Estudo “As mulheres em Portugal, hoje“

Estudo “As mulheres em Portugal, hoje“, coordenado por Laura Sagnier e Alex Morell, e com uma amostra de 2.428 mulheres com idades entre os 18 e os 64 anos e residentes em Portugal, entrevistadas em maio de 2018, através da internet. Apresentação de Laura Sagnier, na Aula Magna.

O estudo divide as mulheres em vários tipos, de acordo com as atitudes perante a vida, sendo que as mais prevalecentes têm “tudo sob controlo” (18%). Se juntarmos às mulheres “esgotadas” as “resignadas” (11%) e as “em luta” (13%), juntas representam um terço.

As mulheres têm 3 vezes mais trabalho em casa que os homens e contribuem mais proporcionalmente para a economia doméstica. O que é paradoxal, contraditório. O estudo revela a seriedade dos custos da desigualdade, do cansaço, da desvalorização do trabalho doméstico e com os filhos.

“Turning promises into action: Gender equality in the 2030 Agenda for Sustainable Development”

Turning promises into action: Gender equality in the 2030 Agenda for Sustainable Development”, UN Women’s new flagship report, provides a comprehensive and authoritative assessment of progress, gaps and challenges in the implementation of the Sustainable Development Goals (SDGs) from a gender perspective. The report monitors global and regional trends in achieving the SDGs for women and girls based on available data, and provides practical guidance for the implementation of gender-responsive policies and accountability processes. As a source of high-quality data and policy analysis, the report is a key reference and accountability tool for policymakers, women’s organizations, the UN system, and other stakeholders.

This report lays the basis for robust, gender-responsive monitoring of the 2030 Agenda for Sustainable Development by:

  • showing how gender equality is central to the achievement of all 17 SDGs and arguing for an integrated and rights-based approach to implementation;
  • explaining gender data gaps and challenges for robust monitoring and establishing starting points and trends across a range of gender-related indicators based on available data;
  • providing concrete guidance on policies to achieve two strategic targets under SDG 5 (violence and unpaid care) and outlining how these policies are synergistic with other goals and targets; and
  • setting an agenda for strengthening accountability for gender equality commitments at global, regional, and national levels.

View online/download

08 03 2019 | “Think equal, build smart, innovate for change”

The theme for International Women’s Day 2019, which will take place on 8 March, is “Think equal, build smart, innovate for change”.

The theme will focus on innovative ways in which we can advance gender equality and the empowerment of women, particularly in the areas of social protection systems, access to public services and sustainable infrastructure.

The achievement of the ambitious Sustainable Development Goals (SDGs) requires transformative shifts, integrated approaches and new solutions, particularly when it comes to advancing gender equality and the empowerment of all women and girls. Based on current trajectories, existing interventions will not suffice to achieve a Planet 50-50 by 2030. Innovative approaches that disrupt “business as usual” are central to removing structural barriers and ensuring that no woman and no girl is left behind.

UNWomen

O tema definido pela ONU Mulheres para o Dia Internacional das Mulheres em 2019 é “Pensemos em igualdade, construção das mudanças com inteligência e inovação”.

Em sintonia com o tema prioritário do 63º Período de Sessões da Comissão da ONU sobre a Situação das Mulheres, o Dia Internacional das Mulheres de 2019 abordará visões sobre as lideranças da indústria, as empresas emergentes, as empreendedoras e os empreendedores sociais, as ativistas e os ativistas que trabalham em favor da igualdade de género e as mulheres inovadoras, com o objetivo de examinar como a inovação pode eliminar barreiras e acelerar os avanços até a igualdade de gênero, fomentar o investimento em sistemas sociais sensíveis a género e construir serviços e infraestruturas que respondam às necessidades de mulheres e meninas.

