Sociedades científicas publicam guidelines éticas, face a pandemia COVID-19 – Itália e Espanha

O Italian College of Anesthesia, Analgesia, Resuscitation and Intensive Care (SIAARTI) publicou guidelines dos critérios que devem ser seguidos em circunstâncias extraordinárias.

Decisioni eticamente fondate per il trattamento dei pazienti affetti da insufficienza respiratoria grave secondaria a infezione da COVID-19

Il Documento in questione – Decisioni eticamente fondate per il trattamento dei pazienti affetti da insufficienza respiratoria grave secondaria a infezione da Covid-19 – riprende, conferma e divulga le nostre Raccomandazioni di etica clinica per l’ammissione a trattamenti intensivi e per la loro sospensione, in condizioni eccezionali di squilibrio tra necessità e risorse disponibili.

 The document begins by likening the moral choices Italian doctors may face to the forms of wartime triage that are required in the field of “catastrophe medicine.” Instead of providing intensive care to all patients who need it, the authors suggest, it may become necessary to follow “the most widely shared criteria regarding distributive justice and the appropriate allocation of limited health resources.” The principle they settle upon is utilitarian. “Informed by the principle of maximizing benefits for the largest number,” they suggest that “the allocation criteria need to guarantee that those patients with the highest chance of therapeutic success will retain access to intensive care.” The authors, who are medical doctors, then deduce a set of concrete recommendations for how to manage these impossible choices, including this: “It may become necessary to establish an age limit for access to intensive care.” Those who are too old to have a high likelihood of recovery, or who have too low a number of “life-years” left even if they should survive, would be left to die. This sounds cruel, but the alternative, the document argues, is no better. “In case of a total saturation of resources, maintaining the criterion of ‘first come, first served’ would amount to a decision to exclude late-arriving patients from access to intensive care.” In addition to age, doctors and nurses are also advised to take a patient’s overall state of health into account: “The presence of comorbidities needs to be carefully evaluated.” This is in part because early studies of the virus seem to suggest that patients with serious preexisting health conditions are significantly more likely to die. But it is also because patients in a worse state of overall health could require a greater share of scarce resources to survive: “What might be a relatively short treatment course in healthier people could be longer and more resource-consuming in the case of older or more fragile patients.” (The Atlantic)

Em Espanha, a Sociedad Española de Medicina Intensiva, Crítica y Unidades Coronarias (SEMICYUC) publicou recomendações

RECOMENDACIONES ÉTICAS PARA LA TOMADE DECISIONES EN LA SITUACIÓN EXCEPCIONAL DE CRISIS POR PANDEMIA COVID-19 EN LAS UNIDADES DECUIDADOS INTENSIVOS.(SEMICYUC)

Los objetivos principales de estas recomendaciones, en conclusión, son: 1-Apoyar a los profesionales en la toma de decisiones difíciles, facilitando criterios colegiados que permitan compartir la responsabilidad en situaciones que implican una gran carga emocional. 2-. Explicitar unos criterios de idoneidad de asignación de recursosen una situación de excepcionalidad y escasez.

Ante situaciones de crisis como la que vive España con la enfermedad Covid-19 y en un contexto de recursos limitados, las personas con más posibilidades de sobrevivir deben tener prioridad para ser ingresadas en las unidades de cuidados intensivos (UCI). «Admitir un ingreso puede implicar denegar otro a otra persona que puede beneficiarse más, de forma que hay que evitar el criterio primero en llegar, primero en ingresar».

Así reza literalmente el documento de recomendaciones UCI y Covid-19 que ha elaborado el Grupo de Trabajo de Bioética de la Sociedad Española de Medicina Intensiva, Crítica y Unidades Coronarias (Semicyuc) y cuyo contenido han consensuado con la Sociedad Española de Medicina Interna (SEMI). En suma, las sociedades médicas que representan a internistas e intensivistas, dos de los especialistas que están en primera línea de combate en la lucha contra la infección.

