este é o tempo…

Trouxe-o de Outro Olhar:

“Este é o tempo
da selva mais obscura
Até o ar azul se tornou grades
E a luz do sol se tornou impura
Esta é a noite
Densa de chacais
Pesada de amargura
Este é o tempo em que os homens renunciam.”

Sophia de Mello Breyner,
Mar Morto (1962)

E se hoje pudesse ser o tempo em que se revoltam? se indignam?

a quem interesse

Nursing Research in Europe – Scope Report (com secções por países)

Alguns exemplos de suporte ao desenvolvimento da investigação, ou a ver como é por esse mundo fora:

Sigma Theta Tau International/National League for Nursing Grant (NLN) – Purpose – To support research that advances the science of nursing education and learning through the use of technology in dissemination of knowledge. Research funding

Doctoral 2008 Nursing Research Studentship NEW for 2008 is a joint Doctoral/Post-doctoral Nursing research award in partnership with the MS SOCIETY.The award is open to members of the nursing and midwifery professions, working in the UK, who hold active registration with the Nursing and Midwifery Council.

Nursing Times Awards 2008 “Nurses throughout the UK do a brilliant job treating, caring for and comforting patients and clients every day. They also continually develop clinical practice and introduce innovative measures to improve the delivery of healthcare. Yet much of this hard work and innovation goes unnoticed and unrecognised. That’s why we hold the Nursing Times Awards – to recognise and reward the tremendous achievements of nurses in all areas of healthcare.”

Karolinska Medical Management Centre/EHMA Research Award. This award is presented for the best publication associated with a doctoral thesis related to health management. The award is worth 1,000 euros. Deadline for the receipt of application: 31 January annually

Atie Immink New Investigator Award – The ESC Council on Cardiovascular Nursing and Allied Professions (CCNAP) is committed to professional growth of new investigators in cardiovascular nursing. The number of PhD prepared cardiovascular nurses is growing in Europe, and the New Investigator Award will aim to recognise the outstanding contribution of these investigators in understanding, preventing and treating cardiovascular diseases. This is the first award to be established in cardiovascular nursing at a European level. The award is named after one of the founders, and first chair of the Working Group on Cardiovascular Nursing, Atie Immink.

Eligibility criteria – To be eligible for the award candidates must: be doctorally-prepared registered nurses (RN with a PhD) and be within 5 years after completion of their PhD and have their abstract accepted for presentation at the 2008 ESC Congress.

4 pilares, ou tarefas para a vida…

Os quatro pilares apontados pela UNESCO como eixos estruturais da educação na sociedade contemporânea:

1- aprendera conhecer (como buscar o conhecimento);

2- aprender a fazer (colocar em prática o conhecimento adquirido);

3- aprender a viver (aprender junto com o outro e não de forma solitária, egoísta);

4- aprender a ser (tudo isso de forma ética, visando o bem estar social).

UNESCO. Educação: um tesouro a descobrir. 2. ed. São Paulo: Cortez, MEC, 1999.

em jeito de glossário (II): classificação e ontologia

Classificação processo de dividir em grupos ou classes, segundo as diferenças e semelhanças, em certo número de grupos metodicamente distribuídos. O elemento essencial é a formação metódica e sistemática de grupos, a acção organizante de ordenar um determinado conjunto de seres ou coisas em agrupamentos menores, a partir de características semelhantes partilhadas por alguns (que os incluem dentro de determinado grupo) e não compartilhada pelos demais (que não pertencem a esse grupo). Do esforço sistematizado de divisão e organização do conhecimento, releve-se a teoria aristotélica e as “árvores do conhecimento”.

Aristóteles considerou cinco tipos de relações existentes num arranjo lógico: a) Género: classe ou grupo de seres ou objectos que possuem um determinado número de características em comum; b) Espécie: ser ou coisa que possui uma diferença específica que a distingue do seu género próximo; a espécie é obtida do género pelo acréscimo de uma diferença; c) Diferença: a característica que serve para gerar uma espécie; cada acréscimo de diferença gera uma nova espécie; d) Propriedade: algo próprio de cada elemento de uma classe mas que não é imprescindível à definição da classe; e) Acidente: qualidade não obrigatória a todos os elementos de uma classe, isto é, que pode ou não estar presente num conceito

Ontologias A Representação do conhecimento é um assunto multidisciplinar que aplica teorias e técnicas de outros três campos: 1 – Lógica, que proporciona a estrutura formal e as regras de inferência; 2 – Ontologia, que define os tipos de coisas que existem no domínio da aplicação; 3 – Computação, que apoia as aplicações que distinguem a representação do conhecimento da filosofia pura.

Na lógica da representação do conhecimento, Guarino (1997) definiu ontologia como uma caracterização axiomática do significado do vocabulário lógico, e, para Sowa e Dietz (1999), define os tipos de coisas que existem no domínio de uma aplicação. Entende-se que possam ser classificadas, e Uschold (1996) divide as ontologias quanto ao tipo de conhecimento que representam:

a) Ontologia de domínio: conceptualizações de domínios particulares;

b) Ontologia de tarefas: conceptualizações sobre a resolução de problemas independentemente do domínio onde ocorram;

c) Ontologia de representação: conceptualizações que fundamentam os formalismos de representação do conhecimento.

Se se entender «ontologias» como descrição formal de conceitos num domínio do discurso, relativo às propriedades de cada conceito – na linha das características e atributos, da classificação das coisas existentes -, uma ontologia constitui-se como base de conhecimento. Conforme apresentou Gruber (1993), ontologia seria uma especificação explícita de conceitos e das suas relações, propriedades e restrições expressas formalmente.

ângulos

E se o que faz as coisas parecerem diversas, também fosse a perspectiva de onde se vêm? a distãncia, a capacidade da lente, o ângulo da captação da imagem…

As flores permanecem as mesmas e os diversos olhares não alteram o que são nem o facto de se deixarem apreender. Alteram, todavia, o modo como são ou parecem ser apreendidas.

Parece razoável… Mas pode esta hipótese ser apenas expressão desculpante da subjectividade? ou ancoragem para as diferenças?