“Study on the gender dimension of trafficking in human beings”

study on the gender

“A Comissão Europeia acaba de publicar o «Estudo Sobre a Dimensão de Género no Tráfico de Seres Humanos», no âmbito da Estratégia da União Europeia para a Erradicação do Tráfico de Seres Humanos 2012-2016. Este estudo enquadra-se na prioridade E da Estratégia, que visa conhecer melhor os novos problemas relacionados com todas as formas de tráfico de seres humanos (TSH) e dar-lhes uma resposta eficaz. Mais concretamente, diz respeito à Ação 2, cujo objetivo é promover o conhecimento sobre a dimensão do género no TSH e sobre os grupos vulneráveis, nomeadamente as especificidades ligadas ao género, que caracterizam a forma como os homens e mulheres são recrutados/as e explorados/as, as consequências em termos de género das diversas formas de tráfico e as potenciais diferenças entre homens e mulheres no que se refere à vulnerabilidade ao tráfico e o seu impacto sobre ambos os géneros.” (site da CIG)

“This report is concerned with practices to reduce and combat trafficking in human beings: service provision, law enforcement, online safeguarding, and prostitution policy change. Statistics can support the evaluation of these practices by evidencing change over time and between different regimes. In order to do so, robust and comparable measures of trafficking in human beings and in prostitution are needed.

Introduction

Methodology

Review of key issues in the literature

Victim assistance: United Kingdom example

Measuring trafficking EU-28

Demand reduction: Germany and the Netherlands

Demand reduction: Sweden

Law enforcement: justice and home affairs EU agencies

Emerging cyber technology

Conclusions from gender analysis

Recommendations

Annex: Relevant law and policy instruments

References

Relatório aqui

Screenshot_1 Screenshot_2

 

“Gender Equality in Power and Decision-Making”, 2016

Screenshot_1

O Instituto Europeu para a Igualdade de Género (EIGE) publicou o estudo « Igualdade de Género no Poder e Tomada de Decisão»,  foi levado a cabo entre 2003 e 2014, pretendendo monitorizar o progresso dos Estados-membros da União Europeia em termos de Igualdade de Género, no que concerne ao poder e à tomada de decisão.

Este estudo evidencia o que sabemos: que as mulheres ainda enfrentam desafios injustos nas suas vidas, como acontece nos processos de tomada de decisão em que estão sub-representadas em várias posições de liderança a nível político e económico, em vários países da União Europeia. Nos bancos centrais, ministérios das finanças e  salas de reuniões em toda a Europa apenas 1 em cada 25 lugares de topo é ocupado por uma mulher.

O estudo tem uma estrutura, dados, análises, de elevada clareza e fácil leitura.

Documento «Gender Equality in Power and Decision-Making: Review of the Implementation of the Beijing Platform for Action in the EU Member States»

Some Member States have expressed strong commitments and adopted policies to promote women in political decision-making, including positive action (legislative or voluntary quotas) for public institutions and governing bodies. Member States that implemented binding and voluntary quotas had, on average, 29% of women in their national parliaments in 2014, an increase of 10 percentage points since 2003.
In the economic sphere, progress in women’s representation has been most pronounced on corporate boards. Since 2003 the proportion of women on the highest decision-making bodies in the largest publicly listed companies has gradually increased, from 9% in 2003 to 20% in 2014, in particular among Member States where binding legislation is in effect. Over the last decade the representation of women has also slightly improved in workers’ and employers’ organisations at both European and national levels. However, in the financial sector, in particular at EU level, the rate of change has been very slow. Men dominate the governance of central banks and take up the majority of positions as presidents of boards. The reluctance to appoint women candidates to board positions is often rooted in gender-biased recruitment and promotion procedures, a male-dominated business culture and the lack of transparency in board appointment processes. These elements all contribute to the problem known as the ‘glass ceiling’ (p.7, executive summary)

Retratos históricos do “lugar da mulher”

Kinder, Küche, Kirche

“L’allitération, Kinder, Küche und Kirche, que l’on traduit en français par «enfants, cuisine et église», également connue sous l’expression « les trois K », se veut une représentation des valeurs traditionnelles dévolues aux femmes en Allemagne. Le but de ce discours visait à décrire le rôle de la femme dans la société et la famille. Elles devaient, selon cette définition assurer l’éducation des enfants, cuisiner pour la famille, selon les préceptes et la morale séculaire de l’Église.”