La limitación de recursos en una situación de pandemia como la actual obliga, según intensivistas e internistas, a «consensuar una serie de criterios técnicos y éticos comunes», y el primero que plantean es que el ingreso en UCI se base en «maximizar el beneficio común. Ante pacientes críticos con patologías críticas diferentes de la infección por Covid-19, se debe valorar ingresar prioritariamente al que más se beneficie». (El Mundo)

#FicaEmCasa – STOP COVID-19

13 de março. Aprovadas medidas extraordinárias e de caráter urgente de resposta à situação epidemiológica do novo Coronavírus.

“O novo coronavírus, designado SARS-CoV-2, foi identificado pela primeira vez em dezembro de 2019 na China, na cidade de Wuhan. Este novo agente nunca tinha sido identificado anteriormente em seres humanos. A fonte da infeção é ainda desconhecida.”

A COVID-19 transmite-se por contacto próximo com pessoas infetadas pelo vírus, ou superfícies e objetos contaminados.

Estima-se que o período de incubação da doença (tempo decorrido desde a exposição ao vírus até ao aparecimento de sintomas) seja entre 2 e 14 dias. A transmissão por pessoas assintomáticas ainda está a ser investigada.

A Organização Mundial da Saúde recomenda medidas de higiene e etiqueta respiratória para reduzir a exposição e transmissão da doença:
• Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel ou com o antebraço, nunca com as mãos, e deitar sempre o lenço de papel no lixo;
• Lavar as mãos frequentemente. Deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com pessoas doentes. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar os “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%;
• Evitar contacto próximo com pessoas com infeção respiratória;
• Evitar tocar na cara com as mãos;
• Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado.

As pessoas que correm maior risco de doença grave por COVID-19 são os idosos e pessoas com doenças crónicas (ex: doenças cardíacas, diabetes e doenças pulmonares). A maioria das pessoas infetadas apresentam sintomas de infeção respiratória aguda ligeiros a moderados:
• Febre (T>37,5ºC)
• Tosse
• Dificuldade respiratória (Falta de ar)

Portanto, façam o favor de ficar em casa, lavar as mãos, cumprir as regras de distanciamento social e da etiqueta respiratória. Escolhas de consciência cívica.

 

Standards impossíveis – “Be a lady they said”

A 24 de fevereiro deste ano, The Sex and the City star and political activist Cynthia Nixon has fronted a video that highlights the impossible standards expected of women – and it has gone viral.

Le 24 février dernier,(…)  publication de la vidéo Be A Lady They Said, où l’on peut apercevoir l’actrice Cynthia Nixon, bien connue pour son rôle dans l’émission Sex and the City, faire l’énumération spectaculaire des nombreux messages contradictoires qui sont envoyés aux femmes dès leur plus jeune âge et qui perdurent tout au long de leur vie adulte. (fonte aqui)

Camille Rainville escreveu em dezembro de 2017, no Writings of a Furious Woman blogBe A Lady They Said.

Be a lady they said. Your skirt is too short. Your shirt is too low. Your pants are too tight. Don’t show so much skin. Don’t show your thighs. Don’t show your breasts. Don’t show your midriff. Don’t show your cleavage. Don’t show your underwear. Don’t show your shoulders. Cover up. Leave something to the imagination. Dress modestly. Don’t be a temptress. Men can’t control themselves. Men have needs. You look frumpy. Loosen up. Show some skin. Look sexy. Look hot. Don’t be so provocative. You’re asking for it. Wear black. Wear heels. You’re too dressed up. You’re too dressed down. Don’t wear those sweatpants; you look like you’ve let yourself go.

Be a lady they said. Don’t be too fat. Don’t be too thin. Don’t be too large. Don’t be too small. Eat up. Slim down. Stop eating so much. Don’t eat too fast. Order a salad. Don’t eat carbs. Skip dessert. You need to lose weight. Fit into that dress. Go on a diet. Watch what you eat. Eat celery. Chew gum. Drink lots of water. You have to fit into those jeans. God, you look like a skeleton. Why don’t you just eat? You look emaciated. You look sick. Eat a burger. Men like women with some meat on their bones. Be small. Be light. Be little. Be petite. Be feminine. Be a size zero. Be a double zero. Be nothing. Be less than nothing.

