La Famille de Voyageurs, Bruno Catalano

 

Le Grand Van Gogh

Le Migrant

La même voyage

Bruno Catalano website

Anúncios

esculturas de Luo Li Rong

stunning-realistic-sculptures-by-luo-li-rong

Luo Li Rong is a Chinese artist who lives in Belgium for several years now. At a very young age she began sculpting and she studied art at the prestigious Academy of Fine Arts (CAFA) in Beijing. When she graduated, she was honored and became a member of the workshop of the master Sun Jiabao. There she immersed herself in classical figurative sculpture. The goal was to be one in spirit with the model.  (…) In Belgium she remains true to her principles. She is continues with her work and concentrates on the techniques of the sculptors of Europe from the Renaissance, Baroque and other periods. Her sculptures dazzle the viewer with their beauty, craftsmanship and above all femininity.

 

Luo Li Rong website

3d sketch, David Moreno

Spanish sculptor David Moreno (previously) continues to blur the lines between two and three dimensions with his architectural artworks. Created using hundreds of steel rods and lengths of piano wire, Moreno’s sculptures take the shape of buildings, and his more recent works have ventured indoors, highlighting interior details like doorways and staircases. In 2017, the artist also created a large, immersive installation in the United Arab Emirates titled “Connecting Doors.”  Moreno shares his work on Instagram and Behance.

fonte aqui

Esculturas de Aureliano de Aguiar

Em alguns percursos, de trabalho ou férias, fui-me deparando com estátuas originais, feitas de ferro velho, e vindo a constatar que são do mesmo escultor. Ficam cinco referências.

Arcanjo“, de Aureliano de Aguiar, junto à Praia do Farol, em Vila Nova de Milfontes.

À entrada de Odemira, numa rotunda do Lagar, um Monumento «Árvore»

 

Em Braga, uma estátua de Dragão, Rua Doutor Justino Cruz, em frente ao Jardim de Santa Bárbara (não sei se ainda lá está…)

Em Almodôvar, a estátua do “Sapateiro”, impressionante escultura de 6 metros de altura, utilizando diversos materiais de ferro velho.

 

Na mesma cidade, também de Aureliano Aguiar,  “O carro dos Bombeiros” foi construída à semelhança da do “Sapateiro“, utilizando diversos materiais de ferro velho.

As 9 musas gregas

Calíope (Καλλιόπη, “a de bela voz”), a primeira entre as irmãs, musa da poesia épica e da eloquência. Os seus símbolos são a tabuleta e o buril. Usa uma coroa de ouro na fronte e um poema na mão.

Clío (Κλειώ, “a que celebra”), musa da historia. Os seus símbolos são o clarim heróico e a clepsidra. Na mão direita uma trombeta e na esquerda um livro intitulado “Tucídide”; acrescenta-se o globo terrestre sobre o qual descansa, e o tempo que se vê ao seu lado, para mostrar que a história alcança todos os lugares e todas as épocas.

Euterpe (Ευτέρπη, “deleite”), musa do verso erótico. Usa habitualmente uma flauta dupla ou harpa; coroada de mirtilos e rosas.

Erato (Ερατώ, “amorosa”), musa da arte lírica ou poesia lírica. Representada por lira, viola e cisne; ocasionalmente, segurando uma fauta ou flecha; tem perto papéis de música e oboés.

Melpómene (Μελπομένη, “cantar”), musa da tragédia. Representada com uma máscara trágica numa mão e uma faca na outra, tendo perto a maça de Hercúles.Tem um aspeto grave, de ar sério.

Polimnia (Πολυμνία, “muitos hinos”), musa da retórica, música sacra, cantos e hinos sagrados e narração de histórias.Costuma ser apresentada em atitude pensativa, com um véu, numa atitude de meditação.

Talía (θάλλεω, “florescer”), musa da comédia e da poesia bucólica. Representada com uma máscara de comédia na mão e um bastão de pastor ou uma trompeta na outra.

Terpsícore (Τερψιχόρη, “deleite da dança”), musa da dança e do canto coral. Representada com instrumento musical de cordas na mão, ou lira ou viola.

Urania  (Ουρανία, “celestial”) musa da astrologia e astronomia, das ciências exatas e da poesia didática. Representada com um compasso ou uma esfera numa mão e uma espiga na outra, vestida con um manto coberto de estrelas.

Zeus é o pai das musas gregas, Mnemósine, a mãe, a personificação da memória. O templo das musas era o Museion, termo que deu origem à palavra museu, nas diversas línguas indo-europeias, como local de cultivo e preservação das artes e ciências.