Dans un discours de septembre 1934, à l’« Organisation des femmes nationales socialistes » (en allemand : Nationalsozialistischen Frauenorganisation), Adolf Hitler affirma que pour la femme allemande son « Univers est son mari, sa famille, ses enfants et son foyer »1, une politique qui fut résumée par le Kinder et Küche par la propagande, et par la remise de la Ehrenkreuz der deutschen Mutter (en français : « croix d’honneur de la mère allemande ») aux mères ayant mis au monde plus de quatre enfants.

Lorsque Hitler accéda au pouvoir en 1933, il initia une loi d’encouragement au mariage, qui accordait aux nouveaux couples un prêt de 1 000 RM (ce qui représentait alors environ 9 mois de salaire). À leur premier enfant, ils pouvaient conserver 250 RM, puis à nouveau 250 RM pour le second et la totalité de la somme lors de la naissance du quatrième.

Durant cette période, les femmes qui travaillaient furent discriminées et contraintes à la démission pour bénéficier d’avantages sociaux. La médecine, le droit et les postes de l’administration étaient des professions réservées aux seuls hommes2. Par la suite, les femmes furent à nouveau bienvenues dans les usines lorsque les pertes humaines des forces armées et le manque d’équipements se firent sentir sur le front.

Um bocadinho mais extenso o artigo na língua inglesa

Mas anote-se que os “3 K’s” não são um slogan nazi… Primeiro utilizada, alegadamente, pelo Kaiser Wilhelm II (1859–1941), foi promovida pelo III Reich com menos ênfase em “Kirche” (Igreja).

Entre nós, sob a tríade “Deus, Pátria, Família” do Estado Novo, o retrato da mulher era “Mãe, esposa e dona-de-casa” e uma mulher casada precisava da autorização do marido para coisas tão “simples” como trabalhar ou ir ao estrangeiro.

Quem escreve filosofia

Parecem existir poucas mulheres na Filosofia – é uma constatação simples de fazer. Ou, dito de outra forma, não aparecem muitos nomes femininos que sejam sonantes na história da Filosofia.  Surgem, no século XX, nomes como Hannah Arendt, Simone de Beauvoir, Elisabeth Anscombe, Simone Weil ou Martha Nussbaum.

Mulheres filósofas raras – sem com isto querer dizer que não existiram ou não fizeram sentir as suas influências. E sendo certo que podem apontar-se alguns casos, o desequilíbrio entre os géneros na história da humanidade, parece evidente – por exemplo, citar Damaris Cudworth ou Catharine Cockburn, que se corresponderam com Locke e Leibniz, não faz realmente diferença.

Notar essa falta, serve para relevar Hannah Arendt e Martha Nussbaum que, podendo não ser muito conhecida entre nós, já serviu de referência a um acórdão do Tribunal Constitucional, que, curiosamente, incluiu igualmente Paul Ricoeur e John Rawls.


ACÓRDÃO N.º 617/2006, TRIBUNAL CONSTITUCIONAL – Processo nº 924/2006. O Presidente da República, nos termos do artigo 115º, nº 8, da Constituição e dos artigos 26º e 29º, nº 1, da Lei nº 15-A/98, de 3 de Abril, requereu a fiscalização preventiva da constitucionalidade e da legalidade da proposta de referendo aprovada pela Resolução nº 54-A/2006 da Assembleia da República (publicada no Diário da República, I Série, de 20 de Outubro de 2006).

(imagem: Lady writing a letter, Vermeer)

 

Nem o 5º sinal vital resiste a discriminação de género…

Dor da mulher é mais ignorada e subvalorizada que a do homem

A dor das mulheres é subvalorizada em relação à dos homens, sendo considerada menos genuína e grave pelos profissionais de saúde, principalmente pelos profissionais do sexo masculino, segundo um estudo do ISCTE. O estudo, realizado a 205 estudantes de enfermagem e concluído no final do ano passado, mostra que a dor das pacientes do sexo feminino é julgada como menos genuína e a sua situação clínica considerada menos grave e urgente que a do homem.