Be a lady they said. Remove your body hair. Shave your legs. Shave your armpits. Shave your bikini line. Wax your face. Wax your arms. Wax your eyebrows. Get rid of your mustache. Bleach this. Bleach that. Lighten your skin. Tan your skin. Eradicate your scars. Cover your stretch marks. Tighten your abs. Plump your lips. Botox your wrinkles. Lift your face. Tuck your tummy. Thin your thighs. Tone your calves. Perk up your boobs. Look natural. Be yourself. Be genuine. Be confident. You’re trying too hard. You look overdone. Men don’t like girls who try too hard.

Be a lady they said. Wear makeup. Prime your face. Conceal your blemishes. Contour your nose. Highlight your cheekbones. Line your lids. Fill in your brows. Lengthen your lashes. Colour your lips. Powder, blush, bronze, highlight. Your hair is too short. Your hair is too long. Your ends are split. Highlight your hair. Your roots are showing. Dye your hair. Not blue, that looks unnatural. You’re going grey. You look so old. Look young. Look youthful. Look ageless. Don’t get old. Women don’t get old. Old is ugly. Men don’t like ugly.

Be a lady they said. Save yourself. Be pure. Be virginal. Don’t talk about sex. Don’t flirt. Don’t be a skank. Don’t be a whore. Don’t sleep around. Don’t lose your dignity. Don’t have sex with too many men. Don’t give yourself away. Men don’t like sluts. Don’t be a prude. Don’t be so uptight. Have a little fun. Smile more. Pleasure men. Be experienced. Be sexual. Be innocent. Be dirty. Be virginal. Be sexy. Be the cool girl. Don’t be like the other girls.

Be a lady they said. Don’t talk too loud. Don’t talk too much. Don’t take up space. Don’t sit like that. Don’t stand like that. Don’t be intimidating. Why are you so miserable? Don’t be a bitch. Don’t be so bossy. Don’t be assertive. Don’t overact. Don’t be so emotional. Don’t cry. Don’t yell. Don’t swear. Be passive. Be obedient. Endure the pain. Be pleasing. Don’t complain. Let him down easy. Boost his ego. Make him fall for you. Men want what they can’t have. Don’t give yourself away. Make him work for it. Men love the chase. Fold his clothes. Cook his dinner. Keep him happy. That’s a woman’s job. You’ll make a good wife someday. Take his last name. You hyphenated your name? Crazy feminist. Give him children. You don’t want children? You will someday. You’ll change your mind.

Be a lady they said. Don’t get raped. Protect yourself. Don’t drink too much. Don’t walk alone. Don’t go out too late. Don’t dress like that. Don’t show too much. Don’t get drunk. Don’t leave your drink. Have a buddy. Walk where it is well lit. Stay in the safe neighborhoods. Tell someone where you’re going. Bring pepper spray. Buy a rape whistle. Hold your keys like a weapon. Take a self-defense course. Check your trunk. Lock your doors. Don’t go out alone. Don’t make eye contact. Don’t bat your eyelashes. Don’t look easy. Don’t attract attention. Don’t work late. Don’t crack dirty jokes. Don’t smile at strangers. Don’t go out at night. Don’t trust anyone. Don’t say yes. Don’t say no.

