacional que avalia os sistemas de saúde do ponto de vista do consumidor. Agora, passou a ocupar o 14º lugar de entre 35 países, tendo subido seis posições desde a última avaliação, surgindo à frente do Reino Unido (15º) e de Espanha (18º).

A melhoria no que respeita à acessibilidade permitiu subir seis pontos na avaliação internacional face ao ano anterior, em que Portugal surgia no 20º lugar.  Em 2016, as áreas onde o sistema de saúde português é mais valorizado foram a dos Direitos dos doentes e informação, resultados e prevenção.

Pela primeira vez é apresentada também uma ordenação do custo-efetividade nos cuidados de saúde, com Portugal na 10ª posição na relação entre os gastos em saúde e os resultados. A Holanda, país que ocupa o 1º lugar no índice geral, ficou em 11.º lugar na ordenação do custo-efetividade.

Organizado pela Health Consumer Powerhouse, organização privada de origem sueca, este índice avalia anualmente os sistemas de saúde em seis áreas distintas: direitos e informação dos doentes; acessibilidade – tempos de espera para tratamentos; resultados; diversidade e abrangência dos serviços prestados; prevenção e produtos farmacêuticos.” (fonte: DGS)

Relatório completo

Apresentação de lançamento

acessibility