“O projecto partiu de constatações de outros estudos que mostravam que as mulheres relatavam sentir mais dores que os homens e que a sua dor era mais vezes sub-diagnosticada que a dos homens”, explicou à Lusa Sónia Bernardes, investigadora no Centro de Investigação e Intervenção Social no ISCTE e autora do estudo “Os enviesamentos de sexo nos julgamentos sobre dor lombálgica”.

No entanto, só com este estudo se percebeu quais os factores que podem influenciar a apreciação da dor dos pacientes, nomeadamente em que medida o tipo de dor, a forma como o doente apresenta a sua dor e o sexo de quem julga influenciam a ocorrência de enviesamentos de sexo nos julgamentos.

A investigadora chegou à conclusão de que “a dor da paciente do sexo feminino é julgada como menos genuína e a sua situação clínica como menos grave e urgente que a do homem” em contextos de dor aguda e de curta duração ou na ausência de manifestações explícitas de ansiedade.

“Espera-se que as mulheres sejam mais expressivas e quando não apresentam sintomas de ansiedade e agem de forma controlada sem recorrer muito aos profissionais de saúde acabam por ser subvalorizadas”, explicou Sónia Bernardes.

O estudo concluiu ainda que os estudantes de enfermagem do sexo masculino fazem mais enviesamentos de sexo nos julgamentos sobre a genuinidade da dor do que as estudantes do sexo feminino.

Perante estas conclusões, Sónia Bernardes sublinha que “as evidências mostram que embora as mulheres reportem sentir mais dores que os homens ao longo das suas vidas, as suas dores são frequentemente desvalorizadas, sub-diagnosticadas ou sub-tratadas comparativamente com as do sexo masculino”.

Este estudo é um dos últimos da tese de doutoramento que começou há cerca de quatro anos e que deverá ser entregue ainda este verão. O estudo data de finais de 2007, foi realizado a 205 estudantes de enfermagem e está enquadrado num projecto de investigação mais amplo financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia.”

29.04.2008 – Trazido daqui

Natualmente, passei pela International Association for the Study of Pain (IASP)

2008 foi decretado ano mundial contra as dores em mulheres, porque, de acordo com estudos realizados, as dores crónicas afectam mais as mulheres (é o caso das fibromialgias, artrite reumatoide, osteoartrite, dor pélvica crónica, enxaquecas) que têm dores mais recorrentes, mais graves e mais prolongadas do que os homens.

2008, Global Year Against Pain in Women – Real women, real pain

Fact Sheets disponíveis

(imagem, Sleeping lady, Tamara de Lempicka – alterada)

questões de higiene e género


Os homens lavam menos as mãos…

De acordo com um estudo publicado esta semana, um terço dos homens não se incomoda a lavar as mãos depois de usar a casa de banho, comparando com 12% das mulheres.

Há dois anos, com o mesmo inquérito, 1/4 dos homens não lavavam as mãos contra 10% das mulheres.

http://www.chicagotribune.com/news/nationworld/sns-ap-dirty-hands,1,3790008.story
http://www.nysun.com/article/62809
http://www.wtop.com/?nid=106&sid=1250020
http://www.sun-sentinel.com/features/health/sfl-917bathroomuse,0,7374890.story

Das questões de género na enfermagem (2)


Género e Enfermagem. Um estudo sobre a minoria masculina
de Joaquim Simões e Lígia Amâncio.