Just “be a lady” they said.

by Camille Rainville

Já tinha lido em poertuguês e fui à procura. Tradução na Domadora de Camaleões

Sê uma senhora, dizem-nos. A tua saia é muito curta. A tua camisa é muito decotada. As tuas calças são muito apertadas. Não mostres tanta pele. Não mostres as coxas. Não mostres as mamas. Não mostres o teu diafragma. Não mostres o decote. Não mostres a tua roupa interior. Não mostres os teus ombros. Cobre-te! Deixa alguma coisa para a imaginação. Veste-te modestamente. Não sejas sedutora. Os homens não se conseguem controlar. Os homens têm necessidades. Pareces uma desajeitada. Solta-te. Mostra um pouco de pele. Sê sexy. Não sejas tão provocadora. Estás a pedi-las. Usa preto. Calça saltos. Estás demasiado bem vestida. Estás mal vestida. Não uses essas calças de fato de treino, parece que te acomodaste…

Sê uma senhora, dizem-nos. Não sejas muito gorda. Não sejas magra demais. Não sejas muito alta. Não sejas pequena demais. Come. Emagrece. Para de comer tanto. Não comas muito rápido. Pede antes uma salada. Não comas carboidratos. Recusa a sobremesa. Precisas de perder peso. Cabe nesse vestido. Faz uma dieta. Come aipo. Masca pastilha elástica. Bebe muita água. Tens de caber nesses jeans. Deus, pareces um esqueleto. Por que não comes? Estás magra. Pareces doente. Come. Homens gostam de mulheres com carne nos ossos. Sê pequena. Sê leve. Sê miúda. Sê delicada. Sê feminina. Usa tamanho S. Usa tamanho XS. Não sejas nada. Sê menos que nada.

Sê uma senhora, dizem-nos. Remove os pêlos do corpo. Depila as pernas. Depila as axilas. Depila a virilha. Depila o rosto. Depila os braços. Depila as sobrancelhas. Livra-te do buço. Faz descoloração aqui. Faz descoloração ali. Clareia a pele. Bronzeia a pele. Acaba com as cicatrizes. Cobre as estrias. Fortalece o abdômen. Preenche os lábios. Põe botox nas rugas. Faz um lifting na cara. Endurece a barriga. Afina as coxas. Tonifica as panturrilhas. Empina as mamas. Sê natural. Sê tu mesma. Sê genuína. Sê confiante. Esforças-te demais. Exageras. Os homens não gostam de raparigas exageradas.

Sê uma senhora, dizem-nos. Usa maquilhagem. Disfarça as manchas. Destaca as maçãs do rosto. Contorna as pálpebras. Preenche as sobrancelhas. Põe rímel nessas pestanas! Põe um batom. Põe pó, blush, pó bronzeador, iluminador. O teu cabelo está demasiado curto. O teu cabelo está demasiado cumprido. O teu cabelo tem pontas tão secas! Clareia o cabelo. As raízes do cabelo já se veem! Pinta o cabelo. Azul não, parece artificial. Estás a ficar com brancas. Pareces uma velha. Parece jovem. Parece jovial. Parece atemporal. Não envelheças. As mulheres não ficam velhas. Velho é feio. Os homens não gostam de feias.

Sê uma senhora, dizem-nos. Poupa-te. Sê pura. Sê virginal. Não fales sobre sexo. Não sejas uma vagabunda. Não sejas uma vadia. Não durmas por aí. Não percas a dignidade. Não faças sexo com homens demais. Não te entregues. Os homens não gostam de putas. Não sejas puritana. Não sejas tão controlada. Diverte-te mais. Sorri mais. Dá prazer aos homens. Sê experiente. Sê sexual. Sê inocente. Sê malandra. Sê virginal. Sê sexy. Não sejas como as outras.

Sê uma senhora, dizem-nos. Não fales tão alto. Não fales tanto. Não ocupes espaço. Não te sentes assim. Não te destaques tanto. Não sejas intimidante. Por que estás tão triste? Não sejas uma chata. Não sejas tão mandona. Não sejas assertiva. Não exageres. Não sejas tão emotiva. Não chores. Não grites. Não digas palavrões. Sê passiva. Sê obediente. Suporta a dor. Sê agradável. Não reclames. Deixa-o relaxar. Aumenta-lhe o ego. Faz com que ele se se apaixone por ti. Os homens querem o que não podem ter. Não te entregues. Fá-lo esforçar-se. Os homens gostam de caçar. Dobra as roupas dele. Faz o jantar dele. Mantém-no feliz. É essa a função de uma mulher. Vais ser uma boa esposa, um dia. Adota o sobrenome dele. Não queiras ser uma feminista maluca. Dá-lhe filhos. Não queres filhos? Vais querer um dia. Vais mudar de ideias.

