E somam 14…

Dá-se conta da passagem do tempo quando se assinala. Portanto, assinalemos.

Nos idos de 1 de Janeiro de 2005, o Conversamos?!… passou de página do Sapo (onde nasceu em 2001) a blog, esteve uns anos no Blogspot e daí foi importado para o WordPress. Contas feitas, 14 anos.

Conversamos?!… tem as marcas do tempo e das ideias expostas, até porque, como disse um dia um dilecto vizinho da blogoesfera, o próprio blog ajuda o autor a perceber o que foi mudando no tempo. E o que foi sendo vivido ou apreciado. Evidencia gostos, temas recorrentes, bibliofilias e fixação em alguns autores, as ditas tendências valorativas. A mim, serve-me de qualquer coisa entre moleskine, notas de rodapé, caderno de anotações e caixa de arquivo para recortes. Continuemos a rolar…

O primeiro post, a seguir ao de «início», foi a transcrição do Decálogo Liberal, de Bertrannd Russel. Que aqui, de novo, se repete.

The Ten Commandments that, as a teacher, I should wish to promulgate, might be set forth as follows

1. Do not feel absolutely certain of anything. 

2. Do not think it worth while to proceed by concealing evidence, for the evidence is sure to come to light.

3. Never try to discourage thinking for you are sure to succeed.

4. When you meet with opposition, even if it should be from your husband or your children, endeavor to overcome it by argument and not by authority, for a victory dependent upon authority is unreal and illusory. 

5. Have no respect for the authority of others, for there are always contrary authorities to be found.

6. Do not use power to suppress opinions you think pernicious, for if you do the opinions will suppress you.

7. Do not fear to be eccentric in opinion, for every opinion now accepted was once eccentric.

8. Find more pleasure in intelligent dissent that in passive agreement, for, if you value intelligence as you should, the former implies a deeper agreement than the latter.

9. Be scrupulously truthful, even if the truth is inconvenient, for it is more inconvenient when you try to conceal it.

10. Do not feel envious of the happiness of those who live in a fool’s paradise, for only a fool will think that it is happiness.”

“A Liberal Decalogue”, The Autobiography of Bertrand Russell, Vol. 3: 1944-1969, pp. 71-2.

pela blogoesfera

em passeio (pela blogoesfera) cruzei-me com «Resistir ao poder da ignorância», no A Terceira Noite, que recomendo (ou desafio) a ler.

só um aperitivo:

A terrível frase «Muera la inteligencia! Viva la muerte!» terá sido pronunciada na manhã de 12 de Outubro de 1936 no Salão Nobre da Universidade de Salamanca. Foi seu autor o general franquista José Millán-Astray e com ela pretendia afrontar o reitor Miguel de Unamuno após este ter feito um elogio da sabedoria e do diálogo. Existem versões um pouco diferentes do episódio, mas o que importa é que têm sido estas as palavras repetidas nos últimos oitenta anos para destacar o combate justo da razão e da democracia contra a força da ditadura e da ignorância. Na Alemanha, o nazismo nascera também da imposição do ódio e do obscurantismo sobre o diálogo e o conhecimento, queimando livros e conduzindo o mundo ao pesadelo da Segunda Grande Guerra e do Holocausto. Todos os fascismos tiveram, aliás, este denominador comum: o repúdio da razão e da sabedoria por troca com a força do instinto e as certezas fundadas em ideias muito básicas que dominaram o quarto de século chamado por Hannah Arendt de «tempos sombrios».“…

continuar a ler

claro que bastava a referência a Hannah Arendt para eu lá ir ver/ler….

[foto LN, painel na FCG]

14 anos…

A 1 de janeiro de 2005, o Conversamos?! começou – na génese, vinha dos Blogs do Sapo, onde realmente nasceu, em 2001.

Passou uns anos no Blogspot e foi daí importado para aqui, para o WordPress, ligado ao FaceBook em dezembro de 2010 e dele desligado em setembro de 2018.

Contas feitas, exatamente 14 anos. De arquivos, assim dizendo. De conversas, leituras, excertos, imagens, viagens, reflexões, preferências e factos.

o tempo do “Conversamos?!…”

Quanto tempo tem o Blog? e eis que tive de fazer contas…

Começámos por aqui a 1 de janeiro de 2005. Vínha de outro sítio, por isso o primeiro post chamou-se, apenas, «mudar de formato». Assinalámos em 2006, com caminhos de um ano.  E dois. E somaram três anos… E como o tempo é regular, foi-se somando um ano de cada vez, em  sucessivos pós-reveillons – somam-se quatro…. e somam sete…,… e somam nove… e somam doze… Ultrapassaram-se etapas de «anorexia blogoesférica» e de competição com outros lazeres ou afazeres. E houve tópicos que sempre estiveram presentes, mesmo que outros tenham tido vida mais curta.

Os três clássicos são, claramente – a citação, citando, citação do dia, pensamento do dia ou excerto do dia, iniciada em janeiro de 2005 e que atravessou estes catorze anos e quase meio; as Materializações de bibliofilia (que começaram em #1, a 9 de dezembro de 2009) e vão em #572 a caminho de contar oito anos e meio; [Lendo] começou em julho de 2012, com uma fotografia trazida de Las Palmas, e prossegue [429] até hoje.

Alguns episódicos dependem de focos no momento (selos, faróis, séries, wathever, pins de Enfermagem). Outros são pontuais mas longitudinalmente presentes (Arte, Enfermagem, Ensino Superior, Estudos e recursos, Saúde, Saúde Mental, Sociedade, Terras e sítios). E outros decorrem de deliberações no tempo – de que é exemplo o provérbio do dia, que se tornou mesmo diário em julho de 2017, com promessa de durar 365/posts/dias. De ves em quando, olho para as rubricas do blog; 

E em boa verdade o blog foi ficando, como uma espécie de poiso de conversa, de anotações, de colectânea, … algo entre moleskine, notas de rodapé e diálogos registados. Percorrendo os anos, reencontro leituras, preocupações, lugares visitados, assuntos que ocuparam e entretiveram. Imagem do tempo em que nem havia redes sociais, nem Face, Tweet, Insta ou outros. Do tempo em que os blogs eram efémeros.

Em 2008, alguém perguntou «se hoje começasses o blog chamavas-lhe Conversamos?!...». Dez anos depois, a resposta continua a ser sim 🙂

[imagem:  capas do Blog]