A questão da enfermagem é atravessada por dois aspectos centrais e interligados. A permanência da prática de cuidados como a grande razão de ser da profissão e o facto de o seu percurso histórico se confundir com o feminino. (…) No entanto, a investigação sociológica sobre as profissões da saúde negligenciou a perspectiva do género, até à década de 1990, como afirma Elianne Riska (1993), tanto ao nível da profissão médica, como na relação entre esta e a enfermagem (Carpenter, 1991) e outras profissões da área da saúde (Hug man, 1991). Este autor mostra, com efeito, que a divisão de trabalho entre sexos se estabelece não só entre a profissão médica, predominantemente masculina, e as profissões ligadas aos cuidados, predominantemente femininas, como no seio da própria enfermagem, onde os homens, sendo minoritários ao nível da prática de cuidados estão, no entanto, sobrerrepresentados a todos os níveis de gestão e supervisão. (…) A investigação sore os enfermeiros constitui, assim, um contexto ideal para a mobilização do género enquanto id ologia, e para a desconstrução da frequente assimilação do conceito ao sexo de pertença dos indivíduos, uma vez que eles re presentam uma minoria imersa num universo que, à primeira vista, poderia ser considerado dominado pelas mulheres no plano simbólico, tal como é, de facto, no plano numérico. (…) O objectivo do estudo preliminar foi o de analisar os efeitos da socialização para a profissão, e do seu exercício, nas crenças ligadas à profissão da enfermagem e ao cuidar em enfermagem. Assim, pedimos a 56 estudantes do 1.º ano de uma Escola Superior de Enfermagem, 50 do 3.º ano da mesma escola e 66 profissionais em exercício, de ambos os sexos, que referissem os atributos pessoais que lhes vinham à ideia quando pensavam na “profissão da enfermagem” e o que lhes fazia pensar “cuidar em enfermagem”. As palavras mais frequentes e mais utilizadas por todos os grupos de participantes foram, no caso dos profissionais de enfermagem, “solidário”, “responsável”, “humano”, “disponível”, “empático”, “paciente” e “competente”; as associações mais consensuais ao cuidar foram “relação de ajuda”, “educar para a saúde” e “atitude de escuta”.”
continuar a ler

Das questões de género na enfermagem (1)

Esta imagem fazia-se acompanhar de
2006 Central and Eastern Michigan Area Health Education Center
“It’s A Guy Thing” Male Nurse Poster Campaign Competition

É c
oisa de homens.

Enfermagem é, de acordo com o conceito mais tradicional e conforme os números apresentam, um mundo predominantemente feminino. Na maior parte dos países a presença dos homens na profissão anda entre os 4 e os 10%, menos frequentemente entre os 15 e os 20%.
Por exemplo, entre os RN (registered nurse, nível 5, como nós) dos EUA, de acordo com uma
pesquisa de 2004, tinham aproximadamente 5,7% de homens (numa população de
2,909,467). No Brasil, serão cerca de 10%. O estudo Nurses in Europe faz referência ao aumento de enfermeiros na Alemanha (15-20%).

Em Portugal, sempre se formaram homens para a profissão (se bem que durante umas décadas se entendesse – e um decreto-lei da década de 40 o afirme – que deviam ser colocados nos serviços de psiquiatria, ortopedia e urologia; que a profissão era «essencialmente feminina» e nos Hospitais Civis de Lisboa as enfermeiras não pudessem casar – tirocínio exclusivo para mulheres solteiras ou viúvas sem filhos). Serão cerca de 18% de homens no universo profissional português.

Numa pesquisa rápida, encontram-se artigos e estudos sobre a relação da enfermagem com o género, provenientes de muitos países e diferentes continentes
Men in Nursing: Ambivalence in care, gender and masculinity
ou
A inserção do masculino no cuidado de enfermagem
ou Why so few male nurses?
ou Infirmier en service de pédiatrie
Encontram-se l
eituras de tipo sociológico em artigos (como em “The interaction of gender and class in nursing: appropriating Bordieu and adding Butler», de Kate Huppatz) ou teses (Race, gender, age and the US nursing shortage, Wilmer Alvarez, 2005).

Bourdieu refere-se profissões enquanto construção social: “…produto de todo um trabalho social de construção de um grupo e de uma representação dos grupos, que se iniciou docemente no mundo social” (O poder simbólico. Lisboa, Difel, 1989, p. 40).