Sê uma senhora, dizem-nos. Não sejas violada. Protege-te. Não bebas tanto. Não andes sozinha. Não saias tarde à noite. Não te vistas assim. Não mostres tanto. Não fiques bêbada. Não deixes a bebida sozinha. Arranja uma companhia. Anda em lugares bem iluminados. Anda só em lugares seguros. Diz sempre a alguém onde vais. Leva um spray de pimenta. Compra um apito. Empunha as chaves como uma arma. Faz um curso de autodefesa. Tranca as portas. Não saias sozinha. Não faças contato visual. Não pisques os olhos. Não pareças fácil demais. Não atraias a atenção. Não trabalhes até tarde. Não contes piadas porcas. Não sorrias para estranhos. Não saias de noite. Não confies em ninguém. Não digas sim. Não digas não.

Sê só uma senhora, dizem-nos.

Tradução na Domadora de Camaleões

Lei nº 95/2019, Lei de Bases da Saúde

Lei n.º 95/2019 – Diário da República n.º 169/2019, Série I de 2019-09-04. Assembleia da República.
Aprova a Lei de Bases da Saúde e revoga a Lei n.º 48/90, de 24 de agosto, e o Decreto-Lei n.º 185/2002, de 20 de agosto

São 37 bases.

Base 1 Direito à proteção da saúde

1 — O direito à proteção da saúde é o direito de todas as pessoas gozarem do melhor estado de saúde físico, mental e social, pressupondo a criação e o desenvolvimento de condições económicas, sociais, culturais e ambientais que garantam níveis suficientes e saudáveis de vida, de trabalho e de lazer.

2 — O direito à proteção da saúde constitui uma responsabilidade conjunta das pessoas, da sociedade e do Estado e compreende o acesso, ao longo da vida, à promoção, prevenção, tratamento e reabilitação da saúde, a cuidados continuados e a cuidados paliativos.

3 — A sociedade tem o dever de contribuir para a proteção da saúde em todas as políticas e setores de atividade.

4 — O Estado promove e garante o direito à proteção da saúde através do Serviço Nacional de Saúde (SNS), dos Serviços Regionais de Saúde e de outras instituições públicas, centrais, regionais e locais.

Base 2 Direitos e deveres das pessoas

Base 3 Cuidadores informais

Base 4 Política de saúde

Base 5 Participação

Base 6 Responsabilidade do Estado

Base 7 Regiões Autónomas

Base 8 Autarquias locais

Base 9 Sistemas locais de saúde

Base 10 Saúde pública

Base 11 Saúde e genómica

Base 12 Literacia para a saúde

Base 13 Saúde mental

Base 14 Saúde ocupacional

Base 15 Informação de saúde

Base 16 Tecnologias de informação e comunicação

Base 17 Tecnologias da saúde

Base 18 Conselho Nacional de Saúde

Base 19 Sistema de saúde

Base 20 Serviço Nacional de Saúde

Base 21 Beneficiários do Serviço Nacional de Saúde

Base 22 Organização e funcionamento do Serviço Nacional de Saúde

Base 23 Financiamento do Serviço Nacional de Saúde

Base 24 Taxas moderadoras

Base 25 Contratos para a prestação de cuidados de saúde

Base 26 Terapêuticas não convencionais

Base 27 Seguros de saúde

Base 28 Profissionais de saúde

Base 29 Profissionais do SNS

Base 30 Profissionais de saúde com necessidades especiais

Base 31 Investigação

Base 32 Formação superior

Base 33 Inovação

Base 34 Autoridade de saúde

Base 35 Defesa sanitária das fronteiras

Base 36 Relações internacionais e Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Base 37 Avaliação

