Footnote

“Para definir a nossa profissão, a natureza da nossa arte, a essência desta totalidade, que toma cada segundo das nossas vidas profissionais e, para falar a verdade, das nossas vidas pessoais também, das nossas aspirações, ligações sociais, nossos sonhos,   somos professores. Damos conhecimento aos outros. Aprendemos com a geração precedente e repassamos á próxima. Essa é a nossa função.”

Relações difíceis… numa história absorvente, de competição em meio académico e científico. Eliezer (Shlomo Bar Aba) e Uriel Shkolnik (Lior Ashkenazi) são ambos estudiosos do Talmude, mas enquanto Uriel (o filho) é  reconhecido, recebe prémios e é convidado para fazer importantes conferências, Eliezer (o pai) nunca teve o seu trabalho valorizado. Mais do que as relações conturbadas entre pai e filho (mas também) o filme trata as mesquinharias no ambiente profissional, em que “para ter mais”, “ser mais” ou “poder mais”, algumas pessoas são capazes de tudo. A trama apresenta as intrigas, os embates e manobras dos que têm mais e dos que têm menos poder. Mesmo quando há enganos em telefonemas ou por isso mesmo… Talvez o que mais (me) choca, seja a diferença de grandezas entre os intervenientes… Pungente.

tratando de temas universais como inveja, ambição e ressentimento, a produção de Joseph Cedar foi merecidamente indicada ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 2012.

Anúncios

História da Escola Técnica de Enfermeiras 1940-1968

Screenshot_1

“… conhecer e dar a conhecer a Escola Técnica de Enfermeiras, enquanto instituição educativa, através da reconstituição da sua materialidade histórica, da sua evolução e do seu enquadramento na política do Estado Novo (1940-1968); da caracterização da sua cultura, do perfil das formandas, do currículo, da intervenção na saúde pública e, enfim, da construção da sua identidade histórica. Nesse sentido socorri-me de autores que têm trabalhado e teorizado sobre a História das Instituições Educativas e a História da Enfermagem.

A reconstituição e a recolha de informação foram realizadas no arquivo da Escola Superior de Enfermagem de Lisboa; na biblioteca do Instituto Português de Oncologia; na Biblioteca Nacional, no Arquivo Histórico do Ministério da Educação, da Direção-Geral de Saúde, da Torre do Tombo, da Rádio e Televisão de Portugal SA e no Arquivo da Fundação Rockfeller em Nova Iorque; Procedi à caracterização das fontes e à análise da documentação, seu tratamento heurístico e hermenêutico. Desta perceção de conjunto inferi o sentido evolutivo que a redação da monografia reflete.
Como resultados da investigação realizada identifiquei na história da instituição educativa estudada três fases: criação (1935-1940); primeiros tempos, nos quais ela se consolidou (1941-1946) e maturidade (1947-1968). Nesta última fase existiram dois momentos. De afirmação (anos letivos de 1946/47 a 1953/54); de apogeu e abertura ao mundo (anos letivos de 1954/55 a 1967/68). Na fase de criação deste estabelecimento  escolar saliento a importância e influência da Fundação Rockefeller, do Instituto Português de Oncologia e da Direção-Geral de Saúde. Nos, segundo e terceiro períodos realço a relevância da Escola Técnica de Enfermeiras na formação de agentes de saúde pública e nodesenvolvimento da enfermagem no geral e da enfermagem de saúde pública em particular; nas políticas de ensino da Enfermagem com reflexos evidentes nas práticas pedagógicas e nos planos de estudos seguidos noutros estabelecimentos escolares de Enfermagem tanto em Portugal como no estrangeiro e nas políticas públicas promulgadas relativas ao ensino de Enfermagem, nomeadamente, em 1952 e 1965. No fim da terceira e última fase estudada (1958-1968) e como resultado da permanência da Escola sob a tutela do Ministério da Educação Nacional destaco a sua “incapacidade” para inovar e criar pós-graduações em enfermagem, estudos que tanto ambicionava. Ficava dessa forma impossibilitada de cumprir o seu ideário e de completar o projeto a que se tinha proposto.

……. link para a tese de PhD em Educação, Especialidade História da Educação, de Oscar Ferreira, sob orientação de Justino Magalhães e co-orientação de Áurea Adão.