E entendendo as profissões como construções sociais, e tratando-se, no início, de uma espécie de espaço entre o doméstico e o institucional, ao longo do século XX foram-se vivendo processos de reconfiguraçao e recomposiçao profissional. Estou convencida que as questões da identidade profissional e da imagem social da profissão se cruzam com questões de género e com o percurso histórico, social e político. Mas isto nem será nada de extraordinário, enquanto fenómeno socio-histórico.
Apesar do número crescente de homens na profissão, Male Nurses still face Bias

Em Minority Nurse lê-se:
Approximately 5.4% of the 2.1 million R.N.s employed in nursing in the United States are men, according to the National Sample Survey of Registered Nurses conducted in March 1996 by the Health Resources and Services Administration. Of these working male R.N.s, the racial and ethnic breakdown is:

“The last survey showed a progressively aging work force and that we needed to do more to encourage young people from diverse backgrounds to go into nursing,” says Vincent C. Rogers, D.D.S., M.P.H., the HRSA’s associate administrator for health professions. “The 2000 survey results will help us develop policies and programs to strengthen the nurse work force in practice and education.”

The survey also found that roughly 13% of students enrolled in nursing schools are men. Dwight Elliott, a senior in nursing at East Carolina University, is one of two men in his class of approximately 80 students. “I am the only black male in my graduating class,” he notes. “It has been kind of tough being a black male in a predominantly white female profession. I’ve caught some looks like, ‘What is he doing in nursing? He doesn’t look like a nurse.’ I feel like I must work twice as hard as others because one, I’m black, and two, I am a male.”

Elliott is not the only one turning heads as a male nurse. Ifeanyi John Nwokocha, R.N., B.S.N., a staff nurse at La Rabida Children’s Hospital in Chicago, recalls receiving a few strange glances himself while at a previous nursing job. He explains, “When I used to work in med/surg, I got reactions like, ‘Oh—a male nurse?’ I even got questions like, ‘Are you an orderly?’ People do not expect to see a black male nurse.”

(…) Stereotypes of nurses as being female and white have persisted throughout the years but do seem to be lessening as the number of minorities (including men) in the nursing profession has gradually increased.

(…) “Because of years of publicity and propaganda, [the image of nurses] is fixed in the mind of the general public as being white and female and trustworthy. Minorities in nursing do not have this image.”

Mais artigos in Men in Nursing.

E a publicidade de e para recrutamento tem roupagens diversas.

Curiosa a perspectiva do Oregon Center for Nursing, (Oregon Nurses Association is a professional and labor organization representing nurses on a wide range of clinical, professional, and workplace-related issues) e do RNMen (register nurse men) –

«Are you man enough to be a nurse?»

…dar conta de…

Texto aqui

“O Mundo precisa da Ciência.
A Ciência precisa das Mulheres.
Por isso, a L’Oréal e a UNESCO juntaram-se para promover as Mulheres na Ciência.
Por isso, nasceu o programa internacional L’Oréal-UNESCO For Women in Science que, todos os anos, desde 1999, reconhece cinco cientistas consagradas, uma de cada continente.

E nasceram também as Bolsas Internacionais UNESCO-L’Oréal que apoiam, anualmente, 15 jovens cientistas na sua pesquisa de pós-doutoramento. Juntos, os projectos já distinguiram mais de centena e meia de cientistas, de mais de 50 países.

Inspirada nestes programas internacionais, a L’Oréal Portugal lançou, em 2004, a sua iniciativa local de apoio às Mulheres na Ciência. Com o apoio da Comissão Nacional da UNESCO e da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), fundou o programa “Medalhas de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência”.

Com um júri científico composto por figuras eminentes da comunidade científica nacional, as Medalhas de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência nasceram para incentivar o trabalho das mais promissoras jovens cientistas, recém doutoradas, motivando-as a prosseguir a sua investigação no âmbito das ciências da vida.

Após concluídas as três primeiras edições – 2004, 2005 e 2006 – a L’Oréal Portugal, a Comissão Nacional da UNESCO e a Fundação para a Ciência e a Tecnologia voltam, em 2007, a lançar as Medalhas de Honra L’Oréal Portugal para as Mulheres na Ciência e a distinguir novas cientistas.

Na sua quarta edição, vai galardoar 3 promissoras e jovens cientistas, atribuindo a cada uma a respectiva Medalha de Honra e 20 mil euros de financiamento, um montante duas vezes superior ao concedido nos anos anteriores.