Relatório “O estado da nação e políticas públicas. Menos reformas, melhores políticas” (2019)

O presente volume reúne reflexões de vários especialistas, sempre organizadas com a mesma estrutura – diagnóstico da situação atual e dos principais desafios em cada domínio, identificação de políticas adotadas, análise e balanço das medidas recentes. Todos os capítulos incluem uma caixa gráfica destacando a evolução de um indicador-chave no domínio em causa e uma medida de política relevante, tomada recentemente, e que responda aos desafios que o país enfrenta.
Os capítulos dão conta de situações muito distintas, consoante o domínio em análise, mas há traços comuns entre eles. Em particular, não é possível identificar um padrão de inércia nas políticas públicas. Em todas as áreas ocorreram mudanças com impacto em aspetos estruturais. Há também fragilidades que se repetem nas diferentes áreas de política – desde a dificuldade em articular as mudanças recentes com políticas preexistentes, aos défices de coordenação entre várias subáreas das políticas públicas, passando pela escassez de monitorização e avaliação.
Uma vez mais, isto significa que o principal desafio que se coloca ao país é melhorar as políticas existentes, mais do que mudar radicalmente as opções substantivas subjacentes. Este objetivo não implica uma desvalorização do espaço para a demarcação ideológica que, por definição, está e deve estar associada às políticas públicas. Trata-se apenas de defender que a própria diferenciação programática ganha se assentar numa base de entendimento comum, que consista na partilha de diagnósticos, na monitorização do que existe e na avaliação das decisões tomadas anteriormente. Algo que tem faltado na cultura política dominante
em Portugal, a qual tende a privilegiar sucessões de “reformas”, num curto espaço de tempo – uma estratégia que promove e a ineficiência e gera muito desperdício. Promover esta base de entendimento é um dos contributos que pode ser dado pela academia. Por isso mesmo, o IPPS-ISCTE passará a publicar todos os anos, na véspera do debate do Estado da Nação que tem lugar na Assembleia da República, o relatório “O Estado da Nação e as Políticas Públicas”, que tem neste volume a sua primeira edição. Cada um dos capítulos é escrito por um especialista académico e as posições que aí são assumidas não são necessariamente partilhadas por todos os autores. Em todo caso, os vários capítulos procuram contribuir para um debate mais informado e sustentado sobre as
políticas públicas em Portugal, que potencie uma discussão no espaço público mais elucidada e produtiva.

Ficheiro do relatório disponível aqui

Introdução Menos reformas, melhores políticas – Ricardo Paes Mamede e Pedro Adão e Silva
Educação e formação – O frágil panorama das qualificações da população portuguesa – João Trocado da Mata
Saúde – SNS ainda não encontrou forma de garantir a universalidade e a generalidade de cuidados – Tiago Correia
Cultura Escasso financiamento e pessoal continuam a condicionar acesso à criação e fruição cultural – Jorge Barreto Xavier
Ciência e Tecnologia – O desafio do crescimento e do impacto da investigação – Tiago Santos Pereira
Ambiente – Uma legislação ambiciosa com impactos muito aquém do desejado – Catarina Roseta-Palma
Território – Uma política ainda com lacunas, descontinuidades e falta de articulação entre os vários níveis de ação – João Ferrão
Desigualdades Combater a desigualdade a partir da base é fundamental, mas insuficiente – Frederico Cantante
Emprego Perda de qualidade do emprego só foi parcialmente recuperada – Paulo Marques
Produtividade Reforço da produtividade e da competitividade exige mais empresas de maior dimensão – Ricardo Paes Mamede
Finanças públicas Os bons resultados da disciplina orçamental não anulam o risco representado pela dívida pública – Miguel St’Aubyn
Administração Pública O desafio de mobilizar e requalificar a Administração Pública – César Madureira e Maria Asensio
Justiça Ainda demasiado lenta, ainda demasiado cara – Conceição Gomes
Defesa As Forças Armadas não conseguem atrair e reter os profissionais de que necessitam – Helena Carreiras
Democracia A sociedade civil local tem contribuído para políticas públicas mais democráticas e inclusivas – Tiago Fernandes

