“Almada, natureza revelada”

“Numa parceria entre um fotógrafo de Natureza residente em Almada, a Sciaena – Associação de Ciências Marinhas e Cooperação, e a CMA, decorre há cerca de um ano um projeto que pretende dar a conhecer, em imagens, o importante património natural que existe no concelho. O seu nome é “Almada Natureza Revelada”. O projeto vem dar corpo aos vários estudos de caracterização da biodiversidade do território e ao mais recente Plano de Ação Local para a Biodiversidade que a autarquia tem vindo a desenvolver.

A missão deste projeto é desvendar, através de imagens fotográficas, como a Natureza no concelho é rica e diversa. A Natureza não está só nas longínquas florestas da Amazónia, nos recifes de coral australianos ou nas savanas de África. Ela está também nas dunas da Costa da Caparica, na Mata dos Medos, nas falésias ribeirinhas do concelho, nos vários parques e jardins de Almada, nas árvores que ladeiam uma avenida, nos quintais e até nos vasos de uma varanda.

O projeto pretende assim revelar a biodiversidade que existe perto de nós, nas diferentes paisagens que o concelho apresenta, dando um particular destaque às zonas urbanas do território. Esta Natureza “já ao virar da esquina”, frágil e preciosa, contribui para a nossa qualidade de vida e para a resiliência dos ecossistemas dos quais dependemos.”

28 de maio a 10 de junho de 2012 (Almada)

finalmente… UNESCO reconhece água potável como direito humano



Água… diria que para nos é um recurso essencial de que cuidamos pouco. Abrimos uma torneira e ela jorra. Em nós, corre uma elevada percentagem de água… Mas como todos os bens e recursos essenciais à vida, é finita….

“As Cimeiras do Milénio e de Joanesburgo concluíram sobre a necessidade de reduzir para metade, até 2015, a percentagem de pessoas no mundo sem acesso à água potável e sem saneamento básico e de acabar com a exploração insustentável dos recursos hídricos. Foi ainda reconhecido o papel-chave da água na agricultura, na energia, na saúde, na biodiversidade e nos ecossistemas assim como no combate à pobreza. Já na Cimeira de Joanesburgo, em 2002, a UNESCO sublinhou a dimensão ética colocada pela questão da água, afirmando que “o acesso à água é considerado como um direito humano fundamental”.

Após mais de 15 anos de debates sobre a questão, 122 países votaram a favor de uma resolução de compromisso redigida pela Bolívia que consagra este direito, enquanto 41 outros se abstiveram.  O documento refere ainda que a água está actualmente no centro de uma crise sem precedentes que tem por principais factores o aumento da população, a poluição, a insuficiente gestão dos recursos hídricos, alterações climáticas, entre outros factores. Mas também como é sublinhado no Relatório Mundial sobre a Água publicado em 2003 sobre a escassez da água no mundo, esta crise deve-se também à inércia política e à falta de uma tomada de consciência das populações.”

IN Ciência Hoje

HP 2010 – vamos apagar as luzes

A Hora do Planeta é a maior iniciativa de luta mundial contra as alterações climáticas, promovida pela WWF, a organização global de conservação.

Teve início em 2007, na cidade australiana de Sidney. A intenção foi, na altura, alertar de forma simbólica – apagando as luzes por uma hora – a população australiana para a necessidade de protegermos o Planeta contra os efeitos das alterações climáticas. Dois milhões de pessoas desligaram as luzes.

Em 2009, mais de 1.2 mil milhões de pessoas aderiram à Hora do Planeta em  88 países, 4000 cidades, 11 das quais portuguesas. Este ano, espera-se que a participação na Hora do Planeta seja ainda maior e que milhões de pessoas em todo o mundo, incluindo em Portugal, possam aderir a esta iniciativa.

No sábado, 27 de Março de 2010, entre as 20H30 e as 21H30, cidadãos e empresas em todo o mundo apagarão as luzes durante uma hora, a Hora do Planeta, para mostrar como unidos podemos fazer a diferença na luta contra alterações climáticas.

Pelo segundo ano consecutivo, Portugal adere à Hora do Planeta. Já foram confirmadas oficialmente as cidades de Lisboa, Faro, Loulé, Águeda, Aveiro e Vila Nova de Famalicão. Monumentos nacionais (como: Cristo-Rei, Castelo de São Jorge, Museu da Electricidade e Padrão das Descobertas em Lisboa; Arco e Muralhas da Cidade de Faro; Biblioteca Manuel Alegre, em Águeda; ou o Mosteiro do Landim, em Vila Nova de Famalicão) engrossam a lista de mais de 70 monumentos que em todo o mundo irão ficar às escuras em nome desta mensagem poderosa da WWF e da Hora do Planeta: ajudar a manter o nosso Planeta Vivo!

Já sabe, sábado, às 20h30, apague as luzes.

Carta Internacional – Espaço e Grandes catástrofes

 International Charter Space and Major Disasters consiste num protocolo que engloba várias agências espaciais que se destina a intervir em desastres naturais e tecnológicos.

Charter On Cooperation To Achieve The Coordinated Use Of Space Facilities In The Event Of  Natural Or Technological Disasters

The International Charter aims at providing a unified system of space data acquisition and delivery to those affected by natural or man-made disasters through Authorized Users. Each member agency has committed resources to support the provisions of the Charter and thus is helping to mitigate the effects of disasters on human life and property. 

O objectivo da Carta visa melhorar a eficácia e a organização das operações de socorro nas regiões afectadas, prevenir acidentes e optimizar a reconstrução das infra-estruturas destruídas. A carta foi criada em 2000 por iniciativa da Agência Espacial Europeia – as agências signatárias disponibilizam os seus meios gratuitamente (satélites, centros de tratamento de dados e de telecomunicações, etc.) aos países afectados por ciclones, tremores de terra, marés negras, inundações, incêndios ou erupções vulcânicas. Os satélites Envisat e ERS-2 são os dois principais instrumentos de observação disponibilizados pela ESA em caso de catástrofe.

Em 2010,a Carta já teve 9 activações – 1 de Março (ontem) no Chile e Ucrânia; 12 Fevereiro, ciclone nas Pacific Islands, 28 Janeiro, inundações no Perú; 26 Janeiro, inundações na Bolívia; 21 Janeiro, faixa de Gaza; 13 Janeiro, terramoto Haiti; 7 Janeiro, terramoto nas Ilhas Salomão; 5 Janeiro, cheias na Albânia; 4 de Janeiro, tempestade de neve na China.

Home, o “planeta azul”…

home

HOME, o mundo é a nossa casa

Yann Arthus-Bertrand leva-nos numa viagem original à volta da Terra, para que possamos contemplá-la e entendê-la.

E algumas imagens são mesmo de perder o fôlego 🙂

Como dizem os spots publicitários,”Home” ajuda a perceber a nossa relação com o planeta e encoraja-nos a proteger o nosso Mundo!

Website oficial: http://www.home-2009.com

Não deixe de se deixar aliciar por uma visita rápida aqui…..