As candidaturas estão abertas entre 1 de Junho e 15 de Julho, devendo ser remetidas, em CD, à Fundação para a Ciência e a Tecnologia.
Podem concorrer todas as investigadoras que efectuem o seu trabalho em universidades ou outras instituições portuguesas no domínio das Ciências da Vida, com grau de doutoramento há menos de 5 anos e com idade até aos 35 anos.

raridade…

A Vindication of the Rights of Woman

Mary Wollstonecraft

Published in 1792, A Vindication of the Rights of Woman was the first great feminist treatise. Wollstonecraft preached that intellect will always govern and sought “to persuade women to endeavour to acquire strength, both of mind and body, and to convince them that the soft phrases, susceptibility of heart, delicacy of sentiment, and refinement of taste, are almost synonimous [sic] with epithets of weakness.”

E está on line – aqui.

DIM, ou um dia ainda a assinalar

A 8 de Março de 1857, as operárias têxteis de uma fábrica de Nova Iorque entraram em greve, ocupando a fábrica, para reivindicarem a redução de um horário de mais de 16 horas por dia para 10 horas. Estas operárias recebiam menos de um terço do salário dos homens.
Foram fechadas na fábrica onde, entretanto, se declarou um incêndio, e entre 130/140 mulheres morreram queimadas.
Em 1908, na mesma data, 15.000 mulheres marcharam em Nova Iorque exigindo reduções de horário laboral, melhores salários e direito ao voto.
Em 1910, numa conferência internacional de mulheres realizada em Copenhaga, foi decidido, em homenagem àquelas mulheres, comemorar o 8 de Março como “Dia Internacional da Mulher”.
Ou seja, manter viva a memória do incêndio da Fábrica de Triangle Shirtwaist.

Existindo diversa legislação, destaco a

Convenção para a Eliminação de todas as formas de
Discriminação contra as Mulheres

Adoptada em 18 de Dezembro de 1979 pela Assembleia Geral das Nações Unidas, a Convenção é frequentemente descrita como uma “international bill of rights for women”.

Por discriminação contra as mulheres entende-se “qualquer distinção, exclusão ou limitação imposta com base no sexo que tenha como consequência ou finalidade prejudicar ou invalidar o reconhecimento, gozo ou exercício por parte das mulheres, independentemente do estado civil, com base na igualdade de homens e mulheres, dos direitos humanos e liberdades fundamentais no domínio político, económico, social, cultural e civil, ou em qualquer outro domínio” (artigo 1º).

Entre as obrigações dos Estados previstas para assegurar a igualdade das mulheres com os homens, inclui-se:
– a revogação das disposições penais nacionais discriminatórias das mulheres (artigo 2º, alínea g);
– a adopção de medidas com vista a eliminar o tráfico de mulheres e a exploração da prostituição das mulheres (artigo 6º);
– a garantia do direito de voto e do direito de exercer de cargos públicos ou funções públicas (artigo 7º);
– a garantia dos mesmos direitos no campo da educação (artigo 10º);
– a garantia dos mesmos direitos no campo do emprego, designadamente direito ao trabalho, a oportunidades de emprego idênticas, à livre escolha da profissão e do emprego e a remuneração igual (artigo 11º, nº1);
– a proibição do despedimento com base na gravidez ou licença por parto e a introdução de licença remunerada por parto ou benefícios sociais idênticos (artigo 11º, nº2);
– a concessão de igualdade de tratamento perante a lei (artigo 15º, nº1);
– a concessão, em questões civis, de capacidade legal idêntica e de oportunidades idênticas de exercer essa capacidade (artigo 15º, nº2);
– a garantia dos mesmos direitos e responsabilidades em matéria de casamento e relações familiares (artigo 16º).

Naturalmente, não basta.
Mas não me vou alongar sobre um assunto que será, hoje, da ordem do dia.
Só considerar que a violência contra as mulheres, as discriminações sociais, laborais, políticas, culturais, entre outras, não cessam por força de nenhuma lei.
Talvez seja preciso mais, muito mais.
E mais do que um Dia Internacional.