Comentário deveras relevante

Saúde – Pedro Pita Barros – em Momentos Económicos

 

França: reembolso da homeopatia 126,8 milhões de euros em 2018

O debate em França já ia longo, pelo menos com polémica pública desde 2018, com a posição da Ordem dos Médicos e, já este ano, da Academia nacional de Medicina e Academia nacional de Farmácia assim como as posições públicas e a questão da comparticipação pelo Estado.

L’an dernier, le remboursement de l’homéopathie a représenté 126,8 millions d’euros sur un total d’environ 20 milliards pour l’ensemble des médicaments remboursés, selon l’Assurance maladie – afirmou o Parismatch

La Haute Autorité de Santé (HAS) a été saisie par le ministère des Solidarités et de la Santé pour évaluer le bien-fondé du remboursement des médicaments homéopathiques.

França deixa de comparticipar medicamentos homeopáticos. Razão: falta-lhes “eficácia”. Não demonstram “eficácia científica suficiente para justificarem comparticipação”. Corte será faseado e terá início em Janeiro de 2020.

Lida a notícia do Público e do Independent, – France to abolish state funding for homeopathic medicines, saying they are no better than ‘placebo’ – France will end funding for homeopathic remedies through its state health system from 2021 after the government acknowledged the remedies are no better than a placebo. It could be a serious blow for the alternative remedies in the country, which are often sold in pharmacists alongside evidence-backed medicine and prescribed by doctors. French social security payments for homeopathic remedies topped €126.8m in 2018, according to official figures, despite most being almost entirely water.

fui à procura do comunicado conjunto “L’homéopathie en France : position de l’Académie nationale de médecine et de l’Académie nationale de pharmacie” datado de março de 2019.

L’Académie nationale de médecine et l’Académie nationale de pharmacie

• estiment dans ces conditions :

* qu’il n’est pas contraire à l’éthique ni aux bonnes pratiques d’user de préparations homéopathiques, dans les situations où l’emploi d’une thérapie complémentaire est souhaitée, à condition que celle-ci n’induise pas une perte de chance en retardant la procédure diagnostique et/ou l’établissement d’un traitement reconnu efficace, sous condition que le médecin soit conscient qu’il use d’un placebo avec attente ;

* qu’il n’est pas acceptable d’user de l’homéopathie comme une “médecine alternative” dans les autres situations.

• confirment oqu’aucun diplôme universitaire d’homéopathie ne doit être délivré par les facultés de médecine ni par les facultés de pharmacie ;”

Será gradual, de acordo com a ministra francesa,dos 30% atuais para 15% em 2020 e 0% em 2021.

Buzyn said she took full responsibility for a measure that might prove unpopular, and denied that the primary aim of the plan was to save €127 million in social security payouts. She estimated that some 7 million French people, or just over 1% of the population, had used homeopathic drugs in 2018.

(imagem d’aqui)

World Values Survey – World cultural map

WVS

Portugal não consta, mas vale a pena saber.

The World Values Survey provides data on socio-cultural and political change worldwide. The WVS consists of national sample surveys in over 90 countries, using a common questionnaire with variables on beliefs, values, economic development, democratisation, religion, gender equality, social capital, and subjective well-being.

The survey is coordinated by the World Values Survey Association (Stockholm) and undertaken by social scientists since 1981. Work on the seventh wave of WVS commenced in 2017.

See also the EUI Library resource pages for the European Values Study, European Social Survey, Eurobarometer and the ICPSR data archive.

Time period – Six waves of the World Values Survey are available:   Wave 6 (2010-2014)

Wave 7 (forthcoming 2019)

  • The WVS Association also provides integrated longitudinal multiple-wave data files in Stata, SPSS and rdata format:

Support links

The WVS documentation page gives user instructions and details of data collection methology.