E por vezes…

E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos
E por vezes os braços que apertamos
nunca mais são os mesmos. E por vezes

encontramos de nós em poucos meses
o que a noite nos fez em muitos anos.
E por vezes fingimos que lembramos
E por vezes lembramos que por vezes

ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites não dos meses
lá no fundo dos copos encontramos.

E por vezes sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes ah por vezes
num segundo se evolam tantos anos.

David Mourão- Ferreira

Anúncios

Berlinde.

No futuro

iremos parar durante

um minuto todos os dias,

interromper o que estivermos

a fazer, de repente, a meio

de uma palavra, de uma passada,

de uma garfada. E, perfeitamente

imóveis, veremos que o mundo

é uma cruz para quem o carrega

e um berlinde para quem o empurra.

Depois é só escolher.”

 

Peter Stamboliski

Afonso Cruz, Enciclopédia da estória universal. Arquivos de Alexandria

Petar Stamboliski

Perto de Ispaão,
há uma ameixeira
que dá dois tipos de frutos:
as ameixas que são doces e
os espaços entre as ameixas
que são silenciosos. São estes
últimos que, ao fim da tarde,
exibem o pôr-do-sol através dos ramos.

Petar Stamboliski, Poesia
Afonso Cruz, in Enciclopédia da Estória Universal – Recolha de Alexandria, Alfaguara, 2012, 1ª ed., p. 36

 

Há um quadro
em casa da minha mãe
onde um cavaleiro de metal
persegue uma donzela feita de limões e primavera
e eu cresci,
tornei-me pai, tornei-me avô,
e quando volto a casa da minha mãe
(que ainda é viva porque as mães não morrem)
o cavaleiro ainda persegue
a mesma donzela
e a donzela ainda consegue escapar-lhe.

Petar Stamboliski, aka Afonso Cruz

trazido daqui

1 de Junho, Dia Mundial da Criança

Depus a máscara e vi-me ao espelho.
Era a criança de há quantos anos.
Não tinha mudado nada…
É essa a vantagem de saber tirar a máscara.
É-se sempre a criança,
O passado que foi
A criança.
Depus a máscara, e tornei a pô-la.
Assim é melhor,
Assim sem a máscara.
E volto à personalidade como a um términus de linha.

Álvaro de Campos