delicioso

preâmbulo às instruções para dar corda ao relógio

pensa nisto: quando te oferecerem um relógio, oferecem-te um pequeno inferno florido, uma prisão de rosas, um calabouço de ar.

não te dão somente o relógio, muitos parabéns, que te dure muitos e bons, é uma óptima marca, suíço com não sei quantos rubis,

não te oferecem somente esse pequeno pedreiro que prenderás ao pulso e passearás contigo.

oferecem-te – ignoram-no, é terrível ignorá-lo – um novo bocado frágil e precário de ti mesmo, algo que é teu mas não é o teu corpo,

que tens de prender ao teu corpo com uma correia, como um bracito desesperado pendente do pulso.

oferecem-te a necessidade de lhe dar corda todos os dias, a obrigação de dar corda para que continue a ser um relógio;

oferecem-te a obsessão de ver as horas certas na smontras das joalharias, o sinal horário na rádio, o serviço telefónico.

oferecem-te o medo de o perder, de seres roubado, de que caia ao chão e se parta.

oferecem-te uma marca, a convicção de que é uma marca superior às outras, oferecem-te a tentação de comparares o teu com os outros relógios.

não te oferecem um relógio, és tu o oferecido, a ti oferecem para o nascimento do relógio.
-Julio Cortázar -

Histórias de Cronópios e de Famas  (publicado em 1962)

Investigação de enfermagem – Criança em ambiente doméstico/ familiar: consenso quanto aos fatores de risco de lesão não intencional

alr_ln 2014

Criança em ambiente doméstico/ familiar: consenso quanto aos fatores de risco de lesão não intencional

RESUMO

As lesões não intencionais na infância têm sido consideradas como uma área de estudo a desenvolver, por constituírem uma das principais causas de morte em todo o Mundo, para além de todas as outras consequências que influenciam a pessoa, família e comunidade da criança afetada. O presente artigo tem como objetivo identificar os fatores considerados relevantes na influência do risco de lesão não intencional em ambiente doméstico/ familiar em crianças até aos 4 anos. Para o efeito, realizou-se um painel de peritos, com recurso à técnica Delphi, no qual participaram 15 a 23 peritos multidisciplinares, tendo sido conseguida a obtenção de consenso em três rondas. Decorrente da revisão da literatura e da utilização da metodologia referida, conclui-se acerca da problemática das lesões ser multifatorial, cujos fatores interagem entre si, organizados em quatro dimensões: criança, cuidador principal/ família, comportamentos de risco e ambiente.

Palavras-chave    prevenção de acidentes; acidentes domésticos; criança; lesão não intencional.

No mundo, apesar de todo o avanço das sociedades, as lesões não intencionais surgem nas principais causas de morte, constituindo uma realidade com efeitos preocupantes a diferentes níveis, quer estatisticamente, como também a nível da pessoa afetada, família e comunidade.
As crianças, pela curiosidade e interesse pelo ambiente que as rodeia, características importantes para a aquisição e desenvolvimento de competências promotoras de um crescimento saudável, tornam-se particularmente vulneráveis à ocorrência de lesões (Silva & Santos, 2011)….  CONTINUAR A LER

 Revista de Enfermagem Referência RIII11299 – English

Revista de Enfermagem Referência RIII11299 – Português

Revista Factores de Risco – Dieta Mediterrânica

Revista Factores de Risco

Fev/Mar 2014


Dieta Mediterrânica: um modelo culturalJorge Queiroz

Breve história do conceito de dieta Mediterrânica numa perspetiva de saúdePedro Graça

A Dieta Mediterrânica e as doenças cardiovascularesManuel Oliveira Carrageta

Dieta Mediterrânica, a nova pirâmide e alguns aspectos do seu efeito na prevenção cardiovascular
Laura Rico-Cabanas, Elena García-Fernández, Ramón Estruch, Anna Bach-Faig

Índices de adesão ao padrão alimentar mediterrânico – a base metodológica para estudar a sua relação com a saúde Lisa Afonso, Teresa Moreira, Andreia Oliveira

Dieta Mediterrrânica — das origens à actualidade Jacinto Gonçalves

Dieta Mediterrânica. Uma Herança para o Futuro Joana Gaspar de Freitas

O padrão alimentar mediterrânico em crianças e jovens Bruno Sousa

Caracterização sociodemográfica e comportamental da adesão a um padrão alimentar saudável: aplicação do KidMed a adolescentes de um meio rural Carla Alves, Andreia Oliveira

Entrevista
Dieta Mediterrânica no mundo – Entrevista a Walter C. Willett Alexandra Bento

Bibliografia seleccionada Elsa Feliciano

Dieta Mediterrânica – Inscrição na Lista de Património Imaterial da Humanidade da UNESCO

sentida homenagem

4559985_L8wWq

A Bioética e Portugal perderam um grande vulto. Um dos da “Geração de Ouro” da Bioética em Portugal, como foi afirmado quando foram homenageados pelo Presidente da República (Jorge Biscaia, Walter Osswald e Daniel Serrão).

Gostei muito de o conhecer, pessoa bondosa, afectuosa, interessada. Podemos lê-lo, em  Ao encontro da ternura ou em Perder para encontrar ou A que Pais têm os Filhos Direito – Tempos da Vida entre muitos outros textos, em revistas nacionais e estrangeiras.

“Médico pediatra, antigo assistente de pediatria da Faculdade de Medicina de Coimbra e ex-director dos Serviços de Neonatologia da Maternidade Bissaya Barreto, onde fundou e desenvolveu a Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais, o Dr. Jorge Biscaia foi igualmente um dos pioneiros da bioética em Portugal, tendo criado em 1988 a primeira instituição portuguesa neste domínio, o Centro de Estudos de Bioética. Foi responsável pelas primeiras publicações nacionais dedicadas à bioética: Cadernos de Bioética e Revista Portuguesa de Bioética.”

Foto:  Jorge Biscaia durante a cerimonia de condecoração com a Grã-Cruz da Ordem de Sant’lago da Espada, a 4 de Novembro de 2008, no Palácio de Belém, em Lisboa. MARIO CRUZ/LUSA PRT Lisboa.